Saúde

Manaus: “Apocalíptico, nenhum lugar do mundo está grave como aqui”, diz médico

Publicados

em


source
Paciente chegando de ambulância em hospital de Manaus
Vinícius Lemos, BBC News Brasil em São Paulo

Manaus está em situação de colapso, com insuficiência de respiradores e cilindros de oxigênio para o tratamento de pacientes graves da Covid-19

“A forma como os sintomas avançam, a velocidade com a qual os pacientes pioram, entram em sepse e morrem, só acontece aqui”. O relato é do médico intensivista Luan Menezes, que atua na linha de frente do combate à Covid-19 em Manaus.

A capital amazonense, que já havia batido o recorde de sepultamentos no início da pandemia, enfrenta nova situação crítica nesta segunda. Com déficit de leitos e de oxigênio nos hospitais públicos  — e se aproximando do mesmo cenário nas unidades privadas  —, a cidade tem transportado pacientes para outros estados e tem  dependido de doações e de importação de oxigênio do seu  país vizinho, a Venezuela.

Com a escassez dos equipamentos necessários para a ventilação dos pacientes, profissionais da saúde se desdobram para salvar os internados, recorrendo inclusive à ventilação manual, prática conhecida popularmente como “ambuzar paciente” — técnica extremamente exaustiva para o operador.

Segundo o médico Luan Menezes, que atua no hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, em Manaus, a variante do Sars-Cov-2 que acomete os doentes da cidade causa quadros com agressividade não vista “em nenhum outro lugar do mundo”.

“São pacientes muito graves. Eu tenho tido contato com médico de outros estados, e a forma como os sintomas avançam, a velocidade com a qual os pacientes pioram, entram em sepse e morrem, só tem aqui. É uma situação apocalítica, as pessoas estão morrendo a rodo”, diz.

“Os doentes pioram muito rápido, intubam muito rápido, chocam muito rápido… falência pulmonar muito rápido, falência renal muito rápido. Não tem doente grave como tem aqui em nenhum lugar do mundo A gente está levando a medicina intensiva para outro nível.”

Você viu?

O médico relata, ainda, que, diferentemente do que era observado no início da pandemia, há cada vez mais pacientes jovens com quadros graves da doença.

“Noticiamos a pais de que terão de enterrar seus filhos. Na UTI que eu estou, nós perdemos um rapaz de 27 anos. Tem outros dois de 24 anos que também estão muito graves e provavelmente não vão sair da intubação. Isso de idade [que o vírus só é perigoso para idosos] já caiu por terra.”

Além do desgaste tanto emocional quanto físico — Luan está de plantão há três dias, sem voltar para casa — existe também o medo de adoecer e levar a doença aos familiares. O médico conta que muitos de seus colegas de equipe contraíram o vírus ou tiveram de largar a escala para cuidar de seus pacientes adoecidos. 

“É muito complicado trabalhar nesse contexto, porque nossos familiares estão doentes. A esposa do meu coordenador ficou doente, teve de ser intubada e ele largou a escala; a mãe da pessoa que assumiu, dias depois foi internada. A escala de médicos está bem difícil de preencher em todos os setores”, conta.

Na concepção do médico, as  medidas adotadas pelo governo, tanto estadual quanto federal, não são acertadas. 

“É muito triste ver ações do Ministério da Saúde do Governo Federal indicando situações como tratamento precoce, com medicações que realmente não têm efetividade, porque aqui, na minha cidade, esse negócio de tomar  cloroquina e ivermectina é prescrita a rodo. E as pessoas estão morrendo demais.”

Ele diz que só vê a possibilidade de aferrecimento da situação quando a campanha e vacinação estiver em curso. “Não consigo ver outra esperança”, finaliza.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Covid-19: Rio vacina hoje idosos com 90 anos ou mais

Publicados

em


Os postos de saúde da prefeitura do Rio de Janeiro estão aplicando neste sábado (18) a dose de reforço para idosos com 90 anos ou mais e pacientes com alto grau de imunossupressão a partir de 60 anos. Hoje também é dia de repescagem para pessoas com 20 anos ou mais.

A aplicação de segunda dose da CoronaVac está temporariamente paralisada, até que sejam liberadas as 166 mil doses do lote suspenso para uso, de forma cautelar, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até o recebimento das doses programadas pelo Ministério da Saúde, órgão responsável pelo envio de remessas.

A prefeitura do Rio passa a autorizar, a partir da próxima terça-feira (21), a realização de eventos em locais abertos, com lotação máxima de 500 pessoas. Já  boates, danceterias e salões de dança permanecem suspensos até que 65% da população tenham recebido a segunda dose da vacina contra covid-19. Quando a marca for alcançada, esses estabelecimentos deverão funcionar com metade da capacidade.

A afirmação é do prefeito Eduardo Paes. “O decreto já autoriza algumas coisas e cria parâmetros. Quando a cidade chegar a 65% da população totalmente imunizada haverá novas flexibilizações. Ou seja, está recolocado um planejamento de reabertura, a partir daquilo que foi definido pelo comitê científico. A premissa é sempre essa: se voltar a piorar, muda tudo novamente”, explicou.

Mapa de risco

A 37ª edição do Boletim Epidemiológico apresenta, pela primeira vez em 2021, o mapa de risco da cidade para transmissão da covid-19 predominantemente na classificação amarela. Trinta das 33 regiões administrativas (RAs) da cidade do Rio estão no estágio de atenção de risco moderado no indicador que considera as internações e óbitos. As exceções são os bairros do Centro, Copacabana e Tijuca.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz , disse que “nosso panorama epidemiológico é um dos melhores durante este período de pandemia. Temos uma redução muito importante no número de internações e de casos, e isso vai se refletir na redução de óbitos. A expectativa é que, com o avanço da vacinação na cidade, a gente siga com essa queda permanente nos próximos dias”.

Além dos óbitos e hospitalizações, casos notificados por covid-19 e os atendimentos na rede de urgência e emergência por síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave na capital também mantêm a tendência de queda sustentada.

Vacinação

A cidade do Rio de Janeiro atingiu, nesta semana, 60% da população adulta carioca com o esquema vacinal completo, e 98% com a imunização já iniciada. Quanto à população adolescente, a metade, totalizando 240 mil jovens, já recebeu a primeira dose da Pfizer, único imunizante liberado para esse público pela Anvisa.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana