Saúde

Opas: medidas de prevenção seguem necessárias mesmo com vacinação

Publicados

em


A diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Carissa Etienne, disse hoje (5) em entrevista coletiva que neste momento é preciso manter as medidas de prevenção contra a covid-19, como uso de máscaras e distanciamento social.

A diretora argumentou que a vacinação é fundamental para o combate à pandemia, mas que até agora os países da América Latina e Caribe ainda não receberam doses suficientes para uma imunização mais abrangente contra o coronavírus.

“Embora as pessoas estejam sendo vacinadas, não podemos confiar nas vacinas para reduzir as infecções quando não há vacinas para todos. Elas são uma parte das respostas abrangentes que inclui a prevenção por meio de medidas de saúde. É por isso que precisamos fazer tudo para dobrar a curva e reduzir as infecções”, destacou Etienne.

A diretora lembrou que, em diversos países, as unidades de Terapia Intensiva (UTI) vêm sendo insuficientes para atender aos pacientes com covid-19. Mesmo com a ampliação dos leitos, a ocupação também avança, criando dificuldades de atender ao número de infectados com o avanço da pandemia.

A diretora não deixou de ressaltar também a necessidade de ampliar o ritmo da vacinação na região. “Precisamos de mais vacinas, estamos buscando nos níveis mais elevados para ter aumento de suprimento e países que têm vacinas em excesso”, acrescentou.

Etienne informou que a Opas vem dialogando com o governo da Índia para que sejam liberadas as doses previstas no contrato do mecanismo Covax Facility, consórcio coordenado pela Organização Mundial de Saúde. O governo indiano tem segurado as doses em razão da explosão dos casos de covid-19 e mortes em decorrência da doença no país.

“Temos o diretor geral da OMS que está em negociação com o governo da índia par que possa autorizar parte da produção para mecanismo Covax e outra parte para necessidades do país”, afirmou o diretor adjunto da OPAS, Jarbas Barbosa.

Até agora, a região recebeu 11,4 milhões de doses. O Brasil foi o país que mais teve entregas do imunizante (5 milhões), seguido por Chile (1,5 milhão), Colômbia (1,2 milhão), Argentina (1,08 milhão) e México (1,07 milhão).

Barbosa relatou que outro esforço em curso é a negociação com os Estados Unidos para que o governo de Joe Biden possa disponibilizar vacinas excedentes para os países da América Latina e Caribe.

A diretora da Opas chamou a atenção para a necessidade de os governos promoverem campanhas de comunicação abrangentes de modo a convencer que as pessoas cumpram as medidas de prevenção e se vacinem. Entre as ações, devem tentar dialogar sobretudo com quem duvida da eficácia da imunização.

“A gente sabe que a vacina é segura porque elas passam por processos de ensaios antes que possam ser aprovadas para uso pela população. E isso garante a segurança da vacina e o número de doses que serão necessárias”, enfatizou.  

Brasil

Os diretores da Opas falaram sobre o cenário da pandemia no Brasil. Jarbas Barbosa classificou como crise a situação do risco de desabastecimento de insumos, como oxigênio e medicamentos para intubação.

O diretor adjunto da Organização disse que a OPAS está em interlocução como governo dos Estados Unidos para buscar viabilizar a doação de remédios do chamado “kit intubação” ao Brasil, mas não detalhou se já houve resposta ao pleito.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Doria anuncia redução no intervalo entre doses da Pfizer de 12 para 8 semanas

Publicados

em


source
Intervalo entre doses da Pfizer cai para 8 semanas
Reprodução: iG Minas Gerais

Intervalo entre doses da Pfizer cai para 8 semanas

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou hoje que o estado vai reduzir o intervalo entre as doses da vacina da Pfizer de 12 para 8 semanas. A ideia é que as pessoas completem o esquema vacinal em menos tempo para frear o avanço do número de casos. Cerca de 2 milhões de doses estão sendo enviadas aos postos de saúde para colcar a medida em prática.

O anúncio aconteceu durante uma cerimônia onde o Butantan assinou um acordo de fornecimento de 2,5 milhões de doses para Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará e Piauí.

Em agosto, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou em um evento em Brasília a antecipação da aplicação do segunda dose. A previsão era setembro, mas a medida chegou a ser posta em dúvida em alguns estados pela falta de vacinas.

A estratégia é definida pelo Plano Estadual de Imunização (PEI) pode ser colocada em prática já a partir desta sexta-feira pelos 645 municípios. Segundo balanço do governo estadual, 6,9 milhões de pessoas já imunizadas serão beneficiadas com a medida.

Os cidadãos serão avisados por mensagens de texto e-mails. Cada pessoa imunizada com a Pfizer poderá conferir sua carteirinha para verificar a nova previsão de retorno ao posto, contando no calendário 28 dias antes da data previamente sinalizada para receber a segunda dose.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana