AGRO & NEGÓCIO

Pesquisador e jornalista da Embrapa Rondônia recebem prêmio Fapero de Ciência, Tecnologia e Inovação

Publicados

em


Esta foi a primeira edição do Prêmio “Prof. Dr. Luiz Hildebrando Pereira da Silva”, da Fundação Rondônia de Amparo ao Desenvolvimento das Ações Científicas e Tecnológicas e a Pesquisa – Fapero. O objetivo é incentivar a produção científica, tecnológica e de inovação no estado, por meio do reconhecimento de ações de pesquisadores e jornalistas com atuação de destaque. A Embrapa Rondônia conquistou duas premiações: o 2º lugar na categoria Pesquisador Inovador, com Alexsandro Teixeira; e o 1º lugar na categoria Profissional de Comunicação, com a jornalista Renata Silva.

Para Teixeira, é o reconhecimento do trabalho que a Embrapa vem fazendo em prol do desenvolvimento da agropecuária em Rondônia e ajudando na melhoria da qualidade de vida dos produtores e da sociedade. “Temos atuado em equipe e com dedicação para desenvolver novas cultivares clonais de café para Rondônia e região Amazônica. Também estamos fazendo com que elas cheguem aos produtores. São materiais com alta produtividade por área e qualidade que podem promover a transformação no campo e na vida das famílias”, afirma o pesquisador. 

A jornalista Renata Silva destaca o importante papel da comunicação na divulgação científica e no processo de adoção de tecnologias no campo. “A transformação ocorre com a apropriação do conhecimento e com as trocas de saberes. Acredito que a comunicação é fundamental neste processo, pois atua de maneira transversal e como um elo importante que conecta pesquisadores, produtores e sociedade”, aponta Renata, que compartilha a premiação com toda a equipe envolvida no trabalho. A reportagem premiada traz como foco a produção de cafés Robustas Amazônicos Especiais em Rondônia e a inclusão social, por meio da produção de um documentário com recursos de acessibilidade. Acesse aqui: bit.ly/3iViqkD

O presidente da Fapero, Paulo Haddad, ressalta que o prêmio é, além de um incentivo, o reconhecimento da qualidade da produção científica e inovação em Rondônia. “Que esta premiação represente nosso esforço em promover a ciência e valorizar os cientistas e profissionais que atuam na difusão do conhecimento científico em Rondônia”, destaca Haddad. 

O diretor científico da Fapero, Andreimar Soares, aponta a missão da instituição em consolidar o sistema de ciência e tecnologia e reconhecer os profissionais que atuam neste processo é fundamental. “Ciência para mim é transformação social. Como pesquisador há 28 anos, vivencio esse processo e vejo pessoas que, por meio da ciência, saíram da pobreza e hoje são doutores, estão no mercado de trabalho como pesquisadores. Precisamos valorizar a ciência!”, afirma Andreimar.

Premiados

O Prêmio FAPERO 2021 foi entregue a sete profissionais de destaque pela realização cientifica, tecnológica e inovadora de reconhecido valor para o progresso da Ciência em Rondônia. Eles foram divididos em três categorias:

– Pesquisador(a) Destaque: 1º lugar Juliana Pavan Zuliani; 2º lugar Deusilene Souza Vieira Dallacqua; e 3º Lugar Najla Benevides Matos, todas pesquisadoras da Fiocruz Rondônia.

– Pesquisador(a) Inovador(a): 1º lugar Leonardo de Azevedo Calderón, da Fiocruz Rondônia; 2º lugar Alexsandro Lara Teixeira, da Embrapa Rondônia.

– Profissional de Comunicação: 1º lugar Renata Kelly da Silva, da Embrapa Rondônia; 2º lugar José Gadelha da Silva Junior, da Fiocruz Rondônia.
 

Prêmio Luiz Hildebrando Pereira da Silva

Esta premiação é uma homenagem in memoriam ao pesquisador que deixou um legado para a saúde pública no Brasil (1928 – 2014). O professor Hildebrando integrou o grupo de pesquisadores do Instituto Pasteur, em Paris, e se mudou para Rondônia no fim da década de 90, atraído, principalmente, pelo desejo de fazer pesquisa. Influenciou uma nova geração de pesquisadores e o seu legado pode ser visto no entendimento de doenças tropicais e negligenciadas como a malária, além das hepatites virais e arboviroses. Acesse mais informações sobre o professor Hildebrando na Fiocruz: https://bit.ly/3BDzdjO 

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Nascimento de bezerros exige cuidados do produtor

Publicados

em


Veterinário recomenda algumas medidas para melhorar o bem-estar dos recém-nascidos  

O período de nascimento de bezerros requer muita atenção e cuidado nas propriedades leiteiras.

Assim que o animal nasce, ele precisa receber o colostro, primeiro leite secretado pela mãe pós-parto. O colostro é considerado “a primeira vacina” do filhote, já que a placenta não passa a imunidade ao recém-nascido.

De acordo com o veterinário Eduardo de Oliveira, da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos – SP), curar o umbigo é um manejo básico e muito importante, principalmente na época chuvosa. O local pode ser uma porta de entrada para infecções e a chuva deixa o cordão umbilical úmido, favorecendo a proliferação de microrganismos. O veterinário recomenda que a cura do umbigo seja feita duas vezes ao dia, durante três dias, com solução de iodo (10%), garantindo assim a cauterização química completa para não haver risco de infecção.

Outra ocorrência muito comum nesta época de chuvas é a pneumonia nos bezerros. Segundo Oliveira, o produtor deve ficar atento a sinais, como: falta de apetite, cansaço e febre.

Diarreia também é bastante frequente nos recém-nascidos. Algumas medidas contribuem para redução dessa enfermidade, como limpeza do comedouro e do bebedouro, higienização dos utensílios usados para fornecimento de leite e do local onde os animais ficam. Assim, evita-se a transmissão e proliferação de microrganismos.

A separação dos bezerros pode ser uma alternativa para impedir a contaminação cruzada.

Manter o calendário de vacinação em dia e fazer a vermifugação adequada são essenciais à sanidade e ao bem-estar de todo o rebanho.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana