economia

IBGE incentiva responder à Pnad Contínua por telefone

Publicados

em


A pandemia da covid-19 levou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a fazer a coleta de informações para a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) por telefone desde 17 de março do ano passado. A pesquisa, que era realizada exclusivamente de forma presencial, passou a ser feita por telefone para assegurar a saúde dos entrevistados e dos entrevistadores.

A rede de coleta da Pnad tem cerca de 2 mil pesquisadores que trabalham continuamente para obter as informações em mais de 70 mil domicílios por mês em todos os estados brasileiros. Os dados são referentes aos  principais indicadores sociais do país, como trabalho, rendimento, educação e moradia.

Segundo o coordenador de Coleta do IBGE, Gustavo Giaquinto, a pesquisa por telefone é uma operação complexa e trouxe desafios adicionais para a instituição. Para fazer a coleta por telefone, o instituto precisou levantar os números de telefone de entrevistados para formar o cadastro. Isso causou um número “de não respostas”, conforme é chamado pelo IBGE, que vem sendo reduzido com a identificação dos contatos dos pesquisados.

O diretor substituto de Pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, destacou a importância do entrevistadores do IBGE e disse que eles vêm fazendo um trabalho fantástico. “Sem eles, não teria a apresentação sobre carteira de trabalho, aumento da população ocupada, taxa de desocupação. Perderíamos completamente a bússola, o rumo. Como um gestor público poderia fazer política pública sem ter a Pnad Contínua? É impossível fazer isso.”

Para a analista do IBGE Adriana Beringuy,  contribuir para uma estatística do país e informar ao IBGE é também uma forma de exercer a cidadania. “Não é só a sua informação que está ali contemplada. Você está contribuindo para que o Brasil seja retratado. Em um cenário agora de pandemia, principalmente, em que milhões de pessoas perderam sua ocupação, ter esse retrato, ter esses dados, para não apenas ver o que está acontecendo, mas qual vai ser o caminho, quem foi mais afetado, que medidas podem ser feitas pensando justamente nesse conjunto de dados que a população brasileira nos oferece para se traçar o mapa da realidade do mercado de trabalho brasileiro,.”

Adriana acrescentou que o sucesso do trabalho depende de as pessoas atenderem o pesquisador do IBGE. “Produzimos uma informação que é muito desejada pela sociedade. Temos que entender que a sociedade somente vai ter essa informação na medida em que atender aos nossos entrevistadores. Somente por meio das informações prestadas por cada um dos enfrevistados é que a gente pode oferecer isso”, completou.

O IBGE informou que, ao receber a ligação por telefone para a entrevista da Pnad Contínua, o morador pode solicitar o número do RG, do CPF ou da matrícula do agente e checar a identidade por meio do portal Respondendo ao IBGE ou pela Central de Atendimento, pelo telefone 0800-7218181, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e das 10h às 14h, aos sábados, domingos e feriados.

“Os entrevistadores do IBGE não pedem códigos nem enviam links e nunca solicitam dados bancários. É possível confirmar a identidade do entrevistador no site Respondendo ao IBGE“, alertou o instituto.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Mais de 620 mil micro e pequenas empresas foram abertas em 2020

Publicados

em


Dados do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostram que, em 2020, foram abertas 626.883 micro e pequenas empresas em todo o país. Desse total, 535.126 eram microempresas (85%) e 91.757 (15%) eram empresas de pequeno porte.

Os setores onde as microempresas abriram maior número de unidades em 2020 foram serviços combinados de escritório e apoio administrativo (20.398 empresas), comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (16.786) e restaurantes e similares (13.124). Já os setores onde as pequenas empresas abriram mais estabelecimentos foram serviços combinados de escritório e apoio administrativo (3.108), construção de edifícios (2.617) e comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (2.469). De acordo com o Sebrae Nacional, o resultado evidencia a força do empreendedorismo no Brasil.

Com base em dados do governo federal, apurou-se que, no ano passado, o país criou 3,4 milhões de novas empresas, alta de 6% em comparação a 2019, apesar da pandemia de covid-19. Ao final de 2020, o saldo positivo no país foi de 2,3 milhões de empresas abertas, com destaque para microempreendedores individuais (MEI).

De acordo com o Ministério da Economia, o registro de 2,6 milhões de MEI em 2020 representou expansão de 8,4% em relação ao ano anterior, levando essa categoria de empreendedores ao total de 11,2 milhões de negócios ativos no país. O MEI representa hoje 56,7% das empresas em atividade no Brasil e 79,3% das empresas abertas no ano passado.

Importância

Números divulgados pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro (Sebrae RJ) confirmam a importância do empreendedorismo para garantir a sobrevivência das empresas e a renda dos micro e pequenos empresários.

Ao mesmo tempo em que a crise provocada pela pandemia de covid-19 causou o fechamento de 90,2 mil pequenos negócios no estado, foram abertos mais de 307,8 mil pequenos negócios, com destaque para o setor de serviços, com quase 160 mil novas empresas.

“Foi um dado que espantou bastante a gente”, comentou, em entrevista à Agência Brasil, o analista do Sebrae RJ, Felipe Antunes. “A pandemia causou impacto em todos os setores. Toda a economia sofreu. No nosso entendimento, porém, as pessoas precisam gerar renda, muitas foram demitidas e procuraram o empreendedorismo, abrindo empresas para ter geração de renda”.

Nesse processo, Antunes ressaltou que o microempreendedor individual (MEI) teve grande destaque. “Oitenta e oito por cento das empresas que abriram foram por meio desse regime do MEI, que oferece facilidade para a pessoa abrir um negócio. Por isso, há um percentual muito alto de MEI entre as empresas abertas”.

Receita

O levantamento do Sebrae Rio, elaborado com base nos dados da Receita Federal, revela que salão de beleza (cabeleireiro, manicure e pedicure) e fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar foram as principais atividades escolhidas pelos microempreendedores individuais. Para o analista, o MEI “foi uma válvula de escape” no cenário trazido pela pandemia. “O empresário, por necessidade, precisou continuar no mercado e viu o empreendedorismo como opção de gerar renda”, acrescentou.

Do total de novas empresas que surgiram no estado do Rio de Janeiro em 2020, o setor de serviços foi responsável pela abertura de 159,9 mil empresas, seguido pelo comércio (72,5 mil), a indústria (52,7 mil), economia criativa (10,5 mil), o turismo (9,9 mil) e a agropecuária (2,1 mil). Por atividade, o desempenho dos pequenos negócios foi liderado por serviço de escritório e apoio administrativo, comércio varejista de roupas, serviço médico-ambulatorial e restaurantes.

Fechamento

Durante o ano de 2020, o setor de serviços foi o que mais fechou empresas no estado do Rio (39,1 mil), seguido pelo comércio (28,8 mil), a indústria (14 mil), economia criativa (4,1 mil), o turismo (3,5 mil) e a agropecuária (470). “O setor de serviços precisa muito da presença de pessoas e a pandemia, ao interromper a circulação, prejudicou muito o setor de serviços, mas o setor de comércio também teve impacto”, comentou Felipe Antunes.

As atividades voltadas para o comércio varejista de roupas e restaurantes foram as que sofreram maior impacto por causa da pandemia. Das microempresas que fecharam, 42% eram do setor de comércio, mostra a pesquisa. 

Edição: Graça Adjuto

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana