municipios

Ministério Público pede afastamento de prefeito que impediu PM de prender amigo

O prefeito, Ronivon Parreira das Neves (PSDB), queria impedir que a Polícia Militar prendesse, multasse e apreendesse o carro de um correligionário identificado pelas iniciais D.N.S.

Publicados

em


Reprodução

Ronivon Parreira das Neves prefeito de ribeiraozinho

Prefeito de Ribeirãozinho, Ronivon Parreira das Neves

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu o afastamento do prefeito de Ribeirãozinho (distante 539 km de Cuiabá), Ronivon Parreira das Neves (PSDB), por supostamente impedir que a Polícia Militar prendesse, multasse e apreendesse o carro de um correligionário identificado pelas iniciais D.N.S. A ação civil pública é assinada pelo promotor Marcos Brandt Grampier Costa e também pede a suspensão dos direitos políticos do prefeito porque ele teria tentado intimidar os policiais.

 

De acordo com o que foi protocolado, os próprios PMs denunciaram a ação de Ronivon no momento em que os militares flagraram D.N.S. trafegando com uma caminhonete Toyota Hilux pela contramão e sem o Certificado de Registro de Licenciamento de Veículo (CRLV) e com o licenciamento atrasado. Os dois documentos são obrigatórios para circulação de qualquer veículo, segundo o Código Nacional de Trânsito.

 

O prefeito teria ligado para um sargento PM presente na ocorrência pedindo que seu protegido fosse liberado. O sargento colocou o telefone no viva-voz. “Nesta ligação, o prefeito Ronivon Parreira das Neves tentou intervir no trabalho de apreensão do veículo em questão, desejando que fosse o mesmo liberado, fato este ouvido pela guarnição, pois conforme mencionado, o telefone estava no viva voz”, escreveu o promotor Grampier Costa.

 

Como não foi atendido, o prefeito teria se dirigido ao Núcleo da Polícia Militar com um veículo oficial e conversado a sós com o sargento.

 

O prefeito e o sargento teriam conversado por cerca de 10 a 15 minutos. Como a porta estava entreaberta, foi possível ouvir Ronivon, nervoso, dizer “então você não vai liberar?” e ouvido um não como resposta. Foi quando o prefeito teria ameaçado cortar relações com a PM e, na sequência, levou embora o correligionário e a mulher deste.

 

*Com informações do Folha Max

 

Veja também:

‘Revolução sexual’ contra impotência faz 20 anos em 2018

Tomada de Contas investigará 16 editais de pavimentação de MT

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula

Bolsonaro vai propor alteração no sistema de votação eleitoral

Comentários Facebook
Propaganda

Rondonópolis

Mais de 100 pessoas foram atendidas no mutirão contra o câncer de cabeça e pescoço no Ceadas

Publicados

em


O Centro Especializado de Apoio Diagnóstico Albert Sabin (Ceadas) realizou nesta sexta-feira (30) um mutirão de atendimento para diagnosticar precocemente ocorrências de câncer de cabeça e pescoço.

O mutirão, realizado em parceria com a Associação dos Pacientes Oncológicos de Rondonópolis (Apor), Consórcio Regional de Saúde Sul de Mato Grosso (Coress), Oncoprime, Clínica Sirius e Laboratório Célula, faz parte da programação da Secretaria Municipal de Saúde do “Julho Verde”, mês dedicado para ações que viam conscientizar a população quanto à prevenção e ao diagnóstico precoce da doença.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), os cânceres de cabeça e pescoço têm alto índice de mortalidade no país, e fazem parte os tumores de lábios, cavidade oral, faringe, laringe, cavidade nasal e tireoide.

“Uma vez diagnosticado precocemente, em fase inicial, a chance de cura é altíssima, em média 90% de possibilidade de eliminar a doença com o tratamento adequado”, destacou o médico Carlos Henrique Fortes Pereira, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço, que coordenou o mutirão no Ceadas.

Ao todo, 114 pessoas de diferentes idades foram atendidas nesta sexta-feira. De acordo com o médico cirurgião Carlos Henrique, destas, seis passaram por biopsias de lesões suspeitas de câncer de boca e laringe.

“Caso o resultado seja positivo, serão encaminhadas para iniciar o tratamento adequado”, informou o médico, complementando que também foram agendadas 24 cirurgias para tratamento de lesões suspeitas de câncer de pele.

De acordo com o médico cirurgião, em Rondonópolis são realizadas de dez a 15 cirurgias oncológicas de cabeça e pescoço por mês. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana