Saúde

Juíza determina que DF retorne medidas restritivas a partir de 1º de abril

Publicados

em


source
Juíza determina que DF retorne medidas restritivas a partir de 1º de abril
Imagem: Cleber Souza/UOL

Juíza determina que DF retorne medidas restritivas a partir de 1º de abril

No dia em que o Distrito Federal bateu recorde de mortos por covid-19, a juíza federal Katia Balbino de Carvalho Ferreira, da 3ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, estipula que o governo distrital deverá retomar o lockdown a partir da próxima quinta-feira.

A medida valerá até que a lotação das UTIs fique entre 80% e 85% e que a fila de pacientes com covid-19 à espera de leito de terapia intensiva diminua para 100 pessoas. A decisão foi publicada nesta terça-feira.

Com a determinação, o funcionamento do comércio de rua, clubes, shoppings, bares e restaurantes voltará a ser suspenso, conforme decreto que vigorou entre o final de fevereiro e o último domingo. Apesar do colapso do sistema de saúde, o governador Ibaneis Rocha (MDB) havia afrouxou o isolamento na segunda-feira. O toque de recolher, das 22h às 5h, continua vigente.

Você viu?

“O risco de grave dano irreparável a justificar a concessão da tutela resta evidente, uma vez que, em meio a uma crise sanitária sem qualquer precedente, o Distrito Federal está “à beira” do colapso no sistema de saúde, não havendo qualquer dado a justificar e fundamentar a flexibilização de atividades, ainda mais às vésperas do Feriado de Semana Santa”, escreveu na decisão.

A ação foi movida pela Defensoria Pública da União (DPU) contra a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF), a União, o Distrito Federal e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Questionado pelo GLOBO se irá recorrer, o governo do Distrito Federal não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Com o avanço do número de casos e de mortes e a superlotação de hospitais, o Distrito Federal vive o pior momento da covid-19. Foram 94 vítimas fatais, o número mais alto desde o início da pandemia, só nas últimas 24 horas. Ao todo, a doença já ceifou 5.912 vidas e infectou 343.111 pessoas. Os dados são da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF).

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 38.902 casos nas últimas 24 horas

Publicados

em


O Brasil registrou 38.902 casos confirmados e 761 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo boletim divulgado na noite desta segunda-feira (21) pelo Ministério da Saúde. No total, foram registrados 17.966.831 casos e 502.586 óbitos. 

Segundo o boletim, 90,7% dos infectados pelo novo coronavírus, ou 16.288.392, se recuperaram. Há ainda 1.175.853 casos em andamento.

Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

São Paulo é a unidade da Federação líder tanto em número de casos (3.587.646) quando em mortes (122.258). Em número de casos, o estado do Sudeste é seguido por Minas Gerais, com 1.739.929, e Paraná (1.217.064). Os estados com menos registros são Acre (84.918), Roraima (109.702) e Amapá (115.771). Entre os óbitos, a vice-liderança é do Rio de Janeiro, com 54.267 mortes, seguido por Minas Gerais, com 44.583. Os estados com menos mortes são Roraima (1.704), Acre (1.732) e Amapá (1.803).

Boletim epidemiológico 21.06.2021 Boletim epidemiológico 21.06.2021

Boletim epidemiológico 21.06.2021 – Ministério da Saúde

Vacinação

Segundo o Ministério da Saúde, até esta segunda-feira foram aplicadas, no total, 88.353.063 doses de vacina, sendo 64.034.871 na primeira dose e 24.318.192 na segunda dose. Nas últimas 24 horas foram aplicadas 1.392.493 doses de vacinas. O ministério informou que, até agora, distribuiu às unidades da Federação 109.475.286.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana