AGRO & NEGÓCIO

Nanopartículas de Zeína e óleos essenciais de eugenol e alho podem substituir antibioticos usados para o tratamento de doenças de peixes

Publicados

em


Apesar do fornecimento de alimentos derivados da aquicultura ter aumentado significativamente nos últimos anos, o desenvolvimento da aquicultura enfrenta desafios como a ocorrência de doenças que podem levar ao aumento da diminuição de taxas de crescimento e da mortalidade e, com isso, perdas econômicas substanciais com a redução do valor comercial dos peixes.

Tais doenças são normalmente controladas com produtos quimicos e antibióticos como oxitetraciclina, florfenicol, amoxicilina e eritromicina. 

No entanto, explica o pesquisador Leonardo Fraceto, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, o uso indiscriminado dessas substâncias pode ter grandes resultados negativos com impactos na saúde humana e no meio ambiente com o aparecimento de microrganismos resistentes que passam a estar presentes em fluxos de águas residuais de fazendas ou plantas agroindustriais e, em consequência, podem ser transferidos para culturas alimentares ou águas superficiais. 

Óleos essenciais derivados de plantas são candidatos promissores para substituir antibióticos e outros agentes quimioterápicos em aquicultura, oferecendo vantagens, incluindo baixo impacto ao ambiente, alta biodegradabilidade, baixa toxicidade e custos reduzidos para os piscicultores, acredita Fraceto. 

Sua baixa persistência resulta na redução de resíduos em peixes, enquanto seus diferentes modos de ação resultam em taxas mais lentas de desenvolvimento de resistência em doenças organismos. Neste trabalho,  financiada pelo projeto temático da Fapesp 2017/21004—5, foram avaliados o Eugenol (1-hidroxi-2-metoxi-4-alilbenzeno) que é o principal composto fenólico do óleo essencial de cravo, e a Alicina composto presente no alho, amplamente utilizados devido a sua atividade antibacteriana. 

Contudo, explica a pos graduanda da Unesp Angelica Luis, existem certas limitações em relação às suas aplicações em grande escala na aquicultura, especialmente devido a sua baixa solubilidade aquosa, baixa estabilidade e alta sensibilidade à irradiação ultravioleta e às temperaturas elevadas. Desta forma, torna-se importante o desenvolvimento de novas tecnologias para superar as limitações do uso dos óleos essenciais. 

De acordo com Fraceto, técnicas nanotecnológicas têm mostrado potencial para encapsulamento e liberação de óleos essenciais. Nesse contexto, os polímeros naturais têm atraído grande interesse pelo desenvolvimento de sistemas de liberação para agentes ativos, como a zeína derivada da proteína do milho devido a sua capacidade para formar filmes flexíveis biodegradáveis de baixo custo e revestimentos hidrofóbicos resistentes, que fornecem proteção contra ataques microbianos.

De acordo com Vera Castro, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente, esta pesquisa avaliou fitoterapicos em associação com o uso de nanotecnologia com o objetivo de obter um tratamento mais eficaz e menos prejudicial ao ambiente em relação aos métodos tradicionais no controle de doenças bacterianas em peixes. Foram então utilizadas nanopartículas de zeína para encapsular os princípios ativos de óleos essenciais de eugenol e de alho, formando nanopartículas biodegradáveis. 

Estas nanoparticulas apresentaram boas propriedades físico-químicas com alta eficiência de encapsulação para os compostos ativos com valores superiores a 90%. Elas protegeram os compostos contra a sua degradação durante o armazenamento testado em até 90 dias. Além disso, os sistemas mostraram atividade bactericida contra as importantes bactérias patogênicas de peixes Aeromonas hydrophila, Edwardsiella tarda, e Streptococcus iniae in vitro. Outra vantagem foi que as formulações de nanopartículas contendo os compostos botânicos apresentaram menor toxicidade em testes realizados com Artemia salina que são pequenos crustáceos como bioindicador. 

Estas formulações, além de viáveis e eficazes, são uma opção que possibilita a redução das quantidades dos agentes ativos e a melhoria da estabilidade dos compostos naturais utilizados.

Assim, acreditam os autores, esse estudo abre novas perspectivas para o uso de compostos botânicos em combinação com a nanotecnologia para tratar doenças em peixes causadas por bactérias, contribuindo para uma cadeia produtiva mais sustentável. O encapsulamento, além de proteger o princípio ativo contra a degradação, também contribui para a sua maior eficácia. Embora esses resultados abram uma nova perspectiva para o desenvolvimento de um produto inovador, é necessária uma investigação mais aprofundada para identificar se existem alguns danos não detectados em organismos aquáticos.

O trabalho completo está aqui.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Chefe-Geral da Embrapa Gado de Corte participa da 86ª Expozebu e destaca o programa de avaliação genética de animais em convênio com a ABCZ

Publicados

em


Em apresentação técnica ocorrida na manhã deste dia 7, pelo Canal da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu – ABCZ TV que transmite a programação da Expozebu de 2021, o chefe-geral da Embrapa Gado de Corte, Antonio do Nascimento Ferreira Rosa, falou sobre as contribuições e progressos do programa de avaliação genética animal no painel técnico que abriu a programação desta sexta-feira: ‘Parcerias ABCZ Embrapa’.

Apresentado pelo professor Luiz Antônio Josahkian – superintendente técnico da ABCZ, ele questionou ao gestor da Embrapa qual seu entendimento a respeito das contribuições e progressos do programa e o que esperar do avanço de avaliações genômicas. Ao responder os questionamentos, primeiro Antonio Rosa falou do início da parceria entre a Embrapa e a ABCZ, em 1979, e sua satisfação em liderar o projeto e de participar da implantação do núcleo de seleção do gado PO (puro de origem – animal que possui registro de uma associação e tem sua genealogia conhecida e dentro dos padrões raciais exigidos por esta associação de criadores). Comentou sobre a evolução do convênio e dos frutos gerados que impactaram o setor, como do lançamento em 1984 do primeiro sumário Nacional de Touros das Raças Zebuínas.   

Rosa disse ainda que as avaliações genéticas são uma realidade. “Hoje não se vê uma venda comercial de touros que não tenha avaliação genética. Muitas instituições implantaram esse programa”. Contou que no estado atual a avaliação genômica possui um banco de dados expressivo, devendo fechar este ano com 140 mil animais genotipados. Falou de seu orgulho e que se sente privilegiado em trabalhar com uma equipe competente que tornou possível evoluir nos resultados e colocar o País no patamar de uma pecuária avançada. Já na segunda pergunta sobre os avanços das avaliações, Rosa se diz um entusiasta deste trabalho, das junções das bases por conta da robustez das análises, reforçadas não só pela união delas, mas, principalmente, pelo uso desses animais geneticamente avaliados. “Eu percebo um futuro extraordinário com um número cada vez maior de animais genotipados, melhora na qualidade dos dados e na precisão das análises genética”.  Externou, ainda, que deseja vida longa para este trabalho e para o bem da pecuária de corte no Brasil em benefício da sociedade brasileira. “Os avanços foram muito grandes. Nós temos oportunidade de melhorar em qualidade e eficiência, e estamos indo muito bem”, concluiu.

Além de participar do painel técnico de hoje, o gestor da Gado de Corte (Campo Grande, MS), representou o presidente da Embrapa, Celso Moretti, no dia da abertura do evento ocorrido no sábado passado, 1º de maio. 
Em sua fala, Rosa parabenizou a direção da ABCZ por fazer uso das modernas técnicas da comunicação, tão necessárias no momento atual possibilitando à sociedade participar de um evento tão grandioso e tradicional que é a Expozebu. Declarou que a Embrapa se orgulha em fazer parte da história de sucesso da Associação, e desde que a Embrapa passou a atuar em Campo Grande, MS, há 44 anos, teve a oportunidade de firmar o primeiro convênio Embrapa/ABCZ, proporcionando às instituições o pioneirismo em avaliação genética de gado zebuíno em todo o mundo. Disse ainda que esse trabalho continua juntando as bases de dados, os programas da ABCZ e da Embrapa – Geneplus, usando modernas técnicas de avaliação genética/genômica. “Estamos colocando à disposição da cadeia produtiva sumários de avaliação genética mais robustos. Tivemos também a oportunidade de ajudar a ABCZ na modelagem do pró-genética – um programa que já atende 23 unidades da federação proporcionando que o pequeno e o médio produtor rural tenha acesso à genética de ponta”. Ao finalizar enfatizou o orgulho de a Embrapa fazer parte da história da ABCZ se colocando à disposição não só na área da genética de Gado de Corte, mas também de Gado leiteiro e tudo que envolva o sistema de produção.

 A Expozebu termina no domingo, dia 9   
Considerada a maior e mais tradicional exposição e feira de gado zebu a Expozebu, chamada este ano de ‘Expozebu Conexão Total’, foi aberta oficialmente de maneira virtual no dia 1º de maio, e contou com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Teresa Cristina, presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA), João Martins, dentre outras autoridades como o representante da Embrapa. 
O evento que termina neste domingo, dia 9, segue com sua programação apresentando debates políticos e técnicos do agronegócio além de rodas de conversas entre criadores e está sendo transmitida, ao vivo, pela internet.

Pela primeira vez animais não foram expostos no Parque Fernando Costa (Uberaba, MG) e também a feira não recebeu visitantes. Mesmo assim, muitos trabalhadores permaneceram no Parque, com toda segurança que o momento exige para transmitir a programação. 
Conforme a assessoria do evento, a ABCZ TV abriu as transmissões com a participação do presidente da entidade, Rivaldo Machado Borges Júnior, diretores e autoridades locais.  “Eu fico muito feliz de poder transmitir para o Brasil e o mundo, a eficiência e a capacidade que a ABCZ tem de promover o melhoramento genético na produção de carne e leite, na pecuária brasileira de modo geral”.

Conheça a programação deste sábado e domingo 

Dia 8 de maio – sábado
7 horas: Pista em Destaque: jurados debatem julgamento das raças de corte. 
8 horas: Expectativa de Retirada das Vacinas 2020/2021 
9h15: Momento PMGZ: Controle Leiteiro 
10 horas: Roda de Conversa: Sumário PMGZ como Fonte de Touros para as Centrais de IA

Dia 9 de maio – domingo 
7 horas: Momento PMGZ geral
10 horas: Roda de Conversa: PMGZ Comercial 
12 horas: Encerramento Oficial Expozebu 2021  

Para assistir a transmissão da Expozebu 2021 Conexão Total, acesse o Canal da ABCZ TV, no site expozebu.org.br 

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana