POLÍCIA FEDERAL

PF apura possível desvio de medicamentos do kit intubação enviados pelo Ministério da Saúde ao Amapá.

Publicados

em


Macapá/AP – A Polícia Federal deflagrou hoje (7/5) a Operação Anestesia*, com apoio do Ministério Público Federal (MPF). Cerca de 20 policiais federais cumpriram quatro mandados de busca e apreensão, em órgãos públicos e nas residências dos investigados, todos eles em Macapá/AP.

A investigação iniciou-se a partir de denúncias, apontando possível desvio de medicamentos sedativos e bloqueadores neuromusculares, enviados pelo Ministério da Saúde ao Estado do Amapá. Tais medicamentos seriam usados na intubação e tratamento emergencial do COVID-19 – o chamado “kit intubação”,  cuja  demanda cresceu com o aumento dos casos da doença, chegando à escassez em diversos lugares, notadamente no Estado do Amapá.

Os policiais foram às ruas para buscar dados e documentos relativos à entrada e à saída de tais medicamentos da Central de Abastecimento Farmacêutico do Amapá (CAF), vinculada à Secretaria de Saúde do Estadual (SESA) para o Hospital Universitário (HU). A investigação apontou indícios de que medicamentos sob a responsabilidade da (CAF) estariam sendo enviados sem as formalidades legais, em possível desvio.

De acordo com o que foi apurado, apesar do órgão (CAF) ter registrado o envio dos medicamentos disponibilizados pelo Ministério da Saúde para atendimento da população amapaense, os fármacos estavam em falta no Hospital Universitário.

Identificou-se também que particulares, possivelmente atendendo a indicações de pessoas do HU, estariam procurando farmácias especializadas na capital para comprar os medicamentos sedativos, para tratamento de familiares/pacientes internados em UTIs.

Se confirmadas as denúncias, os envolvidos poderão responder por peculato e organização criminosa, com penas que alcançam 20 anos de reclusão.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Instagram:  @policiafederalamapa

 [email protected]

 www.pf.gov.br

(96) 3213-7500

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

FICCO prende associação criminosa especializada em furto de caixas eletrônicos

Publicados

em


Uberlândia/MG – A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO) de Uberlândia, coordenada pela Polícia Federal e também composta pelas Polícias Civil, Militar, Penal e Rodoviária Federal, prendeu, na sexta-feira (11/6), um homem e uma mulher por tentativa de furto qualificado no momento em que estavam nas dependências de uma agência bancária, em Uberlândia, portando instrumento utilizado para a subtração de envelopes usados para depósitos em caixas eletrônicos.

Os presos haviam furtado outra agência do mesmo banco, na cidade de Uberaba/MG, em 10/6/2021, utilizando o instrumento vulgarmente conhecido como “jacaré”, que permite que os criminosos pesquem os envelopes de depósitos do interior dos caixas eletrônicos. Imagens desse furto de 10/6, gravadas pelas câmeras de segurança do banco, permitiram que a FICCO-Uberlândia diligenciasse e encontrasse os suspeitos no exato momento em que tentavam efetuar o furto de 11/6, utilizando o mesmo modus operandi anterior. No veículo utilizado pelos presos, foram encontrados diversos apetrechos para a prática delitiva em questão, além das peças de roupas utilizadas no furto ocorrido em Uberaba.

Os presos, de 18 anos e 30 anos, são residentes no estado de São Paulo. Contra eles, pesa a suspeita de que já teriam atuado em diversos estados da Federação e na região de Uberlândia.

Eles foram encaminhados ao presídio local, onde permanecerão à disposição da Justiça. Com os dois, havia um adolescente, de 17 anos, que não foi autuado e foi imediatamente entregue ao representante local do Conselho Tutelar. O representante do Conselho Tutelar compareceu à Delegacia e assumiu a custódia do menor, comprometendo-se a providenciar seu acolhimento institucional até o comparecimento de seus genitores.

Os dois presos foram indiciados por furto qualificado tentado, relativamente ao episódio em Uberlândia; furto qualificado consumado, no que se refere ao ocorrido em Uberaba; associação criminosa e por corrupção de menores. Se condenados, poderão cumprir até 11 anos de reclusão.

Comunicação Social da Polícia Federal em Uberlândia/MG

pf.udi.mg @pf.gov.br | www.pf.gov.br

(34) 3230-2000

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana