esportes

Jogo entre Joaçaba e Pato marca estreia de Santa Catarina na LNF 2020

Publicado


A partida entre Joaçaba e Pato, nesta quinta-feira (1), às 20h30 (horário de Brasília), será a primeira disputada em Santa Catarina desde o início da edição 2020 da Liga Nacional de Futsal (LNF). A liberação para a realização de jogos na pandemia do novo coronavírus (covid-19) foi assinada na última sexta-feira (25), em portaria da Secretaria de Estado da Saúde.

A permissão é restrita a cidades que não estejam sob risco “gravíssimo”, conforme a matriz estabelecida pelo governo estadual. No momento, nenhuma região catarinense se encontra nesse estágio. O município de Joaçaba (SC), que receberá a partida desta quinta, encontra-se sob risco “grave”. A última atualização da matriz ocorreu em 22 de setembro.

Sem poder atuar em casa, os times catarinenses estão entre os que menos atuaram até agora, precisando aguardar a disponibilidade de calendário dos rivais. O Joaçaba, curiosamente, é a equipe do estado que mais atuou no Grupo C: quatro vezes. São três derrotas e um empate. A franquia está na lanterna da chave, com um ponto, mas pode subir até duas posições se vencer o duelo no ginásio do Centro de Eventos da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc).

O Pato é o vice-líder do grupo, com 10 pontos, a quatro do Umuarama, primeiro colocado. O atual bicampeão da LNF, que goleou o Tubarão por 5 a 1 no dia 17 de setembro, busca mais regularidade. Após seis partidas, o time de Pato Branco (PR) ainda não emplacou duas vitórias seguidas na competição. No primeiro embate com o Joaçaba em 2020, em 9 de setembro, os paranaenses venceram por 3 a 1.

Primeira vez

Na quarta-feira (31), o Minas Tênis Clube obteve a primeira vitória na edição 2020 da Liga Nacional de Futsal. Em Dracena (SP), os mineiros superaram a Intelli Tempersul por 5 a 4, de virada. Os três gols do ala Tatinho e a bola na rede do pivô Marcelo não foram suficientes para os paulistas. O fixo Vitor e os alas Henrique, Leozinho, Lion e Lucas marcaram para os visitantes, que foram aos oito pontos, na quarta posição do Grupo A. A Intelli, com 11, é a segunda.

Já pelo Grupo B, o Cascavel recebeu o Carlos Barbosa e as equipes ficaram no 1 a 1. O pivô David abriu o placar para a Serpente, mas o ala Fellipe Mello empatou. Os times perderam a chance de assumir a ponta da chave, que segue com o Atlântico, com 15 pontos. Os paranaenses estão em terceiro, com 13 pontos, um a menos que os gaúchos, que aparecem em segundo.

Veja a classificação atualizada da Liga Nacional de Futsal.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
publicidade

esportes

Dia do judô: esporte individual lidera conquistas olímpicas do país

Publicado


Aos 15 anos, Débora Cristina de Souza dos Santos sabe de cor as lições do judô: respeito, humildade e disciplina. A jovem faixa verde conheceu há três anos a modalidade, por meio de um projeto social, e já sonha participar de uma Olimpíada. “Quero ser medalhista e incentivo as pessoas da minha idade e aos menores a praticar o judô para livrar a mente e tirar as pessoas do caminho do tráfico”, destaca a adolescente, que é moradora da comunidade da Barreira do Vasco, na zona norte do Rio de Janeiro (RJ), e começou a praticar o esporte 

A data de comemoração do Dia do Judô, celebrado nesta quarta-feira (28), é uma referência ao dia do nascimento do criador da luta, o japonês Jigoro Kano (1860/1938). A modalidade individual é a que mais trouxe medalhas olímpicas para Brasil. No total, são 22: quatro ouros, três pratas e 15 bronzes. “É individual, mas com um instinto coletivo aflorado”, explica Cláudio Carelli, professor de Débora e que já dedicou 26 dos 41 anos ao judô. “Além dos benefícios físicos, como o desenvolvimento de força, agilidade e pensamento tático, o judô traz lições morais, autocontrole. Na primeira aula, aprende-se a cumprimentar o oponente, que não é visto como rival, mas como alguém que vai contribuir para evoluí-lo”.

Samurais do Morro, projeto social, judô, RJSamurais do Morro, projeto social, judô, RJ

Cerca de 50 crianças participam do projeto social Samurais do Morro, no bairro de São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro – Fabio Lacerda/Divulgação

Recentemente, o judoca criou o projeto Samurais do Morro, que atende a cerca de 50 crianças entre 7 e 16 anos. “Sou morador de São Cristóvão [zona norte] e vi que faltava um projeto social desse no Morro do Tuiuti. Então com a ajuda da Associação dos Moradores, apoio dos empresários da região, começamos a implementar esta atividade para diminuir a ociosidade das crianças”.   

O projeto Samurais do Morro acompanha a vida escolar dos participantes e está equipado com EPIs (álcool em gel, máscara personalizada e duplas fixas mantendo o distanciamento das demais duplas em treinamentos. “O lançamento do projeto foi adiado por conta da pandemia e vamos criar mais turmas à medida que as autoridades sanitárias flexibilizem as regras”, afirma Carelli, lembrando os destaques são incentivados a prosseguir no esporte. “Eu os levo para treinar na minha academia para serem federados, disputar competições e virar atletas”.

Em 2013, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) classificou o judô como o esporte mais adequado para o desenvolvimento global de crianças e adolescentes. Curiosamente, hoje também é o Dia do Respeito, uma das bases desta modalidade. 

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana