POLÍTICA NACIONAL

MP da regularização fundiária perde validade e é substituída por projeto de lei

Publicado


.

A Medida Provisória 910/2019, que trata da regularização fundiária de ocupações em terras da União, perdeu a validade na terça-feira (19) sem ser votada nos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. Diante da polêmica sobre o texto, os deputados resolveram apresentar um projeto de lei em substituição à medida (PL 2.633/20). 

A MP estabelecia novos critérios para a regularização fundiária de imóveis da União e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) ocupados. O texto original passou de julho de 2008 para até maio de 2014 a data máxima de posse de propriedades que podem ser regularizadas. Além disso, permitiu que a regularização fosse feita por autodeclaração para terras com até 15 módulos fiscais. Antes, isso valia apenas para pequenos lotes de até quatro módulos e apenas na Amazônia Legal. Dependendo da região, um módulo fiscal varia de 5 a 110 hectares. Segundo a oposição, as mudanças favoreciam a grilagem e serviam como uma anistia àqueles que cometeram crimes ambientais.

Por conta da pandemia de coronavírus, a MP não chegou a ser votada pela comissão mista e foi direto para o Plenário da Câmara das Deputados. 

Agora cabe ao Congresso Nacional regulamentar, por meio de projeto de decreto legislativo (PDL), os atos ocorridos na vigência da MP. Se isso não ocorrer, esses atos serão convalidados, já que a medida provisória teve força de lei no período de 120 dias em que esteve em vigor. 

Projeto de lei

O PL 2.633/20, de autoria do deputado Zé Silva (Solidariedade-MG), estabelece critérios para a regularização fundiária de imóveis da União, incluindo assentamentos. As regras são restritas a áreas ocupadas até julho de 2008 com até seis módulos fiscais — unidade fixada para cada município pelo Incra, que varia de 5 a 110 hectares. O relator do texto, que está em análise na Câmara, é o deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

Com informações da Agência Câmara de Notícias

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Governador de Santa Catarina é absolvido em processo de impeachment

Publicado


source
Carlos Moisés%2C do PSL
Reprodução

Carlos Moisés, do PSL.

Nesta sexta-feira (27), o governador afastado de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL) , foi absolvido do crime de responsabilidade . Foram seis votos a três no Tribunal Especial Misto do julgamento de impeachment . Houve uma abstenção.

Carlos Moisés era acusado de crime de responsabilidade por conceder aumento salarial aos procuradores do Estado. 

O julgamento ocorreu no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) , em Florianópolis.

Votaram contra o impeachment os desembargadores Cláudia Lambert, Rubens Schulz, Sérgio Rizelo e Carlos Alberto Civinski e os deputados Laércio Schuster (PSB) e Maurício Eskudlark (PL). O desembargador Luiz Felipe Siegert Schuch e os deputados Kennedy Nunes e Sargento Lima (PSL) foram a favor do impeachment.

governador afastado poderá voltar ao comando de Santa Catarina na próxima segunda-feira (30). Apesar disso, há ainda um segundo processo de impeachment contra Moisés, que não possui data para ser julgado.

Carlos Moisés é alvo de investigação por crime de responsabilidade decorrente da compra antecipada de 200 respiradores artificiais que custaram R$ 33 milhões de reais aos cofres públicos. Eles foram pagos, mas nem todos foram entregues. Além disso, são investigadas possíveis irregularidades na contratação de um hospital de campanha.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana