BRASIL E MUNDO

Médica é presa após matar as três filhas a facadas na Nova Zelândia

Publicados

em


source
Médica sul-africana Lauren Anne Dickason matou as três filhas
Reprodução

Médica sul-africana Lauren Anne Dickason matou as três filhas

Três crianças foram mortas a facadas pela própria mãe, a médica sul-africana Lauren Anne Dickason, na Nova Zelândia. O crime aconteceu no dia 16 de setembro e repercutiu mundialmente nesta semana. A investigação acredita que Dickason tenha passado por um surto psicótico no momento dos assassinatos.

A médica, o marido Graham Dickinson, as três filhas Liane (6 anos) e as gêmeas Maya e Karla (2 anos), moravam na África do Sul e se mudaram no fim de agosto. Antes de iniciar a vida no país, a família teve de fazer quarentena em um hotel por conta da Covid-19.

Após o período, a família se mudou para uma casa em Parkside, subúrbio de Timaru, onde, uma semana depois, ocorreu o crime.

Vizinhos relatam que, no dia dos assassinatos, ouviram um barulho alto, seguido de sons de soluços e gemidos por volta das 21h40. Jade Whaley, uma das testemunhas, declarou: “O primeiro barulho que ouvimos foi alguém soluçando, e então ouvimos um baque forte como se alguém tivesse batido uma porta”.

A mãe estava sozinha em casa com as crianças. Graham, o marido, que também é médico, saiu para trabalhar e voltou só na noite seguinte, quando encontrou as filhas mortas.

Segundo relatos, ao encontrar as meninas mortas Graham questionou entre gritos “Isso realmente está acontecendo?”.

Após a chegada da polícia, uma equipe de emergência ainda tentou salvar as  meninas, mas não obteve sucesso. Lauren foi formalmente acusada pelos assassinatos e levada ao hospital, pois apresentava um quadro de surto psicótico.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Homem indiano mantém braço direito levantado há 45 anos

Publicados

em


source
Amar Bharati
reprodução: Twitter

Amar Bharati

Amar Bharati mantém o braço direito levantado há mais de 45 anos e não planeja baixá-lo tão cedo.

Quem já ficou com um braço levantado por certo tempo sabe a dificuldade que é. Porém, para o sadhu, o ato acompanha incrível naturalidade.

Bharati está em outro patamar. Um dia, ele decidiu dar uma virada completa na sua vida levantando o braço, e nunca mais tocou sua cintura desde então. O braço está atrofiado.

Em 1973, Bharati trabalhava em um banco indiano. Ele era casado, tinha três filhos e levava uma vida modesta. Até que de repente decidiu abandonar tudo para dedicar toda a sua vida a Shiva, uma divindade hindu.

Leia Também

Para servir verdadeiramente às suas crenças religiosas, ele teve uma ideia: ele levantaria o braço e o manteria assim enquanto vivesse. (outros sadhus permanecem anos com um das pernas dobradas).

“Eu não peço muito. Por que lutamos entre nós, por que existe tanto ódio e inimizade entre nós? Eu quero que todos os indianos vivam em paz. Quero que o mundo inteiro viva em paz”, disse ele de acordo com o site “Unilad”.

No início, foi bastante doloroso. Depois de cerca de dois anos, a agonia começou a diminuir e logo ele perdeu qualquer sensação no braço direito, que se atrofiou. Mesmo que quisesse abaixar o braço, provavelmente não conseguiria sem uma preparação extensa, devido ao dano permanente ao nervo e à perda de circulação.

Sadhus são considerados homens sagrados pelo hindus e capazes e suportar terríveis provações. São geralmente ascetas, praticantes de ioga e andarilhos em busca da “perfeição”.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana