Saúde

Mais de 90% dos internados em UTIs do RN usaram remédio sem eficácia comprovada

Publicados

em


source
Com alta de internações na capital, o prefeito indicou o uso da ivermectina no tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus
Foto: Reprodução

Com alta de internações na capital, o prefeito indicou o uso da ivermectina no tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus

Mais de 90% dos pacientes internados nas UTIs de Covid-19 no Rio Grande do Norte tomaram remédios sem eficácia comprovada contra a Covid-19. A afirmação foi feita pela médica infectologista Marise Reis, que integra o comitê científico do estado e critica o uso de medicamentos como a ivermectina como medida de prevenção à doença.

Em entrevista concedida ao telejornal Bom dia RN, desta terça-feira (23), a médica falou sobre o aumento da ocupação de leitos de UTI Covid nos hospitais públicos e privados do estado. “Não adianta a população, as pessoas, se esconderem por trás de um comprimido de ivermectina, achando que ele vai te proteger. Não vai. A literatura já é clara em relação a isso. Não há evidências de que esse medicamento protege contra a Covid. Então, o apelo que nós fazemos é: não tome remédio e saia por aí achando que você não vai adoecer”, disse.  Com alta de internações na capital, o prefeito indicou o uso da ivermectina no tratamento contra a doença causada pelo novo coronavírus. O remédio não tem eficácia comprovada cientificamente contra a Covid-19, como informou a própria farmacêutica Merck, responsável pela fabricação do vermífugo. Segundo a empresa, não há dados disponíveis que sustentem a eficácia do medicamento contra a Covid-19.

“Mais de 90% dos doentes que estão internados nas nossas UTIs fizeram uso de ivermectina. Então significa que ela não é capaz de fazer o que se promete”, acrescentou Marise Freitas.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Norte, a taxa de ocupação de leitos de UTI para a Covid-19 na rede pública é de 88%. Apenas 33 dos 275 leitos críticos do SUS para o tratamento de casos graves da doença estão disponíveis. “As pessoas precisam entender que se nós tivermos paciência, nós conseguiremos vencer a Covid. Para isso, nós precisamos evitar aglomerações. Não sair. Não tem jeito. Não dá pra fazer reuniões de amigo, jantares, pequenos eventos. Não importa o tamanho do evento. As pessoas estão se contaminando aí”, explicou a infectologista.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Fase vermelha não vai restringir futebol em São Paulo

Publicados

em


O futebol paulista não vai ser interrompido após o governo estadual ter anunciado hoje (3) que colocará todo o estado na fase 1-vermelha do Plano São Paulo, a partir de sábado (6).

Segundo o Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, as competições esportivas poderão continuar ocorrendo, mas sem a presença de público, o que já acontece desde o ano passado.

“Até este momento, [o futebol em São Paulo] vai seguir o mesmo modelo cumprido na Europa, onde vários países decretaram lockdown e mantiveram o futebol e atividade esportiva sem plateia. Até agora, a decisão que temos é de manter as atividades da mesma forma que na Europa, até porque a população precisa de algum entretenimento nesse momento muito duro [da pandemia]”, disse José Medina, que integra o Centro de Contingência do Coronavírus em SP.

O governo de São Paulo anunciou hoje (3) que vai colocar todo o estado na fase 1-vermelha do Plano São Paulo, onde só os serviços considerados essenciais nas áreas de logística, segurança, abastecimento e saúde podem funcionar, além de estabelecimentos religiosos. A medida entra em vigor no sábado (6) e vai até 19 de março. As aulas também vão poder continuar ocorrendo, com limite de presença dos alunos.

No domingo, já com a fase vermelha em vigor, a capital paulista recebe a final da Copa do Brasil: Palmeiras x Grêmio. O jogo será às 18h. Também estão previstas partidas do Campeonato Paulista.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana