POLÍCIA FEDERAL

PF deflagra segunda fase da Operação Amphis, que apura atuação de doleiros de Pernambuco

Publicados

em


Recife/PE – A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (22/9) a segunda fase da Operação Amphis, para investigar esquema criminoso de evasão de divisas, manutenção de instituição financeira clandestina, lavagem de dinheiro e organização criminosa, operado por doleiros em Pernambuco e noutros estados brasileiros, e ainda nos Estados Unidos da América.

Cerca de 40 policiais federais estão cumprindo 9 mandados de busca e apreensão em sedes de empresas e em residências dos suspeitos. Além disso, foi decretado pela Justiça Federal de Recife/PE o sequestro de imóveis (quatro apartamentos localizados no bairro de Piedade, Jaboatão dos Guararapes/PE), e bloqueio de contas de empresas ligadas aos investigados. A ação ocorre nos municípios de Recife/PE, Belo Horizonte/MG e Iguaba Grande/RJ.

A primeira fase da aludida operação ocorreu em outubro de 2020 e teve como principais alvos os doleiros componentes da organização criminosa investigada.

Os alvos das medidas de busca e apreensão cumpridas hoje são operadores financeiros que atuam no Brasil e/ou nos EUA, auxiliando os doleiros nas respectivas atividades criminosas, principalmente realizando transações bancárias de interesse dos mesmos. Também está sendo apurada possível sociedade desses doleiros com empresários pernambucanos atuantes na área de factoring.

Já os alvos das medidas de sequestro de bens foram em desfavor de um casal de doleiros que possuiu casas de câmbio em Recife/PE e em Porto de Galinhas, Ipojuca/PE, e tem negócios semelhantes na Flórida/EUA, promovendo remessas de valores do Brasil para o país norte-americano e vice-versa.  Apesar de possuírem autorização para realizar algumas operações de câmbio, os investigados muitas vezes se utilizavam de sistema paralelo de remessas clandestinas, por meio de contas abertas em nome de laranjas e/ou empresas fantasmas, além de operadores financeiros com os quais se associaram, no Brasil e no exterior.

As investigações dos fatos apurados nesta fase foram iniciadas em 2020. Somente no Brasil, o grupo movimentou mais de R$ 250 milhões nos últimos dez anos.

As penas dos crimes, somadas, podem chegar a 26 anos de prisão.

Nome da operação: O prefixo de origem grega AMPHI remete à dualidade ou duplicidade e, no caso, faz referência à atuação da organização criminosa investigada em pelo menos dois países (Brasil e EUA).

Comunicação Social da Polícia Federal em Pernambuco

Fone: (81) 2137-4076
E-mail: [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF deflagra operação de combate ao crime de moeda falsa em Santa Catarina

Publicados

em


Joinville/SC – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (22/10) a operação “Mascada 2”, com o objetivo de combater a introdução de cédulas falsas em circulação.  A investigação foi iniciada com a identificação de diversas encomendas postadas em uma agência dos Correios em Araquari/SC contendo cédulas falsas para todas as regiões do Brasil, mediante utilização de nomes e endereços fictícios do remetente. 

O responsável pelas postagens foi identificado e, hoje, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, em endereços do investigado na cidade de Araquari/SC. Durante as buscas foram encontradas grande quantidade de cédulas falsas, impressora e guilhotina utilizados na fabricação das cédulas contrafeitas, o que motivou a prisão em flagrante do suspeito. 

Durante as investigações, 16 remessas contendo cédulas falsas foram interceptadas, evitando que fossem introduzidas em circulação. A quantidade de cédulas falsas de reais e seu correspondente valor de face ainda segue em apuração e será informado assim que encerrada a formalização da apreensão.

O investigado responderá pelo crime de moeda falsa, tipificado no artigo 289 do código penal, com pena de reclusão de três a doze anos. Responde pelo crime de moeda falsa quem fabrica, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa, assim como aquele que, mesmo tendo recebido de boa-fé, como verdadeira, a restitui em circulação após conhecer a falsidade.

Será concedida entrevista coletiva de imprensa, na data de hoje, às 17h30, na sede da Delegacia de Polícia Federal à Rua José Elias Giuliari, nº 72 – Boa Vista, Joinville/SC.

Comunicação Social da Polícia Federal em Joinville/SC

[email protected] / www.pf.gov.br

(47)  3431-6880

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana