AGRO & NEGÓCIO

Grão-de-bico: pesquisa online vai identificar hábitos de consumo dos brasileiros

Publicado


O Brasil tem reduzido a importação de grão-de-bico em função da produção nacional. Com isso, e mais as ações de incentivo ao consumo, implementadas pela Embrapa e parceiros, tem-se observado um aumento no consumo interno dessa leguminosa. Com base nessa nova realidade, a Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), com o apoio do Instituto Brasileiro do Feijão (Ibrafe), elaborou uma pesquisa para identificar se o aumento verificado na produção refletiu no consumo do grão pelos brasileiros. A pesquisa estará disponível no período de 1º a 10 de outubro e poderá ser acessada no endereço www.embrapa.br/pesquisa-grao-de-bico.

A ideia, de acordo com os idealizadores da pesquisa, é utilizar as informações como parâmetros na condução de ações de estímulo ao consumo. “Trata-se de um primeiro passo para conhecer o mercado e, de acordo com os resultados, empreender iniciativas que possam regular a oferta com a demanda, e que serviriam para estimular a inserção do grão-de-bico na dieta alimentar do brasileiro”, explica o analista Henrique Carvalho, chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia e responsável pela execução da pesquisa e tabulação de dados.

Entre as perguntas incluídas na pesquisa, o respondente vai encontrar questões como os hábitos de consumo, o grau de conhecimento acerca do grão-de-bico, as dificuldades encontradas para introduzir o grão na alimentação e, caso seja consumidor, com que frequência, como e onde costuma fazer uso do alimento. “As respostas vão nortear tanto as linhas a serem adotadas para motivar o consumidor, como municiar os trabalhos de pesquisas com informações sobre o nível de aceitação das cultivares desenvolvidas”, pontua Carvalho.

Esforço da pesquisa

O aumento da área plantada com grão-de-bico no Brasil apresenta estreita relação com as pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Hortaliças, que vem disponibilizando novas cultivares para a cadeia produtiva. Sem esquecer a oferta de sementes certificadas de alta qualidade – genética, física, fisiológica e sanitária – das cultivares BRS Aleppo, BRS Cristalino, BRS Toro e BRS Cícero,    realizada em fevereiro de 2020, que oportunizou aos produtores o cultivo de materiais testados e validados.

Com a aposta no aumento da produção plenamente ganha, o desafio agora é tornar o grão-de-bico ingrediente presente na mesa dos brasileiros, segundo o pesquisador Warley Nascimento que coordena os trabalhos de melhoramento com a leguminosa e também a pesquisa em pauta.

“Vamos discutir estratégias que favoreçam o aumento do consumo, tendo em vista a maior disponibilidade do grão nas prateleiras dos supermercados e demais pontos de venda, além de novas opções de consumo como farináceos e/ou produtos à base de proteína vegetal, daí a importância da pesquisa para servir de termômetro e fornecer indicativos para alcançar esse objetivo”, resume o pesquisador.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
publicidade

AGRO & NEGÓCIO

Trabalhos de acadêmicos são premiados na VI Jornada Científica da Embrapa Amapá

Publicado


Resultados de pesquisas foram apresentados por bolsistas e estagiários.

Durante o webinar de encerramento da VI Jornada Científica da Embrapa Amapá, na tarde da última sexta-feira, 23/10, foi anunciado o rankeamento dos 12 trabalhos de Iniciação Científica apresentados por bolsistas e estagiários vinculados a pesquisas de inovação tecnológica para os segmentos agropecuário e florestal do Amapá e Estuário Amazônico. A Comissão Científica avaliadora foi formada pela professora doutora Lúcia de Fátima Henriques Lourenço, da Universidade Federal do Pará (Presidente), e pelos professores doutores Alan Cavalcanti da Cunha e Caio Pinho Fernandes, ambos da Universidade Federal do Amapá (Unifap). As apresentações dos acadêmicos foram avaliadas com base nos critérios de clareza das informações, fundamentação teórica, análise dos resultados, entre outros.

O trabalho intitulado “Monitoramento da produção de frutos de castanheiras-da-amazônia nos anos de 2019 e 2020”, da bolsista Suellen Oliveira, conquistou o primeiro lugar na categoria oral. Aluna de Engenharia Ambiental da Universidade do Estado do Amapá (Ueap) e vinculada ao Programa de Iniciação Científica da Embrapa, financiado pelo CNPq, ela considera esta oportunidade uma fase rica da sua formação.  “A iniciação científica foi um divisor de águas na minha vida acadêmica, não só no incentivo na escrita científica, mas também me levando a conhecer outras realidades e comunidades tradicionais. Costumo dizer que a iniciação científica é um passo muito real para mostrar como será minha vida profissional”, destacou a bolsista. Seu estudo foi supervisionado pelo pesquisador Marcelino Guedes e o resumo do trabalho é assinado, além do orientador e da bolsista Suellen Oliveira, pelos acadêmicos Rafael Lucas Figueiredo de Souza, Ediglei Gomes Rodrigues e Thamires Viana Alves de Souza.  

Entre os premiados na categoria vídeo-pôster está a pesquisa “Comercialização e variação do preço do açaí produzido nas Ilhas do Pará e Araramã”, do acadêmico Gabriel dos Santos Madureira, aluno de Engenharia Florestal da Ueap. Ele assina o trabalho com Juliana Chagas Gurjão Nunes; Danielle Miranda de Souza Rodrigues; Ana Margarida Castro Euler; e Marcelino Carneiro Guedes, este último seu orientador no estágio pela Embrapa. “A Iniciação Científica me auxiliou positivamente na minha vida acadêmica e profissional, agregando conhecimento científico com conhecimento empírico, através das famílias tradicionais do estuário amazônico e das famílias da reserva extrativista”, destacou Madureira.    

 

Trabalhos apresentados na forma oral: avaliação do resumo escrito e da apresentação oral

• 1º Lugar

Monitoramento da produção de frutos de castanheiras-da-amazônia nos anos de 2019 e 2020 (Suellen Patrícia Oliveira Maciel; Rafael Lucas Figueiredo de Souza; Ediglei Gomes Rodrigues; Thamires Viana Alves de Souza; Marcelino Carneiro Guedes)

• 2º Lugar

Criação de insetos para pesquisa sobre controle biológico: Bactrocera carambolae e Fopius arisanus (Jhulie Emille Veloso dos Santos; Adriana Bariani; Cristiane Ramos de Jesus)

• 3º Lugar

Caracterização química de frutos de açaizeiros com perfil ao mercado (Jullie Nicole Jansen Siqueira; Valeria Saldanha Bezerra; Leandro Fernandes Damasceno; Silas Mochiutti)

 

Trabalhos apresentados na forma de pôster: avaliação do resumo escrito e da apresentação virtual

• 1º Lugar

Variabilidade genética em progênies de açaí branco (Ana Késsia Freitas de Matos; Gilberto Ken Iti Yokomizo; Rayane da Mota Rios)

• 2º Lugar

Comercialização e variação do preço do açaí produzido nas Ilhas do Pará e Araramã (Gabriel dos Santos Madureira; Juliana Chagas Gurjão Nunes; Danielle Miranda de Souza Rodrigues; Ana M. C. Euler; Marcelino Carneiro Guedes)

• 3º Lugar

Espécies florestais nativas prioritárias para produção de sementes e mudas no Amapá (Lara Vivares Veras; Henrique Nery Cipriani; Ana Margarida Castro Euler)

Esta programação fez parte da VI Jornada Científica da Embrapa Amapá, evento realizado de 19 a 23 de outubro repleto de conhecimento científico, com minicursos, apresentações de trabalhos de Iniciação Cientifica, mesa redonda sobre inteligência artificial, palestras e lançamentos de publicações. A sexta edição da Jornada Científica foi realizada totalmente em plataformas digitais devido à pandemia do novocoronavírus e necessidade de distanciamento social.

 

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana