POLÍTICA NACIONAL

“Numa guerra, alianças são feitas, nós estamos numa guerra”, diz Omar Aziz à CPI

Publicados

em


source
Senador Omar Aziz (PSD-AM) presidente da CPI da Covid-19
Divulgação/Agência Senado/Edilson Rodrigues

Senador Omar Aziz (PSD-AM) presidente da CPI da Covid-19


O presidente da Comissã de Inquérito Parlamentar (CPI) da Covid-19 , Omar Aziz (PSD-AM), reforçou a importância das alianças no enfrentamento da pandemia da Covid-19 .“Numa guerra, as alianças são feitas, e nós estamos numa guerra”.

O senador fez referência à Segunda Guerra Mundial, quando Estados Unidos e União Soviética se uniram contra o fascismo e o nazismo. Para Aziz, o momento é de união , independentemente de partido, alinhamento ideológico, mas estarem todos unidos contra o coronavírus.

“Até para vocês verem que, a aliança que foi feita na segunda guerra mundial, nem todos se amavam. União Soviéticacom os Estados Unidosfizeram uma aliança para combater o mal maior que era o fascismo e o nazismo”.

Aziz ainda cutucou o presidente Jair Bolsonaro , sobre o alinhamento político no combate ao vírus. “Nesse momento, a gente querer cirurgicamente encontrar profissionais preparados para fazer o enfrentamento, porque não compactua com a ideia do grande poderoso gestor maior da nação é não querer enfrentar essa guerra”.

Você viu?

“Nós estamos aqui na CPI, mostrando ao Brasil que a gente pode enfrentar(a pandemia), independente de cor partidária, independente de qualquer coisa. A história nos ensina que as alianças são feitas para combater o mal maior. E o mal maior que nós temos hoje é um vírus que ceifa a vida de brasileiros e brasileiras”, completou o senador.




Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

TSE abre inquérito para apurar ataques à legitimidade das eleições

Publicados

em


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abriu hoje (2) um inquérito administrativo para apurar ataques ao sistema eletrônico de votação e à legitimidade das Eleições de 2022.

A investigação vai apurar fatos que podem configurar abuso de poder econômico e político, propaganda eleitoral antecipada, uso indevido dos meios de comunicação, fraude e condutas vedadas a agentes públicos.

Além disso, o plenário aprovou documento assinado pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, e encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro.

No documento, que foi endereçado ao ministro Alexandre de Moraes, Barroso pede a apuração de “possível conduta criminosa” relacionada à live transmitida pelo presidente na semana passada. Moraes é relator do inquérito que apura divulgação de informações falsas e ataques ao STF.

Na transmissão, foram apresentados vídeos de eleitores que foram às urnas em eleições anteriores apontando supostos indícios de fraudes na utilização da urna eletrônica.

TSE

Mais cedo, todos os 15 ex-presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde a promulgação da Constituição de 1988 assinaram nota em que defendem a lisura e a segurança do atual formato das eleições no Brasil, realizado por meio da urna eletrônica. O documento é assinado também pelo atual presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, e por dois futuros presidentes, os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana