economia

Petrobras (PETR4): general Silva e Luna não preenche requisitos para o cargo, diz conselheiro

Publicados

em


source
Petrobras (PETR4): general Silva e Luna não preenche requisitos para o cargo, diz conselheiro
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Petrobras (PETR4): general Silva e Luna não preenche requisitos para o cargo, diz conselheiro

Na condição de convidado sem direito a voto na reunião do último dia 16 do Conselho de Pessoas (Cope) da Petrobras (PETR4), o conselheiro Marcelo Mesquita afirmou ser contrário à eleição do general Joaquim Silva e Luna para uma vaga no Conselho de Administração da estatal , já que significaria posterior condução do militar ao cargo de presidente, segundo ata da reunião.

De acordo com o Terra, Mesquita disse que o Cope não deveria se limitar a uma análise burocrática do currículo do indicado (Silva e Luna), mas se valendo de análises de integridade e de capacitação e gestão. O executivo fez referência à contratação pela Eletrobras de uma consultoria para escolher o novo presidente – o que foi descartado após indicação direta da União nesta quinta-feira, 25 -, afirmando que este seria o melhor caminho a seguir para a indicação do presidente “da maior empresa do hemisfério sul”.

Petrobras (PETR4) e Petrorio (PRIO3) finalizam negócio envolvendo Campo de Frade

Petrobras

Ainda na ata, Mesquita destacou que se a eleição fosse apenas para conselheiro da Petrobras, não faria oposição. Para presidente, porém, o executivo afirmou que “o indicado não preencheria as condições suficientes para o exercício do cargo”.

Apesar da declaração de Mesquita, os membros do Cope votaram favoravelmente à eleição de Silva e Luna para o Conselho de Administração da empresa, o que o torna elegível ao cargo de presidente da Petrobras, e que deverá ser confirmado na próxima Assembleia Geral dos Acionistas (AGE), marcada para o da 12 de abril. O Cope é presidido pelo conselheiro da Petrobras, Ruy Flaks Schneider.

Você viu?

A estatal

Petróleo Brasileiro S.A. é uma empresa de capital aberto, cujo acionista majoritário é o Governo do Brasil, sendo, portanto, uma empresa estatal de economia mista.

Veja PETR4 na Bolsa :

Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ
Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ
  • Só clique aqui se já for investidor

O post Petrobras (PETR4): general Silva e Luna não preenche requisitos para o cargo, diz conselheiro apareceu primeiro em 1 Bilhão Educação Financeira .

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Governo anuncia leilão para compra simplificada de energia em outubro

Publicados

em


Em meio a maior crise hídrica já registrada nos últimos 91 anos e considerando estudos sobre as condições de fornecimento nos próximos anos, em outubro haverá um leilão emergencial de energia para garantir o suprimento a partir de 2022. 

Segundo portaria normativa do Ministério de Minas e Energia (MME), publicada em edição extra do Diário Oficial da União de ontem (17), o objetivo é a contratação de forma simplificada. O edital está sendo elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A medida atende recomendação do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) e foi aprovada pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (Creg), órgão presidido pelo Ministério de Minas e Energia (MME) para tratar da crise hídrica.

O leilão emergencial vai contratar energia de reserva, na modalidade por quantidade para usinas termelétricas a biomassa, eólica e solar fotovoltaica, e na modalidade por disponibilidade para termelétricas a gás natural, óleo combustível e óleo diesel, sendo estas duas mais caras para o consumidor, ambas com suprimento entre 1º de maio de 2022 e 31 de dezembro de 2025.

Como será

Pelas regras, não poderão participar do leilão emergencial usinas que não estejam nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, hidrelétricas, além de empreendimentos com capacidade instalada menor ou igual a três megawatts (MW) para usinas a óleo diesel e cinco MW para as demais, e termelétricas com Custo Variável Unitário (CVU) superior a R$ 750 por megawatt-hora (MWh) para gás natural e R$ 1 mil por MWh para diesel e óleo combustível.

Também ficarão de fora térmicas a diesel, óleo combustível ou gás natural que não sejam despachadas centralizadamente pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e térmicas a diesel cuja indisponibilidade programada seja diferente de zero, em ciclo combinado e a biomassa, além de eólica e solar cujo CVU seja diferente de zero.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana