artigos

Mudando a comunicação com a neurolinguística

Publicados

em

Por Francisney Liberato

Reorganize suas palavras com a neurolinguística para ser mais bem compreendido.

Buscar melhorar a comunicação com os outros é algo de extrema necessidade. Creio que muitos têm lutado para melhorar esse aspecto em suas vidas. Uma das possibilidades disponíveis a nós é a utilização da neurolinguística como ferramenta para viver com qualidade, tendo diálogos saudáveis e uma comunicação mais assertiva.

A Programação Neurolinguística – PNL utiliza-se de palavras e expressões que condicionam o cérebro e influenciam nossas ações. A seguir, alguns exemplos:

A palavra “mas”, utilizada numa frase, tem a finalidade de “negar” o que foi dito anteriormente, por exemplo: “você é uma pessoa boa e cheia de talentos, mas o seu gênio estraga tudo”. O segredo é substituir o vocábulo “mas” por “e” aliando-o, sempre, a uma palavra de encorajamento e positividade. Assim, será mantida a ligação da frase, sem anular, cancelar ou despertar dúvidas sobre a primeira parte da oração. Veja a frase reorganizada: “você é uma pessoa boa e cheia de talentos, e tenho certeza que será capaz de melhorar o seu gênio”. Ao ouvirem a palavra “mas”, as pessoas deixam de escutar o que vem depois, e com certeza suas intenções não surtirão os efeitos desejáveis.

Em síntese, o “mas” suaviza o que foi dito até o primeiro momento e dá ênfase ao que vem depois. Uma alternativa recomendável é expressar antes o que você desaprova; no caso, “você pode melhorar o seu gênio, mas é muito boa e talentosa”. Para deixar notório o poder do “mas” numa frase, o ditado norte-americano manifesta esse imbróglio da seguinte forma: “a gente só conhece o que uma pessoa realmente pensa da outra depois do ‘mas’”.

Se esforce para evitar em falar a palavra “tentar”. De acordo com o dicionário eletrônico “Dicio”, o verbo transitivo tentar significa: “Procurar conseguir; experimentar ter êxito; arriscar: veio para tentar fortuna. Mostrar intenção de; pretender: tentou, em vão, regenerar-se. Empregar, usar de: tentei todos os meios para convencê-lo”. Se você pedir para alguém lhe fazer um favor e ele responder: “tentarei”, qual a sua interpretação sobre essa resposta? Você acha que a pessoa realmente vai fazer o favor? Se é possível fazer o favor solicitado, não diga “tentarei” e sim “vou fazer”, ou melhor, responda: “sim”, “não” ou “talvez”.

A palavra “tentar” é um verbo de má vontade. “Não sei, vou tentar”, então, é ainda pior. É uma frase declarada de que não será possível conseguir.

Na busca por uma comunicação melhor, é possível usufruir da neurolinguística, pois assim você terá alternativas para fazer com que o cérebro de outra pessoa entre na sua sintonia e compreenda melhor as suas intenções, através de sua comunicação verbal. As dicas são simples e de muita valia para o engrandecimento de uma comunicação perfeita, mas é necessário pensar nelas enquanto estiver reeducando sua forma de falar.

Francisney Liberato é Auditor Público Externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Escritor, Palestrante, Professor, Coach e Mentor. Mestre em Educação pela University of Florida. Doutor em Filosofia Universal Ph.I. Honoris Causa. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Membro da Academia Mundial de Letras. Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz”, “Singularidade”, “Autocontrole”, “Fenomenal”, “Reinvente sua vida” e “Como passar em concursos – Vol. 1 e 2” e “Como falar em público com excelência”. 

 

Comentários Facebook
Propaganda

artigos

Ansiedade

Publicados

em

Por Francisney Liberato

A ansiedade, se administrada da maneira correta, pode ser útil.

Costumo mencionar nas minhas palestras e exposições que a ansiedade é extremamente importante para potencializar o nosso desenvolvimento. Basta pensar: em um mundo com tantas informações, tecnologias, agilidades e com muitas inseguranças, dificilmente nós viveremos sem ter ansiedade.

Segundo o site UOL, de 05/06/2019, noticiou: “O Brasil sofre uma epidemia de ansiedade. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), o país tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com o transtorno”.

A ansiedade é uma reação inerente ao ser humano moderno, vivenciamos essa questão em vários aspectos de nossas vidas, tais como: ficar ansioso por receber uma promoção na empresa; estar às vésperas de uma prova importante; ter que falar em público; ansiedade para ver a pessoa amada; criar expectativas para sair de férias e viajar; estar ansioso para comer aquela sobremesa deliciosa; preocupação diante dos resultados dos exames de saúde que você fez; estar ansioso por participar de um torneio de futebol; no aguardo do nascimento do filho etc.

Conforme podemos observar, a ansiedade está enraizada na mente do ser humano. Ela poderá ocorrer em situações positivas ou negativas conforme os exemplos explanados. E, disso, poderão ocorrer diversos distúrbios como o medo, a preocupação, a apreensão, o nervosismo, além de impactos ao nosso físico.

Quando digo que a ansiedade pode se tornar combustível para lutar pelos nossos objetivos e sonhos, estou a dizer sobre o aspecto positivo, regular e equilibrado da ansiedade. Contudo, se a ansiedade for excessiva e desequilibrada, fará mais mal do que bem.

Segundo o escritor Augusto Cury, “há uma ansiedade aceitável, normal e até fundamental. Aquela que nos faz ter taquicardia diante de um olhar, sentir calafrios com um beijo, frio na espinha ao receber uma excelente notícia. Essa ansiedade normal também nos impulsiona a desejar, planejar e ter ambições saudáveis, superar barreiras, vencer limites, aceitar desafios. Sem essa ansiedade, os cientistas não seriam criativos, as mulheres não lutariam pelo que amam, os homens não seriam sonhadores”.

Em suma: a ansiedade é positiva quando é gerenciada pelo nosso autocontrole, o que acaba sendo com menor frequência, intensidade e grau. Por outro lado, se não administrado esse distúrbio, ou com maior intensidade, frequência e grau, a ansiedade será negativa.

A ansiedade negativa interfere diretamente na manutenção do nosso autocontrole. É necessário que nos utilizemos da inteligência emocional e da parte racional do nosso cérebro para calibrar essa ansiedade, para que ela seja potencializada para resolver problemas e desenvolver o nosso aspecto pessoal e profissional.

A ansiedade negativa pode resultar em transtorno de ansiedade generalizada (TAG), pânico, fobias e ansiedade social, estresse pós-traumático e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

A fim de controlar a nossa ansiedade, é importante desenvolver o autoconhecimento, além de procurar profissionais da área para fazer um acompanhamento necessário. A prática de atividade física, meditação, mentalidade positiva, aproveitar bem as horas de lazer, conviver em paz com os familiares, manter uma alimentação saudável, medicamentos e outras recomendações positivas para nossa vida são extremamente importantes para controlar a ansiedade.

Em todo caso, com o autoconhecimento nós conseguiremos detectar os gatilhos emocionais que fazem com que sejamos pessoas mais ansiosas. A ideia é tratar a causa e não a consequência, como, por exemplo, o medo. Descobrindo os gatilhos emocionais, o ideal seria evitar o contato com a situação ou cenário.

Algumas situações que indicam que a pessoa tem certa ansiedade quando ela é excessivamente negativa são: vislumbrar perigo em todas as situações da vida; comer em excesso; dificuldades para dormir e alteração do sono; excesso de redes sociais; pautar a vida com base na opinião de outros indivíduos; sofrer com a tensão muscular; ter medo de falar em público; excesso de pensamentos e preocupações; estar à beira de um ataque de nervos; inquietação; impacto no nosso corpo com reações físicas; pensamentos obsessivos; perfeccionismo; problemas digestivos e outros.

O meu chamado para você é: utilize a sua ansiedade para concretizar os seus sonhos e objetivos. Mantenha o foco, faça uma programação da sua vida diária, a fim de evitar o excesso de pensamentos que não colaboram com a nossa vida. Aplique essa aceleração mental para produzir resultados benéficos para sua vida. É preciso agir, é preciso começar, é preciso ser um indivíduo executivo, aquele que age e executa as suas tarefas, todos os dias. Preencha a sua mente com o seu planejamento e a sua execução.

Todos nós estamos sujeitos a ter ansiedade, em maior ou menor grau. É necessário tratar-se e cuidar-se. Vamos direcionar a ansiedade para produzir e fazer mais, em benefício próprio e de terceiros? A manutenção desse equilíbrio nos torna seres humanos com maior poder de autocontrole.

Francisney Liberato Batista Siqueira é Auditor Público Externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Escritor, Palestrante, Professor, Coach e Mentor. Mestre em Educação pela University of Florida. Doutor em Filosofia Universal Ph.I. Honoris Causa. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz”, “Singularidade”, “Autocontrole”, “Fenomenal”, “Reinvente sua vida” e “Como passar em concursos”.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana