mato grosso

Mato Grosso é o 1º lugar do país na criação de empregos; dados do Ministério do Trabalho

Publicado

De acordo com os dados do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgados nesta terça-feira (28.07) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Mato Grosso registrou 20.685 demissões em junho, contra 27.475 admissões. Ou seja, 6.790 novos postos de trabalho foram criados no mês passado, apesar dos prejuízos causados pelo coronavírus.

Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes

Segundo o governador Mauro Mendes, as ações tomadas pelo Governo ajudaram Mato Grosso a ser o 1º lugar do país na criação de empregos. Se não estivéssemos em meio a uma pandemia, com certeza teríamos resultados ainda melhores. Em 2019 trabalhamos muito, com apoio da Assembleia Legislativa, para reorganizar as contas e, pela primeira vez em 10 anos, o Governo de Mato Grosso fechou o ano no azul.

“Regularizamos pagamentos, honramos compromissos com fornecedores e fizemos a reinstituição de incentivos fiscais, que garantiu isonomia nos benefícios às empresas, resultando em atração de investimentos. O Estado deixou de ser hostil, atrapalhador, e agora é fomentador”, afirmou o governador, destacando que Mato Grosso também foi o estado que percentualmente mais abriu empresas no primeiro quadrimestre de 2020 – 21.040 novas empresas.

Mauro Mendes afirmou que as políticas públicas do Estado em favor das pequenas e médias empresas durante a pandemia também contribuíram para o cenário positivo.

“Nós prorrogamos o pagamento do ICMS para as empresas do Simples e para os Micro Empreendedores Individuais (MEIs), que são os principais empregadores da iniciativa privada em Mato Grosso. Também prorrogamos as licenças de operação e aceleramos a análise de novas licenças das empresas que pretendem empreender no Estado. Essas providências criam um ambiente favorável para novos investimentos e, somadas a um Estado equilibrado economicamente, garantem segurança aos empresários. Na prática, é emprego, renda e desenvolvimento para a nossa população”, explicou o chefe do Executivo.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, a liderança de Mato Grosso no ranking de criação de empregos é fruto das ações da gestão para o fomento do empreendedorismo.

“Um exemplo é o programa Pensando Grande para os Pequenos, que teve vários circuitos. Temos as linhas de créditos e a reestruturação da Desenvolve MT, que apoia principalmente os segmentos mais prejudicados pela pandemia, como o setor turístico e de serviços. Mesmo com a pandemia, continuamos gerando empregos. Além disso, também temos o nosso agronegócio que vem mantendo o ritmo de exportações, aumentando a produção agrícola e a industrialização dos seus produtos, tanto em proteína animal quanto vegetal, que gera empregos não só na indústria de transformação, mas em todos os segmentos envolvidos com a indústria agropecuária e da produção industrial”, ressaltou.

Na liderança

No relatório do Caged, Mato Grosso figura em 1º lugar entre os 17 estados que registraram saldos positivos na criação de empregos. Outros 10 estados tiveram saldo negativo.

Mato Grosso registrou saldo de 6.790 novos postos de trabalho, seguido do Pará (4.550) e Goiás (4.334). Já os estados com o pior desempenho foram o Rio de Janeiro (-16.801), São Paulo (-13.299) e Rio Grande do Sul (-4.851).

A alta de contratação em Mato Grosso ocorreu em todos os segmentos analisados, sendo 3.014 novos postos na agropecuária, 1.426 na indústria, 986 na construção, 950 no comércio e 414 no ramo de serviços.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

mato grosso

Secel informa cronograma de pagamentos da renda emergencial de cultura

Publicado


.

Na sexta-feira (25.09), a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) inicia a análise e validação do primeiro lote de inscrições para solicitação do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc. Conforme cronograma, os profissionais da cultura que se cadastrarem na plataforma Estado do Amanhã até quinta-feira (24.09) serão os primeiros a receber o benefício.

O pagamento dos cadastros aprovados nesse primeiro lote será feito em parcela única de R$ 1.800,00 no dia 19 de outubro. Antes disso, os dados dos trabalhadores que solicitarem o auxílio passarão por validação dos critérios estabelecidos na regulamentação federal. O resultado da análise será divulgado a partir do dia 09 de outubro. 

Solicitações enviadas de 25 de setembro a 09 de outubro estarão no segundo lote de análise e, caso aprovadas, serão pagas em 27 de outubro. Já no terceiro e último lote, constarão as inscrições feitas entre os dias 10 e 24 de outubro, e tem pagamento programado para 20 de novembro.

O cronograma completo, incluindo prazo para recursos das análises, é um dos itens do regulamento geral para cadastro dos trabalhadores da cultura. O documento está disponível no site www.cultura.mt.gov.br/lei-aldir-blanc e na plataforma para cadastramento.

Até a manhã de quarta-feira (23.09), foram contabilizadas cerca de 1.400 inscrições. Deste total, somente 382 profissionais finalizaram o cadastro com a solicitação do auxílio emergencial. O restante realizou somente o cadastramento geral de acesso à plataforma. Por isso, a secretaria estadual alerta sobre a necessidade de finalização do cadastro para que o pedido seja analisado.

“O interessado deve preencher também o formulário de solicitação da renda emergencial, completando todas as etapas de preenchimento do cadastro. Ressaltamos ainda que o cronograma de pagamentos varia de acordo com a data do cadastramento, quanto antes solicitar, mais rápido o valor pode estar na conta do trabalhador da cultura”, explica o secretário adjunto de cultura da Secel, Paulo Traven.  

Em Mato Grosso, a previsão era de que aproximadamente 8.500 profissionais pudessem receber o benefício. Do valor destinado para as ações de responsabilidade do Estado, que é de quase R$ 26 milhões, foram programados mais de R$ 15 milhões para o pagamento de renda mensal aos trabalhadores da cultura. Caso haja sobra na execução dessa ação, os recursos serão realocados nos editais que atenderão todos os segmentos culturais e que serão abertos para inscrições nos próximos dias. 

Como solicitar a renda emergencial

Para requisitar o auxílio, o profissional da cultura deve acessar a multiplataforma de soluções digitais Estado do Amanhã (www.estadodoamanhã.com.br).  A plataforma, que é gerida pela Secel em cooperação com a Central das Organizações do Estado de Mato Grosso (Cordemato), recebe os dados que serão analisados, validados e aprovados para transferência de recursos diretamente aos trabalhadores. 

Para ajudar na hora no cadastramento, uma equipe de apoio fica disponível das 8h às 00h para tirar dúvidas pelo chat da plataforma. Foram preparados também materiais orientativos, como a cartilha para pessoas físicas com informações sobre os critérios para recebimento da renda emergencial e tutoriais, escrito e em vídeo, de como acessar e preencher o cadastro. 

Requisitos para solicitar o auxílio

São considerados trabalhadores da cultura todos os profissionais que participam de cadeia produtiva dos segmentos artísticos e culturais, como artistas, contadores de histórias, produtores, técnicos, curadores, oficineiros, professores de escolas de arte e capoeira. 

O valor da renda emergencial é de três parcelas mensais de R$ 600,00 e está limitado a dois membros da mesma família.  Mulheres provedoras de família monoparental recebem o dobro do benefício. 

Para receber a renda emergencial, os trabalhadores da cultura com atividades interrompidas precisam evidenciar a atuação social ou profissional nas áreas artística e cultural nos últimos dois anos. A comprovação será feita de forma documental e autodeclaratória na plataforma de cadastramento. 

Confira os demais requisitos:

– não ter emprego formal ativo;

– não apresentar renda familiar mensal per capita superior a meio salário-mínimo ou renda familiar mensal total maior do que três salários mínimos;

– não receber benefício previdenciário, assistencial, seguro-desemprego ou verba de programa de transferência de renda federal, à exceção do Programa Bolsa Família;

– não ter recebido, no ano de 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70;

– não ser beneficiário do auxílio emergencial previsto na Lei nº 13.982, de 2 de abril de 2020.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana