ENTRETENIMENTO

Livro revela o mundo das comissárias de bordo no século XX

Publicados

em


source
Anfitriãs do Céu
Reprodução 25.03.2022

Anfitriãs do Céu

A Varig era o símbolo brasileiro dentro do universo da aviação mundial. Entretanto a companhia foi do estrelato – sem trocadilhos com a estrela que a simbolizava – à falência. Neste triste fim, ela levou consigo sonhos, histórias e pessoas que dedicaram a vida à aviação. Com mais força e simbolismo que outros funcionários, as comissárias de bordo foram as mais impactadas e, sem muitas ofertas de empregos em sua área à disposição, viram a classe que fora tão cultuada por muitos sofrer uma verdadeira parada cardíaca.

Ao analisar essas circunstâncias, entre as quais a de sua tia Claudia Alves, a doutora em Antropologia Carolina Castellitti escreveu sua tese de doutorado que foi a base para o lançamento de “Anfitriãs do Céu: Carreira, Crise e Desilusão a bordo da Varig” (Editora Telha).

O livro traz recortes da sociedade em formato de depoimentos de mulheres que optaram por fugir do formato de família tradicional (mãe e esposa) para criarem suas próprias histórias de vida. As conhecidas “aeromoças” viajavam pelos 5 continentes, conheciam pessoas de diferentes nacionalidades e culturas, acordavam em um fuso horário e iam dormir em outro, enfim. Gozavam do requinte que seu trabalho lhes garantia.

“Anfitriãs do Céu: Carreira, Crise e Desilusão a bordo da Varig” trabalha de forma contundente em três pilares: a origem social da aeromoça e a trajetória social por elas percorrida até a escolha pela vida regada a muito jet lag; a formação de carreira de uma comissária considerando-se as exigências de disciplina, hierarquia, etiqueta e refinamento que o posto exige; e, por fim, a reconstituição da reprodução social após o declínio da profissão juntamente com a companhia aérea símbolo do nosso país.

A obra de Carolina Castellitti exemplifica a partir da carreira das comissárias de bordo o processo pelo qual as mulheres passaram – e muitas ainda passam – na reinvenção de seus papéis perante a sociedade e sempre que precisam dar grandes guinadas em suas direções.

Para sugestões de pauta e demais assuntos:  [email protected]

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Propaganda

ENTRETENIMENTO

Record fatura R$ 65 milhões com o reality Ilha 2 antes da estreia

Publicados

em

Caique Aguiar, Solange Gomes e Raphael Sander estão no elenco do Ilha Record 2
Divulgação/Record

Caique Aguiar, Solange Gomes e Raphael Sander estão no elenco do Ilha Record 2


Ao contrário do Power Couple Brasil 6, a Record conseguiu rapidamente vender não somente uma, mas duas cotas de patrocínio do Ilha Record 2. Com isso, a emissora já faturou R$ 65 milhões com o reality show de Mariana Rios antes mesmo da estreia. E as negociações com novos investidores ainda não acabaram.


E as empresas que decidiram investir no reality são as mesmas do ano passado: Havan e Embelleze. Ambas ficaram satisfeitas com a projeção de seus nomes por conta da alta repercussão da primeira temporada e garantiram suas cotas também neste ano.

Ambas tiveram que assinar cheques mais polpudos neste ano. Cada uma teve que pagar a quantia de R$ 32.715.458,00. Juntas, fizeram a Record faturar a bagatela de R$ 65.430.916,00. A coluna apurou que ainda existem mais duas empresas negociando com a emissora, que podem fazer este valor dobrar.

Por conta da inflação econômica que atravessa o Brasil, os preços deste ano sofreram alterações substanciais. Para se ter noção, cada cota da primeira temporada foi oferecida ao mercado pelo preço bruto de R$ 28.525.747,00. Uma alta de pouco mais de R$ 4 milhões. Com isso, a emissora já faturou R$ 8 milhões a mais que na edição anterior.

Vale frisar que estes são os valores cheios. A Record costuma ser generosa na prática de descontos com seus clientes. No ano passado, por exemplo, as duas patrocinadoras ganharam um abono de 13%. Nesta temporada, até o momento a coluna não conseguiu apurar os valores.

Pelo montante investido, as empresas terão alta exposição no reality show da Record. Farão entradas nos intervalos comerciais do programa, ações de merchandising dentro do Ilha Record (em provas, festas ou outras atividades), entradas nos breaks da Record News, alguns merchans nos programas de entretenimento do canal de notícias e aparições nas plataformas digitais e redes sociais do reality.

O Ilha Record 2 novamente contará com 13 personalidades da mídia disputando dois prêmios: o de R$ 500 mil, que será entregue ao vencedor da caçada ao tesouro, e R$ 250 mil, destinado ao participante favorito da audiência.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana