Saúde

Ômicron: vacinas contra covid ainda devem funcionar contra nova mutação, diz OMS

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Variante ômicron: vacinas contra covid ainda devem funcionar contra nova mutação, diz OMS
Reprodução: BBC News Brasil

Variante ômicron: vacinas contra covid ainda devem funcionar contra nova mutação, diz OMS

As vacinas existentes ainda devem proteger as pessoas que contraem a variante ômicron contra casos graves de covid, disse um diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os primeiros testes de laboratório com a nova variante na África do Sul sugeriram que ela poderia escapar parcialmente da vacina da Pfizer. Os pesquisadores disseram que houve uma “queda muito grande” na capacidade de neutralização da nova cepa pelos anticorpos da vacina.

Mas Mike Ryan, diretor de emergências da OMS, disse que não havia sinal de que a ômicron evitaria o efeito dass vacinas.

“Temos vacinas altamente eficazes que se mostraram eficazes contra todas as variantes até agora, em termos de doença grave e hospitalização, e não há razão para esperar que não fosse assim (para a ômicron)”, disse Ryan à agência de notícias AFP.

Ele disse que os dados iniciais sugerem que a ômicron não deixava as pessoas mais doentes do que a delta e outras cepas. “Na verdade, a direção é para menos severidade”, disse ele.

O novo estudo sul-africano — que ainda não foi revisado por pares — apontou que a vacina Pfizer/BioNTech pode resultar em até 40 vezes menos anticorpos neutralizantes contra a ômicron do que contra a cepa original.

Mas a capacidade da ômicron de escapar dos anticorpos da vacina é “incompleta”, disse o professor Alex Sigal, virologista do Africa Health Research Institute, que liderou a pesquisa. Ele disse que os resultados, baseados em exames de sangue de 12 pessoas, foram “melhores do que eu esperava sobre a ômicron”.

Sigal disse que a vacinação, combinada com infecção anterior, ainda pode neutralizar contra a variante. Isso sugere que as doses de reforço (terceira dose) podem trazer um benefício significativo.

Os cientistas acreditam que uma infecção anterior, seguida de vacinação ou reforço, provavelmente aumentará o nível de neutralização e provavelmente protegerá as pessoas contra doenças graves.

Mais dados sobre como a vacina da Pfizer funciona contra a ômicron devem ser divulgados nos próximos dias.

Não há dados significativos ainda sobre como Moderna, Johnson & Johnson e outras vacinas se comportam contra a nova variante.

Leia Também

Gráfico

BBC

Ômicron é a versão mais mutada do coronavírus encontrada até agora. Foi identificada pela primeira vez na África do Sul , onde agora há um aumento no número de pessoas que pegam covid várias vezes.

O porta-voz do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que os primeiros sinais sugeriam que a ômicron poderia ser mais transmissível do que a delta.

No entanto, a capacidade da ômicron de causar doenças graves ainda não está clara.

Anthony Fauci, especialista em doenças infecciosas dos EUA, disse que as primeiras evidências sugerem que a ômicron pode ser mais transmissível, mas menos grave.

Houve mais de 267 milhões de casos e mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia em 2020, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.


O que os testes de laboratório da África do Sul nos dizem sobre o Omicron?

Análise de Michelle Roberts, editora de saúde da BBC

Alguma queda na proteção da vacina não é algo surpreendente.

A quantidade observada neste pequeno estudo está perto do que os cientistas esperavam, dadas as mutações substanciais que a ômicron tem em comparação com a cepa original que as vacinas foram projetadas para combater.

O que esses primeiros resultados de laboratório ainda não podem nos dizer é o que realmente significa em termos de quão bem as vacinas existentes funcionam na proteção de pessoas ao redor do mundo.

Os anticorpos neutralizantes, que se ligam ao vírus para impedir que ele infecte nossas células, são apenas uma parte da resposta imunológica à covid.

Vacinas, ou infecção prévia, também desencadeiam células T que ajudam a nos proteger contra o vírus.

O cenário ficará mais claro nas próximas semanas, à medida que coletarmos mais dados de todo o mundo sobre quantas pessoas estão contraindo ômicron, quão doentes estão e se foram vacinadas ou não.


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Drop here!
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Saúde e Anvisa atualizam regras para doação de sangue durante pandemia

Publicados

em


O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atualizaram as regras para doação de sangue em função da pandemia de covid-19. De acordo com nota técnica divulgada ontem (25), quem foi infectado pelo vírus fica inapto para doação por dez dias após se recuperar da doença. Anteriormente, o prazo era de 30 dias. 

O período de inaptidão de dez dias vale para quem apresentou sintomas de covid, incluindo casos leves e moderados. No caso de assintomáticos, o mesmo prazo deve ser observado, mas em relação a data de coleta do exame. 

A nota também trata de pessoas que tiveram contato com indivíduos que testaram positivo. Nesse caso, a inaptidão é de sete dias após o último contato. 

O ministério e a Anvisa orientam os hemocentros a seguirem medidas de proteção para evitar contaminação durante a pandemia. É recomendada a higienização de superfícies e dos instrumentos, uso de antissépticos, além da manutenção do distanciamento entre os doadores. 

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana