BRASIL E MUNDO

OMS pede vacinas para cobrir carência grave de países mais pobres

Publicados

em


Países ricos estão retomando a atividade social e vacinando jovens que não correm grande risco de covid-19, enquanto os países mais pobres sofrem uma carência cruel de doses, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira(25), criticando um fracasso global.

A situação na África, onde as novas infecções e mortes saltaram quase 40% na semana passada quando comparadas com a semana anterior, é “muito perigosa” agora que a variante Delta se dissemina globalmente, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Nosso mundo está fracassando, como comunidade global estamos fracassando”, disse ele em uma coletiva de imprensa.

Tedros, que é etíope, repreendeu países não identificados por sua relutância em compartilhar doses com países de renda baixa. Ele comparou a situação com a crise de HIV/Aids, quando alguns argumentaram que nações africanas eram incapazes de usar tratamentos complicados.

“Quer dizer, esta atitude tem que ser uma coisa do passado”, disse o diretor-geral. “O problema agora é um problema de suprimento, deem-nos as vacinas.”

“A diferença é entre os que têm e os que não têm, o que está expondo completamente a injustiça do nosso mundo agora – a injustiça, a desigualdade, vamos dizer a verdade”.

Muitos países em desenvolvimento se saem muito melhor do que países industrializados em vacinações em massa de suas populações contra doenças infecciosas que vão do cólera à pólio, disse Mike Ryan, o maior especialista em emergências da OMS.

“O nível de paternalismo, o nível de mentalidade colonial que dizem ‘não podemos dar algo a vocês porque tememos que vocês não usem’. Falando sério, no meio de uma pandemia?”, afirmou.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Paraisópolis ganha parque municipal no dia em que celebra 100 anos

Publicados

em


source
Parque de Paraisópolis
Marcelo Pereira/Secom

Parque de Paraisópolis



Neste sábado, a Prefeitura entregou à população, o Parque Municipal Lourival Clemente da Silva, em Paraisópolis, antiga da comunidade da zona sul da capital. A entrega fez parte das comemorações dos 100 anos do bairro. Com a abertura hoje dessa área verde, já são 110 parques municipais na cidade de São Paulo, sendo dois entregues neste ano.

Segundo o prefeito, Ricardo Nunes, a capital terá mais ainda. “Essa marca é importante, porque a população precisa de área verde e de lazer. Por isso, em outubro entregaremos o Parque Augusta- prefeito Bruno Covas e faremos mais seis até o final da gestão”, completou.

A cidade de São Paulo tem 48,13% de área permeável, com cobertura vegetal e pode aumentar nos próximos anos. “O nosso desafio é manter ou aumentar essa área, pois a população precisa de parques e área de lazer. Além da preservação ambiental, beneficiamos a comunidade, com crianças brincando, jovens e idosos desfrutando do lazer, fazendo atividades e respirando ar puro. Vamos entregar uma cidade bem melhor a cada dia”, disse o prefeito Ricardo Nunes.

Já o secretário municipal do Verde e Meio Ambiente, Eduardo de Castro, destacou a importância de área verde para a população. “A entrega desse parque é importante para a cidade, para o meio ambiente e para a comunidade local que ganha uma área de Mata Atlântica muito rica com a presença de uma flora muito rica e uma fauna na qual já identificamos 24 espécies de aves”, disse Castro.

Parque Paraisópolis

Leia Também

Em maio de 2008 foi publicada a lei de criação do Parque e seu nome complementado em janeiro de 2020, em homenagem a Lourival Clemente da Silva, o “Louro” – morador por quase 50 anos e muito popular no bairro. Ele foi um agricultor e dono de um bar (hoje mercado). Faleceu em 2014, vítima de infarto.

A área total do Parque de Paraisópolis tem 68 mil metros quadrados, equivalente a quase 10 campos de futebol. O investimento para a abertura do Parque foi de R$ 2.922.488,80, provenientes do FMSAI – Fundo Municipal de Saneamento Ambiental e Infraestrutura. A inauguração do espaço faz parte das ações de melhoria em Paraisópolis tomada em conjunto entre a Prefeitura e o Governo do Estado de São Paulo em 2019.

O espaço conta com nascentes, curso d´água e vegetação de grande porte, além de um pergolado, deck, estares, edifício administrativo, área de exercício e parquinhos.

Dentre as espécies nativas, encontram-se ali cabuçu, capinxigui, figueira-branca, pau-jacaré, pixirica, sapopemba, suinã, tapiá-guaçu e tucum. Já entre as exóticas destacam-se a árvore-do-papel-de-arroz, o cinamomo, além de eucaliptos. Uma das espécies registradas é o pinheiro-do-paraná, que está em perigo de extinção no Brasil. Como compensação ambiental, foram plantadas 202 mudas nativas.


Bairro

Originado cem anos atrás em um loteamento destinado à construção de residências na antiga Fazenda do Morumbi, Paraisópolis começou a ser ocupado a partir de 1950 em terrenos de caráter semi-rural, por famílias de baixa renda, em sua maioria migrantes nordestinos atraídos pelo emprego na construção civil. Em 1970 já residiam irregularmente cerca de 20 mil pessoas, hoje são 100 mil.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana