AGRO & NEGÓCIO

Live discute ações de controle e prevenção contra infestação de tripes em hortaliças

Publicados

em


“Controle de Tripes em Hortaliças” é o tema da live que acontece nesta terça-feira, 02/12, transmitida pelo canal da Embrapa no YouTube (youtube.com/embrapa), onde o pesquisador Miguel Michereff Filho, da área de Entomologia da Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), vai apresentar os tripes  e suas injúrias em hortaliças e as principais práticas de manejo integrado de pragas e de controle biológico que podem ser adotadas no controle de tripes em cultivo de hortaliças.

Pequenos insetos herbívoros, os tripes infestam diversas espécies de hortaliças e com a transmissão de Ortothosvirus, que provocam doenças (viroses), as perdas na produção podem chegar a até 100%. “Nos últimos anos temos evidenciado problemas de surtos populacionais de tripes e de viroses associadas a esses insetos em várias culturas, incluindo alface, tomate e pimentão”, aponta Michereff, que informa ser essa questão uma das mais demandadas pelo SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão) e por e-mails. “Por essa razão, concentrei esforços para compartilhar alguns conhecimentos técnicos ao público, utilizando a internet como ferramenta para atingir um público-alvo maior”.

Uma ferramenta que o pesquisador avalia como “estratégica para divulgação de conhecimento técnico-científico em um nível que jamais conseguiríamos com nossos eventos presenciais, realizados em escala local/regional”. 

Entre os resultados esperados após a exposição e discussão do conteúdo da live, ele alinha a promoção do manejo integrado para o controle de tripes em cultivos de hortaliças, com foco na redução da disseminação de Orthotospovirus pelo inseto vetor, como parte das ações para racionalizar o uso abusivo de agrotóxicos e promover o cultivo de alimentos seguros para a saúde.

Publicações

Como reforço no enfrentamento dos problemas causados pelo inseto, o pesquisador aponta duas publicações da série Comunicado Técnico que considera como “estratégicas sobre controle de tripes em tomateiro e alface:Vira-cabeça do Tomateiro: Sintomas, Epidemiologia, Transmissão e Medidas de Manejo Doença vira-cabeça em alface: sintomatologia, transmissão, epidemiologia e medidas de controle

Além dessas, Michereff também destaca como importantes outras publicações sobre identificações de pragas em hortaliças, dessa vez na série Documentos: Guia para identificação de pragas do tomateiro e Guia para identificação de pragas do pimentãoGuia para identificação de pragas do morangueiro

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Artigo – Sistemas agroflorestais biodiversos conservam e melhoram a qualidade do solo

Publicados

em


No Dia da Conservação do Solo, podemos comemorar a existência de sistemas a exemplo dos SAFs biodiversos que possuem potencial para recuperar áreas degradadas

Sistemas agroflorestais biodiversos (SAFs) compreendem formas de uso da terra que envolvem arranjos de espécies de árvores e de arbustos implantados ou já existentes nas áreas, integrando-as a cultivos agrícolas e/ou criação de animais, preferencialmente ao mesmo tempo, utilizando-se princípios agroecológicos.

Além de garantirem segurança alimentar e nutricional às famílias agricultoras, bem como obtenção de renda contínua e com menos riscos de frustrações, outro aspecto de grande relevância é a elevada capacidade desses sistemas produzirem grande diversidade de serviços ambientais, evidenciando o potencial para recuperação de áreas degradadas, inclusive Áreas de Reserva Legal (ARLs) e Áreas de Preservação Permanente (APPs).

Além da diversidade de espécies vegetais, busca-se a supressão do uso agroquímicos, ao mesmo tempo que se privilegiam processos naturais, como: ciclagem de nutrientes, fixação biológica de nitrogênio, equilíbrio biológico, elevada produção de material orgânico para o solo, grande sequestro de carbono na biomassa vegetal e no solo, favorecimento da infiltração de água no solo, entre outros.

Há diversidade de espécies de árvores, arbustos e espécies rasteiras (herbáceas), cujas raízes possuem características diferentes e penetram no solo e vão até grandes profundidades absorvendo nutrientes que estavam sendo perdidos e trazem novamente para a camada superficial do solo, ao caírem folhas, flores, galhos e frutos.

Esses materiais orgânicos, que são produzidos continuamente, são triturados e decompostos pelos organismos do solo e parte destes formam a matéria orgânica do solo. A melhoria da matéria orgânica, aliada às ações dos organismos do solo e das raízes das plantas, recupera a estrutura física do solo, bem como a sua fertilidade.

A melhoria física do solo, aliada à sua boa cobertura viva e morta proporcionada pelas plantas, favorece a infiltração da água no solo, alimentando o lençol freático, que, por sua vez, fortalece as nascentes e, consequentemente, os mananciais superficiais de água (córregos e rios). Em várias situações, esse processo favorece o ressurgimento de mananciais de água que haviam desaparecido em função de práticas inadequadas de manejo da vegetação e do solo, em função da agricultura intensiva, predominantemente monocultural.

A presença de espécies leguminosas nos SAFs, que se associam a diversas espécies de microrganismos, possibilita a fixação biológica de nitrogênio, ou seja, a captação de nitrogênio que está presente no ar circulante no solo, transformando-o para que as plantas possam utilizá-lo na sua nutrição e posteriormente o enriquecimento do solo com esse nutriente.

A boa diversidade de espécies vegetais, que forma diferentes estratos em altura, proporciona grande quantidade de microambientes para o estabelecimento de inimigos naturais de pragas e doenças, controlando-os naturalmente, mantendo o equilíbrio biológico.

Ressalta-se que essas melhorias da qualidade do solo, dentre outros processos naturais que também são fortalecidos, melhora a capacidade de produção e geração de renda, proporcionando maior segurança aos agricultores.

Como pode ser envolvida uma grande diversidade de espécies vegetais, há inúmeras possibilidades de se fazer diferentes arranjos de produção. Ou seja, não há um “modelo ideal”, pois depende, principalmente, dos objetivos dos agricultores, as demandas e proximidade de mercado consumidor, disponibilidade de mão de obra, das características de cada localidade e dos próprios conhecimentos acumulados pelos agricultores ao longo do tempo sobre esses sistemas e as múltiplas possibilidades.

A Embrapa Agropecuária Oeste desenvolve pesquisas para identificar e propor arranjos com elevada capacidade de melhoria ambiental e com viabilidade econômica para áreas de produção, ARLs e de APPs.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana