AGRO & NEGÓCIO

Palestras on-line marcam Dia do Limão Tahiti e Expolimão nos dias 14 e 15 de abril

Publicados

em


Em 2021, o Dia do Limão Tahiti, em sua 21ª edição, e a Expolimão (2ª edição), vão ocorrer, pela primeira vez, no formato digital, nas manhãs dos dias 14 e 15 de abril. Realizados pelo Centro de Citricultura Sylvio Moreira do Instituto Agronômico (CCSM/IAC) e Polo Regional Centro Norte, ambos da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (APTA/SAA), os eventos, gratuitos, serão transmitidos pelo canal da Embrapa no YouTube (www.youtube.com.br/embrapa), a partir das 9h, em uma parceria firmada com a Embrapa Mandioca e Fruticultura, coorganizadora desta edição. Para participar, é necessário realizar inscrição prévia pelo site: http://eventos.fundag.br/events.

Tradicionalmente coordenado e realizado, desde o ano 2000, pelo CCSM/IAC, localizado em Cordeirópolis (SP), a partir de 2013, o Dia do Limão Tahiti passou a ocorrer no Polo Regional Centro Norte da APTA/SAA, no munícipio de Pindorama (SP), localizado na maior região produtora da lima ácida Tahiti do estado de São Paulo, visando à aproximação com o setor produtivo. Em 2019, o evento comemorou sua 20ª edição e, como novidade, realizou a 1ª Expolimão. Após 20 anos de edições ininterruptas, em 2020, o evento foi cancelado em virtude da pandemia do novo coronavírus.  

Programação
Os temas das palestras foram definidos em consonância com a cadeia produtiva do Tahiti (produtores, consultores, empresas do setor etc.), que todo ano enviam sugestões de palestras e palestrantes. “Dessa forma, conseguimos atender aos anseios do setor por novidades, visando contribuir, a curto prazo, para alterações no sistema de cultivo e comercialização, resultando em aumento de produtividade e lucratividade”, afirma o coordenador-geral dos eventos, Fernando Azevedo, pesquisador do CCSM/IAC.

O evento contará com quatro painéis, dois em cada dia do evento. O primeiro será sobre Economia. Serão abordados os cenários econômicos atuais para o Tahiti e a importância da certificação e qualidade da fruta. No segundo painel, serão apresentadas as novas variedades copas e porta-enxertos desenvolvidas pelo IAC e a Embrapa —  o pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura Eduardo Stuchi vai falar sobre as variedades da Embrapa. Fitossanidade e Manejo fecham o evento, nos dois últimos painéis, trazendo palestras sobre manejo de duas importantes doenças bacterianas, o cancro cítrico e o HLB, e informações sobre controle de plantas daninhas, poda e indução floral. Confira aqui a programação completa.

 
Cenário
A limeira ácida Tahiti, também conhecida como limão Tahiti, é cultivada em cerca de 56.000 ha no Brasil. O estado de São Paulo possui a maior área de produção de citros do Brasil e a área cultivada com Tahiti entre 35.076 e 38709 ha, de acordo com  dados de 2021 do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) e do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). As regiões norte e centro do estado de São Paulo representam cerca de 50% da área total plantada com a cultivar no estado de São Paulo. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a produção brasileira anual de frutos de Tahiti atinge ao redor de 1,5 milhão de toneladas, e as exportações de frutas frescas alcançaram US$ 90,9 milhões em 2019.

Serviço

21º Dia do Limão Tahiti e 2ª Expolimão

Dia 14
Horário: 9h às 12h
Painel I – Economia
Painel II – Copas e Porta-enxertos
Link do evento: https://youtu.be/2R09ma9gRSk

Dia 15
Horário: 9h às 12h
Painel III – Fitossanidade
Painel IV – Manejo
Link do evento: https://youtu.be/vopR9GCk5Ng

Programação completa aqui.

Texto: *Com informações do CCSM/IAC.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Prosa Rural – Como a eficiência alimentar contribui para a sustentabilidade dos sistemas na pecuária

Publicados

em


Maio/2021 – 3ª Semana – Região Sul

Esta semana o Prosa Rural fala sobre a eficiência alimentar e sua contribuição para a sustentabilidade dos sistemas na pecuária. Essa eficiência pode ser medida por meio de Provas de Avaliação a Campo e de Eficiência Alimentar de touros das raças Hereford, Braford, Aberdeen Angus e Charolês. As provas ajudam a identificar os exemplares mais eficientes para a produção de carne e têm um aproveitamento melhor do alimento. Os exemplares mais eficientes são animais que geram menos gases de efeito estufa e menos dejetos para o ambiente. Participa do programa a pesquisadora Renata Suñé, da Embrapa Pecuária Sul.  Quer saber mais sobre o assunto? Então, fique ligado no Prosa Rural, o programa de rádio da Embrapa!

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana