Saúde

Instituto desenvolve 1ª vacina contra diferentes variantes da Covid-19

Publicados

em

source
Instituto desenvolve 1ª vacina contra diferentes variantes da Covid-19
Rovena Rosa/Agência Brasil – 19.01.2022

Instituto desenvolve 1ª vacina contra diferentes variantes da Covid-19

Pesquisadores da Fundação Instituto de Imunologia da Colômbia (FIDIC) desenvolveram a primeira vacina contra as diferentes variantes do Sars-Cov-2, nome oficial do novo coronavírus, causador da Covid-19. Em entrevista ao veículo de mídia colombiano Caracol Radio, o pesquisador Manuel Elkin Patarroyo, afirmou que o novo imunizante já passou pela fase de estudo pré-clínico e, em breve, deverá avançar para o estudo clínico em humanos. 

De acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira na revista Frontiers in Immunology, o imunizante é feito a partir de uma plataforma de síntese química adaptada de uma metodologia criada pela FIDIC o em seus estudos sobre a malária. É uma vacina baseada em pequenos pedaços, não mais que 20 aminoácidos, da parte funcional do vírus, que se liga às células e as infecta. Em vez de utilizar o vírus inteiro inativado, como o caso da CoronaVac; uma proteína inteira, como a Novavax; ou instruções para células humanas produzirem uma proteína, como a da Pfizer; a vacina colombiana utiliza fragmentos de múltiplas proteínas: da espícula (a famosa proteína S ou Spike), da membrana e do envelope.

“Se diz que é uma vacina com proteção mais abrangente porque ela é uma vacina sintética de subunidade de subunidade com múltiplas proteínas, enquanto a maioria das vacinas que estão no mercado se basearam em proteínas da espícula. Se você aumenta o número de proteínas, se entende que a proteção é mais abrangente e isso é muito melhor em saúde pública”, explica a pesquisadora Sue Ann Costa Clemens, docente de Oxford e diretora do primeiro mestrado em vacinologia do mundo, na Universidade de Siena.

Além disso, o novo imunizante inclui a maioria dos fragmentos da variante clássica chinesa Wuhan, mas também fragmentos correspondentes às mutações de interesse e de preocupação já identificadas. Isso significa que essa é a primeira vacina contra múltiplas variantes. As outras são baseadas apenas na cepa original, de Wuhan.

“Já sabendo quais são as mutações presentes nas variantes de preocupação (VOCs) e nas de interesse (VOI) , eles escolheram pedaços das proteínas em lugares em em que o vírus não mutou, que são iguais entre todas as variantes. Eles estão usufruindo do conhecimento das próprias mutações. Nesse momento, não temos vacina que usufrui desse conhecimento, mas estamos a caminho de vacinas de segunda geração”, diz o geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, em Curitiba.

Outro ponto interessante dessa vacina, é que os pesquisadores fizeram modificações químicas nesses fragmentos de proteínas para que eles sejam reconhecidos pelo organismo humano, sem serem eliminados pelo sistema HLA, que reconhece e extermina corpos estranhos.

“Em tese, uma vacina dessa seria considerada estranha e o corpo produz anticorpos para eliminá-la. Eles modificaram essas sequências de aminoácidos para que elas possam ser reconhecidos como sequências do próprio organismo humano por esse sistema HLA”, explica o geneticista.

Isso significa que o corpo produz anticorpo contra o coronavírus e estará preparado em caso de infecção, mas não produz anticorpos contra a própria vacina. De acordo com os pesquisadores, o nível de anticorpos gerados pela vacina aumentou com o tempo. Eles afirmam também que ela tem capacidade de proteger cerca de 80% da população mundial.

Para Sue Ann Costa Clemens, que também é chefe do comitê científico da Fundação Bill e Melinda Gates, outro ponto positivo dessa vacina é que se acredita que ela seja muito mais fácil de produzir e mais barata.

“Se ela se comprovar segura e eficiente nas fases clínicas, é uma vacina de grande potencial”, complementa Raskin. Entretanto, seu desenvolvimento não deve ser tão rápido.

Entretanto, o fato da maior parte da população mundial estar vacinada e de não haver uma urgência para o desenvolvimento de novas vacinas, já que agora temos imunizantes disponíveis, pode fazer com que o estudo não seja concluído tão rapidamente.

“A vacina foi testada em macacos. Ainda são muitas etapas clínicas até ela estar disponível. Se tudo der certo, estamos falando de dois anos”, diz Raskin.

O desenvolvimento da nova vacina, chamada SM-COLSARSPROT, foi liderado pelos professores Manuel Alfonso Patarroyo e Manuel Elkin Patarroyo, do FIDIC, em parceria com o grupo de imuno-virologia da Universidade de Antioquia e a Universidade de Ciências Aplicadas e Ambientais (UDCA).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Entenda os benefícios do banho frio

Publicados

em

Especialistas recomendam banho frio
Thinkstock/Getty Images

Especialistas recomendam banho frio

Escolher a temperatura da água não é apenas questão de gosto. A preferência por banhos mais quentes ou mais frios traz impactos diretos para a saúde, não apenas da pele, como de todo o corpo. A melhor saída, explicam especialistas, é a água fria. Isso porque as duas opções oferecem benefícios diferentes que devem ser levados em consideração, porém, se for necessário escolher entre as duas temperaturas, o banho gelado é o que traz mais efeitos positivos.

Um dos principais pontos dos banhos mais frios é o aparente efeito estimulante do sistema imunológico. Um estudo conduzido por pesquisadores holandeses, publicado na revista científica PLOS One, com mais de três mil participantes, constatou que, entre aqueles que passaram a adotar uma rotina de água gelada, houve um número de faltas no trabalho por motivos de saúde 29% menor que entre os que tomaram banhos quentes.

Outro impacto é na ativação do sistema nervoso simpático. A água fria, quando entra em contato com o corpo, estimula a liberação da noradrenalina, um hormônio que acelera o batimento cardíaco e aumenta a pressão arterial. O mecanismo promove a sensação de se sentir revigorado e é ligado a desfechos melhores de saúde.

Além disso, o banho frio diminui o fluxo sanguíneo na pele. Mas, quando ele acaba, e o corpo precisa se aquecer, o organismo passa a trabalhar para aumentar esse fluxo na superfície. O estímulo a esse sistema é associado a uma melhor circulação do sangue no corpo.

Há ainda evidências de que a água gelada constante ajuda a acelerar o metabolismo e a perda de peso, e que a liberação da noradrenalina mencionada anteriormente pode ajudar a combater sintomas de depressão. No entanto, pessoas com predisposição para problemas cardiovasculares devem estar atentas. A exposição imediata a águas muito frias pode provocar um choque térmico no corpo, e, em casos mais graves, precipitar um ataque cardíaco.

Apesar de o banho frio de fato oferecer mais benefícios, há também pontos positivos na água mais quente. O mais evidente é a sensação de relaxamento que ela proporciona. Há estudos mostrando que esse efeito pode levar a um sono melhor, ao alívio de fadigas musculares e da tensão corporal.

Temperaturas mais altas também podem ser boas para a circulação, mas de forma diferente da água gelada. Quando expostos ao calor, os vasos sanguíneos se alargam, o que promove um aumento do fluxo sanguíneo.

Esses efeitos, que abaixam a pressão arterial, podem, no entanto, ser negativos para determinadas pessoas. Naqueles mais suscetíveis a quedas de pressão, a água quente pode levar à tontura e até mesmo a mudanças abruptas que levam a quadros de desmaio. No banheiro, isso se torna ainda mais preocupante pois pode provocar um acidente.

Além disso, a água mais quente retira da pele óleos naturais, o que pode promover um ressecamento e, eventualmente, erupções cutâneas, especialmente em pessoas com problemas de pele. As mesmas substâncias também podem ser retiradas do cabelo, deixando-os mais secos e menos hidratados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana