BRASIL E MUNDO

Mãe e padrasto de Lázaro trabalhavam na chácara do sogro do delegado-geral da PC

Publicados

em


source
Lazaro Barbosa de Sousa, está fugindo da polícia há oito dias em Goiás
Reprodução/TV Anhanguera

Lazaro Barbosa de Sousa, está fugindo da polícia há oito dias em Goiás

A captura do  serial killer Lázaro Barbosa Souza, de 33 anos, acusado de matar quatro pessoas da mesma família, tem muitas particularidades, segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Distrito Federal, Robson Cândido. Também conhecido como “mateiro”, termo atribuído a quem conhece as matas, Lázaro passou a vida toda trabalhando em fazendas de Goiás e permanece escondido num ambiente inóspito, mas que conhece como ninguém .

Segundo o portal Metrópoles, a dificuldade da polícia para efetuar a captura do serial killer pode ser reflexo direto do perfil do criminoso. O delegado-geral Robson tem autoridade para falar sobre o assunto já que a mãe de Lázaro, Eva e o padrasto, Léin (apelido), trabalharam na chácara do sogro de Robson até o dia em que o foragido fez as primeiras vítimas, na última semana. Eva fazia queijos a partir do leite tirado das vacas criadas na propriedade e Léin era o caseiro da chácara.

“Não há absolutamente nada que desabone a mãe e o padrasto de Lázaro. Mas o fato de conhecê-los, e também ao filho, me permite ter uma compreensão mais aguçada sobre o caso. Lázaro tem antecedentes e, ao que tudo indica, teve um surto psicótico. Ele nasceu e foi criado em um ambiente de fazenda. Trabalhou e circulou a vida toda no mato. Conhece essa região como poucos. Em função dessa circunstância, ele tem conseguido se camuflar na mata, mas sem percorrer grandes distâncias. Capturá-lo será uma questão de tempo”, disse Robson.

Segundo o delegado-geral, o engajamento na operação para capturar o criminoso é grande e envolve policiais da Divisão de Operações Especiais (DOE), da Divisão de Operações Aéreas (DOA), da Polícia Penal e da Patamo.  A Polícia Civil do Distrito Federal mobilizou um caminhão-combustível; uma aeronave com câmera infravermelho, que permite a visão noturna; além de viaturas e dos próprios policiais.

Você viu?

Eva, foi ouvida em depoimento pela PCDF assim que o filho se tornou foragido. Depois disso, ela e o padrasto partiram para a Bahia com medo de sofrer represálias por conta da repercussão dos assassinatos em série. 

“A mãe de Lázaro se queixava de o filho ter se enveredado para o caminho do crime. Mas nunca imaginou que ele seria capaz de tamanha barbaridade”, afirmou o delegado-geral da PCDF.

Robson foi pessoalmente até o local onde ocorrem as buscas por Lázaro, em Goiás, na tarde desta quarta-feira (16) e compartilhou com a polícia goiana informações estratégicas na tentativa de acelerar o desfecho do caso.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Omar Aziz diz que redes sociais devem ajudar na investigação sobre fake news

Publicados

em


source
Omar Aziz diz que redes sociais devem ajudar na investigação sobre fake news
Divulgação/Agência Senado/Pedro França

Omar Aziz diz que redes sociais devem ajudar na investigação sobre fake news

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), defendeu neste domingo a investigação a respeito da disseminação de notícias falsas na internet — um problema que, segundo ele, também atinge a comissão — e disse que gigantes do setor de tecnologia, como Google, Facebook e Twitter podem contribuir para o enfrentamento a este fenômeno.

“É importante investigar a disseminação de notícias falsas na internet. No âmbito da CPI da Pandemia, também enfrentamos este problema e os representantes do YouTube, Facebook e Twitter podem contribuir sim. Bom domingo a todos”, escreveu Aziz em uma rede social, ao reproduzir uma matéria que diz que a “CPI chamará plataformas”.

A convocação de representantes das chamadas Big Techs foi aprovada no dia 23 de junho, após um requerimento apresentado pelo vice-presidente da CPI, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Nos requerimentos , Randolfe argumentou que empresas devem responder a respeito das medidas tomadas para conter a disseminação de notícias falsas em suas plataformas “que geram consequências reais e dificultam o combate à pandemia”.

Apesar de as convocações terem sido aprovadas, as datas para os depoimentos jamais chegaram a ser marcadas. Nos bastidores, o que se comenta é que isso ocorreu porque os trabalhos da comissão passaram a se concentrar na apuração de suspeitas de corrupção em contratos firmados pelo Ministério da Saúde com empresas de logística e na compra de vacinas.

Você viu?

No último dia 12, O GLOBO mostrou que representantes dessas empresas vinham procurando senadores com o objetivo de sair da mira da CPI da Covid e evitar medidas consideradas danosas à imagem, como a convocação de seus executivos e quebra de sigilos. Havia o temor de que a CPI pudesse enveredar de forma mais profunda por uma linha investigativa sobre a participação ou omissão delas no processo de disseminação de notícias falsas sobre a Covid-19.

O GLOBO também revelou que o YouTube, que pertence ao Google, permitiu a monetização de vídeos que divulgavam informações falsas sobre a Covid-19. Em documento enviado à CPI, o Google informou que canais faturaram pelo menos R$ 230 mil com esse tipo de conteúdo.

Instalada em 27 de abril, a CPI da Covid está em recesso e retoma os trabalhos no próximo dia 3 de agosto. O prazo final de funcionamento era 7 de agosto, mas a comissão teve o funcionamento prorrogado por mais 90 dias pelo presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Com isso, as atividades devem se estender até o início de novembro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana