POLÍTICA NACIONAL

José Dirceu volta a fazer política e prega união com centro e igrejas

Publicados

em


source
José Dirceu
Marcelo Camargo/ABr

José Dirceu

No momento em que as pesquisas indicam alta intenção de voto no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para as eleições de 2022, o ex-ministro José Dirceu , todo-poderoso no início do primeiro governo petista, retomou as articulações políticas e tem realizado encontros com sindicalistas, prefeitos e caciques partidários.

Nos últimos meses, Dirceu se reuniu com a cúpula da Força Sindical, com o ex-presidente José Sarney (MDB), com o presidente do PSD, Gilberto Kassab, e com o prefeito de Diadema, José de Filippi Júnior, entre outros.

Além disso, recentemente, o ex-ministro da Casa Civil participou de atos contra o presidente Jair Bolsonaro em Brasília e em São Paulo. Na última semana, anunciou que entrou para o TikTok, aplicativo de vídeos curtos. Dirceu está com os direitos políticos suspensos por causa das condenações judiciais que o enquadram na Lei da Ficha Limpa e, por isso, não pode disputar eleições.

Apesar de manter contato com as mais diferentes figuras do PT, o ex-ministro, segundo petistas, não tem mais o capital político interno que já teve. Ainda assim, é uma figura respeitada. Um líder de outro partido avalia que Dirceu ainda influencia posições assumidas pelo PT. No fim do ano passado, quando tentava obter o apoio dos petistas par sua candidatura à Presidência da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) procurou o ex-ministro.

Ao GLOBO, Dirceu disse que faz “visitas para agradecer o apoio e solidariedade” que recebeu no período em que esteve preso.

“Não tenho mandato nem sou da direção do PT e não tenho delegação para tanto”, afirmou.

Na conversa com a cúpula da Força Sindical, em São Paulo, no dia 13, aconselhou os dirigentes a buscarem alianças fora do campo da esquerda nas manifestações contra o governo. Enfatizou a necessidade de união das forças democráticas para retirar Bolsonaro da Presidência e disse que as eleições são assunto para 2022.

Você viu?

Segundo o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna, Dirceu defende uma mobilização que inclua partidos de centro, adversários como o PSDB, o movimento estudantil e entidades como a OAB.

“Ele (Dirceu) disse que a esquerda não vai resolver as coisas sozinha. Falou de fazer uma aliança forte e abrir diálogo com outros campos. Também frisou que temos que procurar não só o apoio da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), mas encontrar entendimento com os evangélicos”, disse Juruna.

Mensalão e Lava-Jato Então presidente do PT, Dirceu coordenou a campanha vitoriosa que levou Lula ao Palácio do Planalto em 2002. Indicado para o comando da Casa Civil, disputava com Antonio Palocci, à frente da Fazenda, o posto de homem mais forte do governo. Os dois, inclusive, travavam uma disputa pela vaga de sucessor de Lula. Acabaram abatidos — Dirceu no mensalão e Palocci no escândalo da quebra do sigilo bancário do funcionário de uma casa de lobby — e abriram espaço para Dilma Rousseff.

Dirceu deixou o governo em 2005 após ser acusado de comandar o esquema de repasses de mesadas a deputados. Em seguida, teve o mandato de deputado cassado. Em 2012, foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a 7 anos e 11 meses de prisão. Começou a cumprir a pena no ano seguinte. Em 2016, teve a pena extinta por um decreto presidencial de indulto natalino.

Depois de deixar o governo, Dirceu exerceu a carreira de consultor de empresas, o que lhe garantiu um elevado padrão de vida. De acordo com pessoas próximas, hoje ele vive da aposentadoria pelo período em que exerceu mandatos de deputado federal — foi eleito em 1990, 1998 e 2002. Recebe R$ 9.646,57.

Foram as atividades de consultor que o colocaram na mira da Lava-Jato. Na última das três prisões, deixou a cadeia em novembro de 2019, no mesmo dia que Lula. Os dois, inclusive, encontraram-se numa celebração no apartamento de um advogado de Curitiba.

O ex-ministro foi condenado duas vezes pela Justiça Federal do Paraná e teve as sentenças confirmadas em segunda instância por crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ao todo, as penas somam quase 40 anos, mas ele pode recorrer em liberdade.

Dirceu nega as acusações e seu advogado, Roberto Podval, recorre das duas sentenças junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ainda não há previsão de julgamento.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro discursa em Minas Gerais e repete que “só Deus” o tira da presidência

Publicados

em


source
Bolsonaro discursa em Minas Gerais e repete que
Reprodução: iG Minas Gerais

Bolsonaro discursa em Minas Gerais e repete que “só Deus” o tira da presidência

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) esteve presente em Minas Gerais na manhã desta sexta-feira (17) para o lançamento de um projeto de revitalização de bacias hidrográficas na cidade de Arinos. Durante seu discurso, o mandatário voltou a afirmar que “só Deus” o tirará da cadeira presidencial.

O capitão do Exército afirmou, em meio a ataques à esquerda, que governos anteriores enviaram “bilhões e bilhões de dólares para atender amigos que tinham identidade ideológica”. Após a contextualização sem provas, o presidente afirmou que “isso faz com que muito nos ataquem constantemente. Mas quem me colocou foi Deus, só ele me tira daqui”.

Na sequência, Bolsonaro voltou a provocar e disse que estava confortável em saber que na cadeira do presidente “não está sentado um comunista”. A fala é uma referência a Fernando Haddad (PT), com quem Jair duelou no segundo turno das eleições presidenciais em 2018.


Por fim, o mandatário revelou que estará presente na ONU para realizar o discurso de abertura da assembleia-geral da organização na próxima terça-feira (21). Bolsonaro não revelou o tom ou o que será dito, mas adiantou que terá “verdadee realidade sobre o que é o Brasil e o que representamos verdadeiramente para o mundo”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana