BRASIL E MUNDO

Homem morre esmagado ao dormir embaixo de caminhão em MG

Publicados

em


source
Acidente aconteceu no Bairro São Jorge, em Uberlândia (MG)
Reprodução/Google Street View

Acidente aconteceu no Bairro São Jorge, em Uberlândia (MG)

Em Uberlândia, Minas Gerais , um homem morreu esmagado enquanto dormia embaixo de um  caminhão no Bairro São Jorge, nesta segunda-feira (3). O motorista disse que não percebeu a presença da vítima quando saiu com o veículo.

O Corpo de Bombeiros informou que foi chamado para socorrer o homem na Zona Zul da cidade pouco antes da meia-noite. De acordo com o motorista, ele foi até o local para retirar o caminhão da rua e estacioná-lo em um lugar mais adequado.

O condutor afirmou que chegou a sentir que uma das rodas passou em cima de algo, mas não imaginava que seria uma pessoa. No momento em que atropelou a vítima, disse que não escutou nenhum barulho, e levou um susto ao voltar andando e se deparar com o homem caído em frente à sua casa.

A Polícia Militar também foi chamada para registrar o caso e, segundo os bombeiros, não houver tempo de socorro. Conforme a PM, a vítima tinha 50 anos e era alcoólatra, condição que fazia com que ele ficasse fora de casa por muito tempo e provavelmente fez com que ele deitasse embaixo do veículo. 

O condutor prestou depoimento na Delegacia de Plantão da cidade, mas foi liberado em seguida.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

MEC admite não ter verbas para Enem e bolsas de pesquisadores da Covid-19

Publicados

em


source
Ministério da Educação
Agência Senado

Ministério da Educação

Por meio de um ofício encaminhado pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, o Ministério da Educação (MEC) relatou ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que a verba destinada ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2021 é insuficiente para aplicar a prova. Além disso, afirmou que faltará dinheiro para pagar bolsas de 92 mil cientistas, incluindo pesquisadores da covid-19. As informações são do Estadão.

De acordo com a reportagem, a pasta solicitou dinheiro para “viabilizar projetos” e falou em impactos pedagógicos “imensos”. Ao todo, a pasta pede o desbloqueio de R$ 2,7 bilhões e a suplementação de R$ 2,6 bilhões, sob o risco de deixar sem verba “diversas demandas essenciais à área da educação”. Vale ressaltar que o MEC foi um dos ministérios mais atingidos pelo bloqueio de verbas realizado em abril pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Especificamente com relação ao Enem, a insuficiência orçamentária resultaria na inexecução dos serviços, tendo em vista a quantidade de participantes prevista para 2021. O montante disponibilizado não atenderia a totalidade de aplicações/participantes previstas, o que de fato poderia trazer prejuízos às aplicações do Enem e ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep)”, afirma o MEC

Para aplicar o Enem é previsto um gasto de R$ 794 milhões. Com R$ 226,7 milhões bloqueados, o orçamento total do Inep é de R$ 1,183 bilhão, sendo necessário quase o dobro para atender às necessidades. O Inep estima ter seis milhões de alunos inscritos nesta edição do Enem, além de 100 mil estudantes na aplicação da prova digital. 

Ainda em ofício, o MEC cita prejuízos à pesquisa brasileira, com cortes na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Segundo a pasta, já a partir de de novembro, todos os 92.377 bolsistas de mestrado, doutorado e pós-doutorado “não poderão ser pagos”.

“Entre o total de bolsas, cabe destacar a interrupção do pagamento de 795 bolsistas vinculados a 109 projetos de combate à covid-19, com o envolvimento de 1.280 pesquisadores”, aponta o ofício. Além do desbloqueio, a Capes precisa de R$ 121,5 milhões para garantir pagamento.

Procurado, o MEC não se manifestou sobre o caso. Já o Ministério da Economia alegou que o bloqueio visa ao atendimento de despesas obrigatórias. “Caso novas projeções de despesas obrigatórias indiquem queda do valor projetado dessas despesas, os valores bloqueados poderão ser reavaliados”, informou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana