BRASIL E MUNDO

Novo ministro da Saúde sobre lockdown: “não pode ser política de governo”

Publicados

em


source
Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde
Reprodução

Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde

O  novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga , disse nesta segunda-feira (15), durante sua primeira entrevista como comandante da pasta, que lockdown só deve ser utilizado em “situações extremas” e “não pode ser política de governo”.

“Esse termo de lockdown decorre de situações extremas. São situações extremas em que se aplica. Não pode ser política de governo fazer lockdown. Tem outros aspectos da economia para serem olhados”, disse à CNN Brasil

Queiroga disse que é preciso “assegurar que a atividade econômica continue, porque a gente precisa gerar emprego e renda. Quanto mais eficiente forem as políticas sanitárias, mais rápido vai haver uma retomada da economia.”

Queiroga disse, também, que as vacinas adquiridas pelo Ministério de saúde são necessárias para um programa “amplo” de vacinação. Ele também disse que é preciso trabalhar em conjunto com estados e municípios para “vencer a pandemia.

Sobre o tratamento precoce, o novo ministro da Saúde disse que é algo que médicos tem “autonomia” para prescrever.

“Isso é uma questão médica. O que é tratamento precoce? No caso da Covid-19, a gente não tem um tratamento específico. Existem determinadas medicações que são usadas, cuja evidência científica não está comprovada, mas, mesmo assim, médicos têm autonomia para prescrever”, ponderou.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Técnica de enfermagem é presa com restos de vacina contra a Covid-19

Publicados

em


source
Técnica de enfermagem é presa com restos de vacina contra a Covid-19
Reprodução

Técnica de enfermagem é presa com restos de vacina contra a Covid-19

Uma técnica de enfermagem foi presa, no fim da tarde desta terça-feira, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, transportando restos de vacina contra a Covid-19 numa garrafa plástica com gelo. O imunizante estava dentro de uma seringa e equivalia a uma dose de CoronaVac.

Aos policiais do São Gonçalo Presente, a mulher contou que o material era sobra de várias doses de vacina e que a prática “é normal” e realizada em vários postos de saúde. A vacina, segundo ela, seria aplicada em seu marido.

A técnica foi autuada em flagrante por peculato e liberada após prestar depoimento. A mulher e a chefe dela, que teria autorizado que a vacina fosse levada, foram afastadas de suas funções, segundo a Prefeitura de São Gonçalo.

O município informou ainda que a Secretaria de Saúde abrirá uma sindicância para apurar a conduta das duas servidoras, que podem ser exoneradas. A prefeitura alertou ainda para o fato de que a aplicação irregular do imunizante pode apresentar risco, já que não é garantida a sua eficácia.

Os policiais decidiram abordar a técnica quando ela saía do PAM Neves, onde ela trabalha na vacinação, porque a mulher aparentava um nervosismo muito grande. Durante a revista, eles encontraram a vacina. A técnica, então, alegou que o imunizante seria descartado, por isso decidiu levá-lo para casa após ser autorizada por sua supervisora.

Prefeitura diz que há controle das doses

A Prefeitura de São Gonçalo afirmou, em nota, que realiza todos os precedimentos de controle das vacinas contra a Covid-19 que chegam ao município. Leia a íntegra do comunicado:

“A Prefeitura de São Gonçalo determinou o imediato afastamento das profissionais envolvidas no incidente até a elucidação dos fatos. A Secretaria de Saúde vai abrir sindicância para apurar a conduta das servidoras, a profissional flagrada e sua supervisora, que poderão ser exoneradas.

A Secretaria de Saúde esclarece que todos os procedimentos para controle das doses são adotados nos postos de vacinação, com numeração e contagem dos frascos no início e término dos trabalhos, para que não haja riscos de furtos.

A secretaria reforça que o procedimento irregular adotado pela profissional flagrada não é regra adotada nos postos. E que jamais orientou os profissionais a agirem de tal forma. A secretaria informa que o fato isolado não comprometeu o trabalho que vem sendo realizado pelos trabalhadores da saúde de São Gonçalo e nem impactou nas doses reservadas aos munícipes.

O município reforça que nenhuma dose de vacina foi subtraída do posto de vacinação e a ação da servidora ocorreu de forma isolada. Ela juntava restos de vacina sobressalentes de cada frasco de imunizante. Cada frasco possui uma pequena reserva de segurança, para garantir a quantidade correta a ser aplicada.

A secreretaria alerta também que a conduta da funcionária, que suprimiu as sobras de vacina, pode representar risco a quem receber a dose, pois não há eficácia comprovada da efetividade do imunizante após tal procedimento irregular”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana