mato grosso

Mais de 400 mil cabeças de gado estão livres de vacinação contra a aftosa em MT

A ação faz parte do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. Em Mato Grosso, cerca de 400 mil cabeças de gado – de um total de 30 milhões, estão incluídas na zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Publicado

O município de Rondolândia (1.100km de Cuiabá) e parte dos municípios de Colniza (1.080km de Cuiabá), Comodoro (640km de Cuiabá) e Juína (784km de Cuiabá) não farão vacinação do rebanho bovino contra a febre aftosa a partir deste ano. As Instruções Normativas 23 e 36/2020, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), determinaram a proibição da comercialização de vacinas e ingresso de bovinos vacinados também nos estados do Rio Grande do Sul, Acre e Rondônia.

A ação faz parte do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. Em Mato Grosso, cerca de 400 mil cabeças de gado – de um total de 30 milhões, estão incluídas na zona livre de febre aftosa sem vacinação. De acordo com o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT), a certificação de todo o rebanho mato-grossense deve ocorrer em 2021.

“É uma vitória do Estado de Mato Grosso e dos pecuaristas. Estamos trabalhando há muito tempo para chegarmos ao ponto de não mais vacinar o rebanho contra a febre aftosa e, assim, conquistar novos mercados”, afirma César Miranda, secretário de Desenvolvimento Econômico.

De acordo com João Marcelo Brandini Nespoli, coordenador de Sanidade Animal do Indea MT, a retirada da vacinação nas regiões destes municípios se deu porque têm uma atividade econômica muito ligada ao estado de Rondônia. “São propriedades que comercializam com Rondônia e, se não houvesse esta retirada, seriam prejudicados. E ainda continuam comercializando com Mato Grosso”, explica.

“Essas propriedades possuem uma relação comercial direta e dependente de Rondônia, devido a logística, então é fundamental que avancem para um mesmo status sanitário. Também será uma grande oportunidade para que possamos acessar mercados internacionais que ainda não acessamos devido à prática de vacinação, o que poderá valorizar os animais da região”, diz Oswaldo Ribeiro, presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

Outro ponto positivo é a fiscalização de trânsito de animais que será feita por duas barreiras na região do Rio Roosvelt, que está na divida entre os dois Estados.

Com a gradativa retirada da vacinação contra a febre aftosa em Mato Grosso, o plano estratégico do Mapa prevê a intensificação da vigilância pelo INDEA/MT e forte envolvimento do pecuarista na notificação de suspeita de doença ao Serviço Veterinário.

“Este é um movimento que está ocorrendo em todas as Américas para que os rebanhos não mais precisem ser vacinados contra esta doença que não tem ocorrência em Mato Grosso, por exemplo, desde 1996. Diversos países já conseguiram finalizar o planejamento”, explica Luiz Fernando Flaminio, presidente do Indea MT.

O reconhecimento de uma zona livre de febre aftosa passa por aprovação do Mapa e, internacionalmente, pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

mato grosso

População pode avaliar o atendimento prestado pela Rede de Ouvidorias

Publicado


Ao buscar atendimento na Rede de Ouvidorias do Governo de Mato Grosso, o cidadão pode avaliar a satisfação com o serviço prestado. Apesar de o preenchimento da pesquisa não ser obrigatório para a conclusão do atendimento, a avaliação da sociedade é fundamental para que a Controladoria Geral do Estado (CGE-MT), por meio da Secretaria Adjunta de Ouvidoria Geral e Transparência, analise se está no caminho certo quanto ao retorno ao cidadão. 

Por enquanto, a pesquisa é objetiva e quantitativa, porém está em processo de estudo para melhoria de sua abrangência e detalhamento. A avaliação tem como intuito compreender se as ouvidorias setoriais do Poder Executivo Estadual proporcionam o atendimento eficaz e adequado à população mato-grossense. 

Conforme dados do sistema eletrônico Fale Cidadão, a Rede de Ouvidorias do Estado recebeu 21.728 manifestações entre os meses de janeiro e outubro de 2020. Deste total, foram 12.180 solicitações, 5.343 reclamações, 2.258 denúncias, 956 elogios, 686 pedidos de informação e 304 sugestões.

Levando em consideração o número de manifestações recebidas, a adesão da população à pesquisa de satisfação ainda é exígua. Entre julho e setembro de 2020, 550 cidadãos responderam à avaliação do serviço prestado pela Ouvidoria, destes 53% consideram o atendimento entre bom e muito bom; 35% consideram ruim e 12% avaliam como regular.

A resposta à pesquisa não é de caráter obrigatório, nem é vinculada ao atendimento. O cidadão responde se quiser. Porém, para a CGE, órgão responsável pela coordenação da atividade de Ouvidoria no Poder Executivo Estadual, é importante saber do usuário como foi a prestação do serviço de Ouvidoria para orientar ações de melhoria no controle social da gestão pública.

“Uma das proposições do Decreto Estadual nº 195/2019, que regulamentou a Lei n° 13.460/2017 (Código dos Usuários do Serviço Público), é a avaliação da prestação de serviço público. Por esta razão, desde o ano passado, temos realizado essa avaliação quantitativa. Mas estamos trabalhando para melhorar o alcance e a eficácia da pesquisa de satisfação, que ainda é bem simples”, ressalta o secretário adjunto de Ouvidoria Geral e Transparência da CGE-MT, Vilson Nery.

Segundo o adjunto, a partir do ano 2021, a ideia é que a mensagens da população na Rede de Ouvidorias norteiem a implementação de políticas públicas.

“Em breve, com a atualização e modernização do sistema, as ouvidorias setoriais vão elaborar os relatórios e o órgão central (CGE) fará o fechamento do ano inteiro com as demandas de todas as ouvidorias. A partir desses relatórios, verificaremos cada solução dada para cada reclamação da população. Queremos ser orientadores e avaliadores de políticas públicas, queremos ver o resultado lá na ponta. Com base na recorrência das sugestões, reclamações, solicitações e elogios, faremos a elaboração do relatório e enviaremos à autoridade responsável por aquela questão”, pontua o representante da CGE.

Canais de atendimento

Os meios para entrar em contato com Rede de Ouvidorias do Poder Executivo Estadual são os seguintes:

Registro pela Internet: www.ouvidoria.mt.gov.br/falecidadao

Aplicativo MT Cidadão: http://www.mtcidadao.mt.gov.br/

Whatsapp: (65) 98476-6548

E-mail: [email protected]

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana