TECNOLOGIA

Hackers invadem EA e roubam código-fonte de FIFA 21 e The Sims

Publicados

em


source
Hackers invadiram o sistema da EA
Unsplash

Hackers invadiram o sistema da EA



Hackers roubaram 780 GB de dados de jogos da Electronic Arts (EA), com arquivos supostamente incluem o código-fonte de FIFA 21  e da engine Frostbite, que alimenta títulos como The Sims  e Battlefield . A EA confirmou que sofreu um ataque, mas garantiu que nenhum dado de jogadores foi obtido.

“Estamos investigando um recente incidente de intrusão em nossa rede, onde uma quantidade limitada de código-fonte de jogo e ferramentas relacionadas foram roubados”, afirmou a empresa em comunicado à imprensa. “Após o incidente, já fizemos melhorias na segurança e não esperamos nenhum impacto em nossos jogos ou negócios”, completa a nota.

Os hackers publicaram parte dos códigos em fóruns clandestinos. Nessas postagens, os criminosos afirmam que roubaram o código-fonte de FIFA 21 , bem como o código de seu servidor de matchmaking. Outras informações roubadas incluem estruturas proprietárias da EA e kits de desenvolvimento de software (SDKs) que agilizam a criação de jogos .

Você viu?

O objetivo dos criminosos é vender o pacote de dados. “Vocês têm capacidade total de exploração em todos os serviços da EA”, afirmam os hackers. “Estamos trabalhando ativamente com os encarregados da aplicação da lei e outros especialistas como parte desta investigação criminal em andamento”, reforçou a Electronic Arts.

Outras vítimas

No início de 2021, diversos dados da CD Projekt RED foram roubados por hackers, incluindo os códigos-fonte de Cyberpunk 2077  e a nova versão de The Witcher 3  que ainda deve ser lançada em 2021. Assim como no caso da EA, os arquivos chegaram a ser leiloados na  deep web  – e começaram a ser vazados na internet.

De acordo com o portal  Data Breaches , os hackers estão usando os dados roubados para promover o lançamento de um novo site de vazamentos. O grupo pretende – para quem fizer uma doação “ao fundo”, cuja meta é US$ 10 mil – tornar todos os materiais públicos e fornecer senhas de diferentes arquivos.

Ou seja, a organização vai enviar os arquivos, protegidos por senha, para os usuários que colaborarem com o fundo para a criação do novo site. Após a “doação”, os contribuintes recebem acesso aos ativos e ao código-fonte de jogos como Thronebreaker, The Witcher 3, The Witcher 3 RTX (nova versão para  PlayStation 5Xbox Series X/S ) e Cyberpunk 2077 para poderem usar os dados como bem entenderem.

Para provarem que realmente possuem todos os dados, o grupo liberou o kit de desenvolvimento de software dos jogos (SDK) para PS4 , PS5, XboxSwitch  sem a necessidade de senha. Além disso, os hackers afirmaram que outras informações como relatórios da empresa, NDAs, documentos de RH e semelhantes serão compartilhados com a imprensa, mas não divulgados de forma pública, “em breve”.

Comentários Facebook
Propaganda

TECNOLOGIA

Anatel lacra quase 10 mil produtos “piratas” do Mercado Livre

Publicados

em


source
Operação em centro de armazenagem do Mercado Livre
Divulgação/Anatel

Operação em centro de armazenagem do Mercado Livre

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) realizou a primeira ação de fiscalização nos centros de armazenagem e distribuição do Mercado Livre, de acordo com informações divulgadas pela própria agência nesta segunda-feira (25). A ação foi feita em conjunto com a Receita Federal do Brasil (RFB) e lacrou, ao todo, 9,8 mil produtos irregulares de telecomunicações.

Os dispositivos foram fiscalizados ao longo da última semana, e têm valor estimado de R$ 1,2 milhão. Mais de 80 categorias de produtos registraram irregularidades, como carregadores de celulares, baterias, TV boxes, fones de ouvido, relógios inteligentes, câmeras sem fio, roteadores e microfones sem fio.

Esta foi a primeira ação de fiscalização presencial da Anatel em centros de distribuição de redes varejistas online, e ocorreu após denúncias de fabricantes e vendedores de equipamentos oficiais. Os produtos considerados irregulares são aqueles que não passaram por homologação da Anatel, podendo ser falsos ou importados sem certificação. Ao todo, centros de armazenagem de seis cidades paulistas foram vistoriados: São Paulo, Barueri, Cajamar, Campinas, Guarulhos e Louveira.

De acordo com a Anatel, a homologação é necessária para garantir padrões mínimos de qualidade e segurança. A agência ainda recomenda que produtos irregulares sejam devolvidos pelos compradores.

“Essa ação de fiscalização foi um importante avanço no que tange ao combate à pirataria de produtos de telecomunicações. Empresas como o Mercado Livre trazem ao cidadão a sensação de regularidade em relação aos produtos vendidos em suas plataformas e é importante que essa confiança depositada na empresa pelos usuários de produtos de telecomunicações seja confirmada na prática”, disse o superintendente de Fiscalização da Anatel, Wilson Diniz Wellisch.

Leia Também

Wellisch ressaltou, porém, que o Mercado Livre tem feito um trabalho proativo. “É importante destacar a cooperação das equipes do Mercado Livre na identificação dos produtos em seus centros de distribuição. A empresa demonstrou uma postura proativa no sentido de auxiliar os agentes de fiscalização na verificação dos produtos comercializados. Além disso, no curso da ação de fiscalização, os representantes do marketplace procuraram a Anatel para aderir à estratégia de construção de ações para prevenção da publicação dos anúncios de produtos ou equipamentos irregulares em sua plataforma”, afirmou.

A reportagem entrou em contato com o Mercado Livre, que não retornou até o fechamento do texto. O espaço segue aberto.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana