AGRO & NEGÓCIO

Lentilha é foco de pesquisa de melhoramento genético preventivo contra pragas

Publicados

em


Gerar cultivares adaptadas ao Centro-Sul e ao Cerrado do Brasil, oferecendo aos agricultores uma alternativa para o período seco de inverno e, como desdobramento, contribuir para o aumento da produção nacional e a consequente redução das importações, hoje em torno de 13,5 mil toneladas. Esse é um dos objetivos do programa de melhoramento genético de lentilha desenvolvido pela Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), baseado nos pilares da precocidade, produtividade, alto valor nutricional, adaptação à colheita mecânica e resistência/tolerância a doenças.

O programa também contempla o desenvolvimento de novas cultivares para atender determinados “nichos”, que procuram produtos diferenciados, como as lentilhas alaranjadas ou mais escuras, geralmente de menor tamanho que as encontradas no mercado brasileiro.

A novidade entre as linhas de pesquisa que vêm sendo trabalhadas pelo programa, e diz respeito ao melhoramento genético preventivo, visa desenvolver e disponibilizar aos produtores variedades resistentes a pragas agrícolas de importância quarentenária antes que ingressem no Brasil, a exemplo da murcha de fusário, causada pelo patógeno Fusarium oxysporum f.sp. lentis, uma das principais doenças fúngicas que incidem sobre a cultura da lentilha.

De acordo com o pesquisador e chefe-geral da Embrapa Hortaliças Warley Nascimento, que coordena o programa de melhoramento genético de leguminosas (ervilha, lentilha e grão-de-bico), trata-se de uma doença ainda não registrada no Brasil, mas amplamente difundida no mundo e presente em países vizinhos como Argentina e Uruguai.

“Nesse caso, como não é possível testar a resistência genética no campo ou em casa de vegetação, utilizamos marcadores moleculares que possibilitam identificar a presença do gene fw, que confere resistência ao fungo em genótipos de lentilha”, explica o pesquisador, que aponta a caracterização molecular desses acessos como “uma importante ferramenta para definição de genótipos promissores para o melhoramento genético preventivo com vistas à obtenção de cultivares adaptadas às condições brasileiras”.

Mercado

O fortalecimento da pesquisa voltada para o melhoramento genético, na avaliação de Nascimento, pode – além de consolidar o mercado interno oferecendo alternativas aos agricultores brasileiros ao ampliar o leque de potenciais ganhos econômicos – tornar o País exportador do grão para a Ásia, por exemplo.

“A agricultura brasileira tem em mãos um grande potencial para atender tanto o mercado interno da lentilha – praticamente abastecido por meio de importações, principalmente do Canadá (cerca de 90% do volume importado) – quanto a comercialização do excedente para exportação, o que representa uma valiosa contribuição do setor produtivo ao equilíbrio da balança comercial, beneficiando toda a cadeia produtiva”, sustenta o pesquisador.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Primeira cultivar de guaraná propagada por semente será lançada no Amazonas

Publicados

em


  • Pesquisa apresenta a primeira cultivar de guaraná propagada por sementes, as anteriores são pelo método de estaquia.

  • Testes de campo no Amazonas comprovaram produtividade mais de sete vezes superior à da média do estado.

  • BRS Noçoquém é resultado de uma tendência do melhoramento genético do guaraná, que visa reduzir a dependência dos produtores de cultivares clonais.

  • Com isso, espera-se aumentar o número de produtores dedicados a essa cultura e expandir a área plantada no estado do Amazonas.

  • Propagação por sementes contribui também para aumentar a variabilidade genética e resistência a doenças.

Embrapa Amazônia Ocidental (AM) apresenta a primeira cultivar de guaraná que pode ser reproduzida por sementes: a BRS Noçoquém. Além de aumentar em mais de sete vezes a produtividade anual – alcançando 2,3 kg/planta enquanto 0,3 kg/planta é a média do estado do Amazonas – a cultivar possui resistência à principal doença que afeta o guaranazeiro, a antracnose. 

Outro diferencial importante é que representa uma alternativa ao cultivo de guaraná por mudas clonais. Com essa cultivar propagada por semente, espera-se aumentar a quantidade de produtores dedicados à essa cultura e expandir a área plantada no estado do Amazonas. 

Com as variedades clonais, é necessário credenciar viveiristas para a produção das mudas, uma vez que a técnica de estaquia precisa de mais cuidados e aumenta o custo para o produtor. “A forma de reprodução por sementes possibilita ao produtor fazer suas próprias mudas para expansão dos cultivos, após receber o lote de sementes básicas da cultivar”, ressalta o pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, André Atroch. Da mesma forma, a produção de mudas em viveiros licenciados é mais fácil e econômica, diminuindo o preço de venda para o produtor rural. 

O período da formação da muda de guaraná por sementes é de aproximadamente 12 meses, desde a coleta ou aquisição das sementes até o plantio definitivo no campo. Segundo Atroch, os cuidados necessários para a formação de uma boa muda são os mesmos para a produção de espécies frutíferas, ou seja, manter as mudas sempre com bom suprimento de água e algumas adubações no decorrer da sua formação. No caso dessa cultivar, o sistema tradicional do produtor no Amazonas com viveiros com cobertura de palha e irrigação por molhamento são suficientes para formar uma boa muda da BRS Noçoquém.

Curiosidade

O nome Noçoquém é de origem indígena e faz referência a um lugar encantado, citado na lenda que conta a origem do guaraná na mitologia dos povos indígenas da etnia Sateré-Mawé, que habitam a região do baixo rio Amazonas, onde está situado o município de Maués.

A alta produtividade da nova cultivar foi comprovada nas avaliações realizadas nos campos experimentais da Embrapa Amazônia Ocidental em Maués e Manaus, quando foi verificada uma produtividade média de 2,3 kg/planta/ano de sementes, enquanto a média no estado é de cerca 0,3 kg/planta/ano. Análises realizadas nas sementes colhidas apontam também um bom nível de cafeína, com teores entre 4% e 5%. 

A nova cultivar também passou por avaliação em áreas de produtores por meio de Unidades de Observação nos municípios de Urucará, São Sebastião do Uatumã, Maués, Parintins, Silves, onde apresentaram as mesmas características obtidas nos campos experimentais.

Variabilidade genética e resistência a doenças

Atroch explica que uma cultivar como a BRS Noçoquém multiplicada por sementes possui alta variabilidade genética, pois cada planta é um genótipo diferente implicando em menor risco de perda por doenças e outros fatores biológicos.  

Cada planta guarda a genética e o potencial produtivo por diversas gerações de multiplicação.  Essa característica é garantida desde que tomados alguns cuidados básicos, sendo o principal deles manter um lote de plantas para produção de sementes isolado dos plantios comerciais com outras variedades, caso contrário pode levar a cruzamentos indesejados e contaminar a descendência dessas plantas. 

De acordo com o pesquisador, são essas características que tornam a cultivar BRS Noçoquém atrativa para o produtor rural do Amazonas: a alta produtividade e a resistência a doenças, sem reduzir a variabilidade genética.

Sobre o Lançamento

A BRS Noçoquem será lançada durante a programação da 43ª Expoagro, feira de exposição agropecuária realizada de 9 a 12 de dezembro, em Manaus, AM. O lançamento será dia 9 de dezembro, às 17h horas, e contará com palestra do Diretor-executivo de Gestão Institucional da Embrapa, Tiago Toledo Ferreira. A programação do 43ª Expoagro inclui cursos, palestras, exposição de animais entre outras atividades. Este ano a feira será instalada no bairro Alvorada, entre Sambódromo e Vila Olímpica, zona oeste de Manaus.

Como adquirir 

Após o lançamento, os interessados em adquirir sementes da nova cultivar de guaranazeiro BRS Noçoquém, podem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone: (92) 3303-7897.  Quem precisar de Informações técnicas ou tiver dúvidas sobre a cultivar, pode acessar o SAC da Embrapa.

Programa de Melhoramento Genético do Guaraná

O lançamento da BRS Noçoquém é fruto do Programa de Melhoramento Genético do Guaranazeiro, desenvolvido ao longo de quatro décadas e que propiciou o lançamento de 18 cultivares clonais, reproduzidas por meio de estaquia.

Segundo o pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental Firmino do Nascimento Filho, na década de 1970, praticamente todos os guaranazeiros do município de Maués, maior produtor do estado, foram contaminados pela antracnose,  uma doença causada pelo fungo Colletotrichum guaranicola, que ataca as folhas, atrofia galhos e impede a frutificação, muitas vezes levando à morte da planta de guaranazeiro.  “A Embrapa, ainda no início de suas atividades, teve a missão de solucionar esse problema, momento em que começou o Programa de Melhoramento Genético do Guaranazeiro, com estudos mais sistematizados sobre a cultura”, relata Nascimento Filho.

Atroch explica que no início do programa de melhoramento deu-se prioridade ao desenvolvimento de variedades clonais, dada a necessidade de lançar materiais resistentes à antracnose.  “Naquela época, enfrentávamos uma intensa queda na produção e na produtividade dos guaranazais do Amazonas. Havia urgência em se disponibilizar materiais genéticos com alta produtividade e resistência à antracnose, o que levou a Embrapa a focar em materiais clonais”, ressalta. Uma vez selecionados, seguiam para ensaios em rede e validação em unidades de observação com um menor tempo para lançamento de materiais superiores, do que se fosse num programa de melhoramento populacional via progênies (sementes).

Com o sucesso das avaliações em campo, a partir de 1999 começaram a ser lançadas cultivares clonais comerciais.  Entretanto, a adoção desses materiais exige infraestrutura de viveiro com condições controladas que possuem alto custo de implantação.  “Apenas as cultivares BRS Maués e BRS Amazonas foram relativamente adotadas, hoje compreendendo cerca de 30% da área plantada no estado”, afirma. 

A partir dos anos 2000, a equipe de melhoristas da Embrapa Amazônia Ocidental iniciou um programa de melhoramento genético  para desenvolvimento de cultivares reproduzidas por sementes, que gerou diversos materiais promissores para lançamento. A primeira é a BRS Noçoquém, que já está registrada e protegida no Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). 

Além da BRS Noçoquém, estão em fase de desenvolvimento outras cultivares com essas características com previsão para serem disponibilizadas nos próximos anos.

Banco de guaraná possui ampla variedade genética

O Banco Ativo de Germoplasma (BAG) de guaranazeiro atualmente abriga cerca de 364 acessos da planta e possui uma ampla variabilidade genética, o que é essencial para o desenvolvimento do programa de melhoramento. O BAG começou a ser formado no fim da década de 1970 com a seleção de plantas nos municípios de Maués, Manaus e Iranduba. Essa seleção foi ampliada para outras regiões do estado, incorporando novas variedades da espécie. 

Segundo Atroch, o BAG possui materiais bem promissores que estão sendo avaliados e trabalhados, alguns com produtividade muito superior de semente seca por planta. “Mas são dados iniciais e precisamos ainda realizar testes e avaliações para estimar o verdadeiro potencial de utilização em futuras ações do programa de melhoramento genético”, conclui

Foto à direita: Gilmar Meneghetti

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana