ENTRETENIMENTO

Joelma lança clipe “Amor No Silêncio” gravado na Amazônia

Publicados

em

source
Joelma lança clipe “Amor No Silêncio” gravado na Amazônia
The Music Journal Brazil

Joelma lança clipe “Amor No Silêncio” gravado na Amazônia

Sempre celebrando a cultura da região norte do Brasil, a cantora Joelma lançou nesta quarta-feira (22) o inédito clipe Amor No Silêncio que foi gravado em Novo Airão , em Manaus (AM). O registro audiovisual traz a tona o lado ribeirinho da artista, e mostra cenas belíssimas dela em meio ao Rio Negro e a Amazônia.

“O que me move é a minha cultura, o Norte do nosso Brasil e cantar sobre o amor” , diz Joelma. “Então esse clipe gravado na Amazônia é muito especial pra mim. Gravamos na cidade de Novo Airão em Manaus e foi muito especial estar em meio à natureza, ao rio. Eu me diverti, estava literalmente em casa!” , comenta.

Amor No Silêncio é parte integrante do novo DVD Isso é Calypso Na Amazônia, que chegará às plataformas digitais em breve. O single é uma composição de Júnior Silva , Lucas Papada e Anajuh.

Confira:

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Propaganda

ENTRETENIMENTO

Bienal do Livro incentiva formação de leitores em retorno presencial

Publicados

em

Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Bienal do Livro – Divulgação – 20.06.2022

Bienal Internacional do Livro de São Paulo


Desde 1970, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo recebe de estudantes a autores com o objetivo de impulsionar a literatura entre a população. No retorno presencial da 26ª edição do evento, que acontece entre os dias 2 e 10 de julho, no Expo Center Norte, a proposta segue a mesma e destaca a importância de formar novos leitores pelo Brasil.

Presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), organizadora do evento, Vitor Tavares atua no mercado editorial há 42 anos e relata em entrevista ao iG Gente o aspecto transformador que os livros apresentam na vida das pessoas. “Muitos lembram de ter visitado a Bienal quando criança. Que foi para eles um momento mágico de encontrar seus autores e seu livro preferido. Acho que a Bienal exerce esse papel e é uma das nossas funções e missões, de ajudar a formar leitores […] A gente acredita que o livro é transformador da sociedade, do ser humano e da criança”, defende.

Incentivo diante de tentativas de taxação dos livros

Com a expectativa de receber cerca de 600 mil pessoas ao longo dos nove dias de programação, Vitor entende que a Bienal precisa investir principalmente na formação de leitores entre o público infantil diante deste alcance. “Estamos preparando o futuro do Brasil e o futuro está nas crianças. Se a gente não formá-las e inseri-las no mundo literário, nós vamos ter o quê? Um país com cada vez menos leitores”, diz.

Público na Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Bienal do Livro – Divulgação – 20.06.2022

Público na Bienal Internacional do Livro de São Paulo


O presidente da CBL expõe dados para justificar como o incentivo à leitura no país também é benéfico para a movimentação da economia. “A gente lê por volta de dois livros inteiros por ano, per capita. É bom, mas a gente poderia estar lendo 5 [livros] em um país com o IDH médio e PIB do Brasil […] Você multiplica isso pela população de 200 milhões, nós íamos produzir livros físicos na ordem de 600 milhões de exemplares. A gente precisaria de uma quantidade enorme de livrarias, bibliotecas, feiras e bienais para poder atender a esse público leitor”, analisa.

Neste cenário, Vitor observa como um desafio da Câmara Brasileira do Livro combater as propostas de taxação dos livros feitas pelo governo. “Se taxar o livro, ao invés de estar colocando o livro de uma forma mais democrática a uma quantidade maior de leitores, vamos estar reduzindo. Então a gente não pode deixar que se taxe o livro, temos que lutar muito contra a taxação do livro, seja em qualquer reforma tributária que venha ou nesse governo ou no próximo”, aponta.

“O livro é imune de impostos federais, municipais e estaduais desde a Constituição de 1946, quando um grande deputado constituinte por São Paulo, Jorge Amado, propôs isso. Depois vieram as reformas constitucionais e isso se manteve. Então o livro não paga impostos, taxa ou contribuição, para a gente facilitar o acesso para que as editoras fiquem viáveis e possam produzir essa grande diversidade brasileira […] O livro tem que ficar onde ele sempre esteve desde 1946, imune de todas as taxas e impostos”, ressalta.

Diversidade de Norte a Sul

Visando a valorização da diversidade na produção literária, a Bienal do Livro promove debates de diferentes temas na programação, trazendo desde autores indígenas até discussões sobre personagens LGBTs. Vitor Tavares comenta como a CBL nota a “rica diversidade” na produção literária a partir das inscrições ao Prêmio Jabuti, o mais tradicional prêmio literário do Brasil, que contará com um espaço reservado no evento.

“A produção literária brasileira é muito grande e a gente percebe isso nas próprias inscrições do prêmio Jabuti. A cada ano a gente bate recordes e neste ano nós tivemos mais de 4 mil inscrições no Prêmio Jabuti, com autores indígenas, LGBT, de literatura de vanguarda, de ficção e não ficção, de Norte a Sul do Brasil. A nossa bibliodiversidade é enorme e temos que entender tudo isso na Bienal e respeitar a todos”, afirma.

Participante da Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Bienal do Livro – Divulgação – 20.06.2022

Participante da Bienal Internacional do Livro de São Paulo


“A Bienal do Livro não é uma feira de livros, é um grande festival literário brasileiro. E não é só de São Paulo”, complementa. Vitor ainda conta como tal diversidade reflete nos participantes do evento, que vêm de todas as regiões do país.

“A gente recebe a visitação escolar de mais de 100 mil alunos do Estado, da Prefeitura e universitários. E a gente percebe também que não só de São Paulo, capital ou interior, a gente vê visitantes de todo o Brasil. Os ‘Amigos do Nordeste’ chegam com um caminhão com a literatura de cordel neste ano”, exemplifica.


O BookTok tem poder

No comando da organização da Bienal pela Câmara Brasileira do Livro, Vitor cogita a possibilidade do público ultrapassar o número de 600 mil por conta do aumento de leitores após a pandemia. “Está sendo uma expectativa tão grande […] A gente percebeu que o brasileiro não deixou de comprar livros durante a pandemia, leu mais ou colocou as leituras em ordem”, diz.

Desde 2020, o segmento da literatura no TikTok, conhecido como “BookTok”, influenciou muito a propagação de cada vez mais conteúdos literários nas redes sociais. Autores nacionais e internacionais ganharam mais relevância nestas circunstâncias e agora podem encontrar os leitores presencialmente na Bienal.

+ Entre no  canal do iG Gente no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre celebridades, reality shows e muito mais!

O profissional analisa como a programação é influenciada pela repercussão de livros e autores em destaque entre o público: “Quem cobra isso da gente é o próprio leitor. A Bienal do Livro, a Câmara Brasileira do Livro e o mercado editorial vão se adaptando a cada momento da sociedade”, comenta antes de destacar o papel do evento em promover segurança e dar senhas para organizar sessões de autógrafo.

Vitor ainda relembra casos impactantes na Bienal do Livro, como a passagem da escritora norte-americana Cassandra Clare: “Foi tanta gente, tantos jovens que chegaram seis horas da manhã e já estavam na porta do pavilhão para entrar […] Então é um desafio, mas é um desafio bacana. Um evento dessa magnitude seria muito triste para nós se não tivesse ninguém. Como tem gente, vamos organizar e receber a todos. E é fato, as redes sociais estão muito presentes”.

Novidades da edição

A Bienal ainda recebe alguns autores internacionais na edição de 2022, como Jenna Evans Welch, Ali Hazelwood e Valter Hugo Mãe. Este último nome representa no evento o time de Portugal, escolhido como o país homenageado e trará até o presidente Marcelo Rebelo de Sousa para uma participação.

“Portugal vem com um estande lindo, trazendo 21 autores, o próprio Walter Hugo Mãe vai estar presente autografando os livros. O técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, que lançou o livro ‘Cabeça Fria, Coração Quente’ também está confirmando a presença em uma mesa e depois vai autografar o livro dele”, esclarece.


+ Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

“São mais de 1300 horas de atrações culturais, de mesas, debates, encontro com autores. E isso oficial nos nossos espaços temáticos. Só que nós temos também as atrações que as próprias editoras levam, elas fazem lançamentos nos estandes com autores e debates. Então, eu acredito que são mais de 2 mil horas de atrações culturais voltado ao livro, a literatura e a é a difusão da leitura. É um trabalho bastante grande”, completa.

Com entrada franca até os 12 anos e acima de 60 anos, o público pagante que comprar os ingressos até o dia 30 de junho ganhará um valor em cashback para ser resgatado na própria Bienal do Livro. Os participantes poderão explorar 183 estandes, 500 selos literários e 9 espaços temáticos no pavilhão.

“A Bienal é o ápice de todo um período de trabalho que a gente fez durante os últimos dois anos. Lá você vai encontrar influenciadores, políticos, formadores de opinião, professores, editores, autores, livreiros, distribuidores livres, debates sobre políticas públicas do livro, a questão comercial do livro, o papel do livro na sociedade e a importância do livro e também das livrarias físicas […] Enfim, o livro é algo que não aparta ninguém, ele aproxima as pessoas”, conclui.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana