TECNOLOGIA

Hackers realizam maior ataque da história e roubam R$ 3 bilhões em criptomoedas

Publicados

em


source
Hackers roubam dinheiro
Unsplash/Markus Spiske

Hackers roubam dinheiro

Hackers roubaram cerca de US$ 600 milhões (cerca de R$ 3,1 bilhões, em conversão direta) em criptomoedas do protocolo baseado em blockchain Poly Network, nesta terça-feira (10). Esse é um dos maiores ataques hackers de criptografia já vistos, conforme informou a Forbes.

“Lamentamos anunciar que a #PolyNetwork foi atacada”, tuitou a empresa na manhã de terça-feira, revelando que os hackers transferiram centenas de milhões de dólares para carteiras de criptomoedas separadas.

O Poly Network é um protocolo de interoperabilidade criado para facilitar a troca de tokens entre diferente blockchains. O projeto surgiu através de uma aliança formada entre as equipes de várias plataformas, como Neo, Ontology e Switcheo. Os desenvolvedores ainda não divulgaram detalhes sobre como aconteceu o ataque.

Como destaca a Forbes, endereços de carteiras de criptomoedas divulgados pela Poly Network mostram transferências, nesta terça-feira, de 2.858 tokens de éter no valor de cerca de US $ 267 milhões, 6.610 moedas binance no valor de mais de US $ 252 milhões e cerca de US $ 85 milhões em tokens de polígono.

Você viu?

O valor combinado dos tokens roubados totaliza cerca de US$ 604 milhões, tornando-o ainda maior do que o ataque de US$ 460 milhões na troca de criptomoedas MT. Gox, que levou à falência da empresa e aumentou a regulamentação nesse novo mercado de ativos.

“Estamos convocando mineradoras de blockchains afetados e corretoras cripto para inserir os tokens dos endereços acima na lista de má reputação”, complementou a empresa na rede social.

A equipe do protocolo pediu que as corretoras bloqueassem qualquer transação relacionada aos endereços vinculados ao ataque. O pedido abrangen os mineradores das criptomoedas roubadas, como USDT, DAI, UNI, SHIB, FEI, wBTC, wETH, RenBTC

O CEO da bolsa de criptomoedas OKEx, Jay Hao, respondeu ao ataque, dizendo que a empresa está “observando o fluxo de moedas e fará [seu] melhor para administrar a situação.”, destacou a Forbes. A Poly Network não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Forbes.

Comentários Facebook
Propaganda

TECNOLOGIA

Apple Store atualiza regras de pagamento; veja o que muda

Publicados

em


source
Acordo judicial permite que desenvolveres entrem em contato direto com o consumidor, mas não resolve disputa com Epic Game
Bruno Gall De Blasi

Acordo judicial permite que desenvolveres entrem em contato direto com o consumidor, mas não resolve disputa com Epic Game

A Apple atualizou as regras da App Store para permitir que os desenvolvedores entrem em contato direto com os usuários para pagamentos, trata-se de um acordo judicial com as empresas que questionavam o controle da gigante americana sobre a loja.

Na primeira semana de outubro, a Apple disse pretendia adiar a implementação das mudanças mais significativas no modelo de negócio da App Store desde o começo das atividades, em 2008. Isto porque, a revisão, no centro do debate sobre o funcionamento da big tech , pode custar à empresa bilhões de dólares anualmente.

Com as novas regras, os desenvolvedores agora podem contatar os consumidores diretamente sobre métodos de pagamento alternativos, contornando a comissão de 15% ou 30% da Apple.

Eles poderão pedir aos usuários informações básicas, como nomes e endereços de e-mail, “desde que essa solicitação seja opcional”, informou a fabricante do iPhone.

A Apple propôs as mudança, em agosto, em um acordo judicial com pequenos desenvolvedores de aplicativos.

Mas é improvável que a concessão satisfaça empresas como a Epic Games, desenvolvedora do “Fortnite”, com quem a Apple tem uma disputa de longa data sobre sua política de pagamento.

Leia Também

A Epic abriu um processo com o objetivo de quebrar o controle da Apple sobre a App Store, acusando a empresa de operar um monopólio em sua loja de bens e serviços digitais.

Em setembro, um juiz ordenou que a Apple afrouxasse o controle das opções de pagamento na App Store, mas concluiu que a Epic não poderia provar violações antitruste.

Ambas as partes interpuseram recursos.

Para a Epic e outros desenvolvedores, a capacidade de redirecionar os usuários para um método de pagamento fora do aplicativo não é suficiente – eles querem que os jogadores possam pagar diretamente sem sair do jogo.

A Apple também enfrenta investigações nos Estados Unidos e na Europa por alegações de abuso de posição dominante.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana