economia

Netflix lucra muito mais que o esperado, mas ações caem 25%; entenda

Publicados

em


source
Netflix lucra muito mais que o esperado, mas ações caem 25%
Felipe Moreno

Netflix lucra muito mais que o esperado, mas ações caem 25%

A Netflix está vendo as ações caírem 25% nesta sexta-feira (21), para registrarem o pior resultado desde 2012, mesmo após apresentar um lucro muito acima do esperado pelo mercado! O que está acontecendo? É muito, muito simples: as “growth stocks” são um fenômeno dos últimos anos – e o que o mercado espera delas é crescimento, não lucro.

É o mesmo fator que faz o Nubank chegar a valer mais que o Itaú – o mercado espera crescimento agressivo por parte do Nubank nos próximos anos em termos de usuário, mesmo que sua capacidade de converter essa pessoa em dinheiro ainda seja muito inferior ao Itaú. O Netflix, mesma coisa: o que o mercado espera é crescimento de usuários.

É a única coisa que importa.

Leia Também

O lucro de US$ 1,33 por ação foi muito acima dos US$ 0,82 previstos. A receita de US$ 7,7 bilhões veio em linha, mas o número de usuários não bateu o esperado em 221,8 milhões, errando a previsão por 700 mil pessoas. Mas, talvez o mais preocupante, tenha sido a admissão da empresa de que outros serviços de streaming deverão limitar o crescimento do Netflix nos próximos anos.

É uma mudança de tom significativa para uma empresa que já afirmou que “dormir” era a grande concorrência. O Netflix também afirmou acreditar adicionar “apenas” 2,5 milhões de usuários no primeiro trimestre de 2022 – o mercado estimava 6,9 milhões, um número quase três vezes maior.

Leia Também

Essa perspectiva negativa do Netflix frente ao próprio crescimento é o que assustou o mercado, fazendo com que várias casas de análise abaixassem suas recomendações e o valuation projetado da empresa de streaming. Se a história de “growth” está prejudicada, não há lucro (atual) que compense.

Entre no grupo especial de WhatsApp do 1Bilhão, para te ajudar a tratar cada vez melhor o seu dinheiro! Lá você vai receber todos os nossos conteúdos – matérias, relatórios, e-books, testes, ferramentas, guias! Vamos te ajudar a investir melhor e tratar cada vez melhor o seu dinheiro. É só clicar aqui .

A matéria completa apareceu primeiro em 1Bilhão , parceiro do iG.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Para garantir salário de servidores, União corta R$ 14 bi do orçamento

Publicados

em

source
Ministério da Economia havia anunciado corte de R$ 8,2 bilhões
Geraldo Magela/Agência Senado

Ministério da Economia havia anunciado corte de R$ 8,2 bilhões

O governo vai cortar cerca de R$ 14 bilhões no Orçamento a fim de abrir espaço para o reajuste salarial dos servidores públicos e acomodar o aumento de despesas obrigatórias. O bloqueio será acima dos R$ 8,2 bilhões previstos no boletim de acompanhamento de receitas e despesas, divulgado na semana passada pelo Ministério da Economia.

A ideia inicial era atender, agora, apenas o aumento dos gastos obrigatórios, como o plano safra e pagamento de precatórios. Mas o governo decidiu aumentar o bloqueio de uma vez e já incluir o valor necessário para conceder um reajuste de 5% a todos os servidores, o que deve exigir espaço no orçamento de R$ 6,3 bilhões.

As áreas mais sacrificadas, segundo técnicos da equipe econômica, são educação, saúde e defesa. Os detalhes dos cortes serão divulgados em um decreto, que será publicado no Diário Oficial da União ainda nesta sexta ou na próxima segunda-feira. O governo deve enviar um projeto de lei ao Congresso.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Os R$ 8,2 bilhões vão atender despesas como Requisições de Pequeno Valor (RPV – sentenças judiciais de casos previdenciários, majoritariamente), no valor de R$ 4,8 bilhões; o Proagro, de R$ 2 bilhões, da reabertura do plano safra 21/22, e R$ 1,1 bilhão para a versão 22/23, além de recursos para outras reduções e variações.

Na quinta-feira, Bolsonaro criticou a situação fiscal do país, dizendo que havia uma “luz vermelha” no orçamento:

“O que foi feito lá atrás uma proposta de reajustar um pouco maior para os policias, houve reação dos demais setores do servidor público. Hoje em dia o que está na mesa é 5% para todo mundo”, afirmou.

“Agravou-se mais um problema agora, nas despesas obrigatórias acendeu a luz vermelha”, completou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana