turismo

Governo lança pesquisa de qualidade dos serviços de atrativos turísticos de Mato Grosso

Publicados

em

Tuiuiú no Pantanal | Foto: Marcos Bergamasco

O Governo do Estado, por meio da Secretaria Adjunta de Turismo (Seadtur), lança a Pesquisa Nacional de Avaliação da Qualidade dos Serviços Turísticos de Mato Grosso, que será realizada pelo Observatório da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec-MT) em parceria com a Rede Brasileira de Observatórios de Turismo e o Protocolo Tourqual, de 22 de setembro de 2021 a março de 2022.

A pesquisa voltada aos visitantes pretende avaliar a qualidade dos serviços prestados em atrativos e destinos turísticos mato-grossenses.

Para participar da consulta online, o turista terá que acessar o questionário via QRCode em posts que serão disponibilizados no pólo Pantanal, em Poconé no Sesc Pantanal, Aymara Lodge e Santa Rosa Pantanal e em Barão de Melgaço, na Pousada do Rio Mutum. No pólo turístico do Cerrado, em Rosário Oeste, no Parque Sesc Serra Azul; Chapada dos Guimarães, no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães e Nobres, no Reino Encantado; No pólo Araguaia a pesquisa pode ser feita em Barra do Garças, no Parque Estadual da Serra Azul e Fazenda Recanto da Serra; e em Nova Xavantina, na Cachoeira da Saudade. No pólo Amazônia, as questões podem ser respondidas em Guarantã do Norte, no Rancho Serra do Cachimbo e na cidade de Alta Floresta no Teles Pires Lodge e Cristalino Lodge.

Efeitos da pandemia

Conforme levantamento disponibilizado pelo Observatório do Desenvolvimento sobre o fluxo turístico do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (ICMBio), entre janeiro e agosto de 2021, o Parque recebeu 38.498 visitantes. Sendo que, a Cachoeira Véu de Noiva foi responsável por mais de 82% das visitas, seguido pela Cidade de Pedra, com 9,4% e Rio Claro, correspondeu a 5,6% de participação.

Entretanto, o número foi bem inferior ao de 2019, que fechou o ano com a passagem de mais de 183 mil turistas pelo local. Nos três anos anteriores foi detectado um crescimento acumulado de 15,3%, entre 2016 e 2019.

De acordo com o secretário Adjunto de Turismo, Jefferson Moreno, a baixa circulação de turistas no parque nacional e nos pontos turísticos do Estado neste ano ainda é consequência da pandemia do coronavírus, que ele acredita que deve ser revertida em breve. “Assim como em todo o Brasil, o turismo de Mato Grosso tem sentido a ausência dos visitantes, constatamos isso no parque nacional por meio de pesquisa, e em outros pólos turísticos mato-grossenses com a redução visível de turistas, mas aos poucos estamos percebendo os visitantes voltar e acreditamos que o ritmo normal será retomado em curto espaço de tempo. Temos muitas atrações no Estado, são cachoeiras, grutas, cânions, cavernas, trilhas, casarões antigos, turismo de aventura, pesca esportiva, enfim, são diversas as belezas naturais e atrativos”, enfatiza Moreno.

Alavancagem

Um exemplo da recuperação do setor é o aumento do volume de desembarques nos quatro principais aeroportos mato-grossenses que teve saldo positivo de 11 mil a mais que no ano anterior, conforme levantamento do Observatório do Desenvolvimento disponível no site da Sedec.

As informações identificadas por meio das pesquisas são utilizadas para a criação de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento do Turismo no Estado.

 

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

O que fazer em Recife? Influencer dá dicas para aproveitar cultura e culinária

Publicados

em


source
Sofia Santino indica os melhores lugares para visitar e comer em Recife; na foto, Sofia está no Marco Zero
Reprodução/Instagram

Sofia Santino indica os melhores lugares para visitar e comer em Recife; na foto, Sofia está no Marco Zero

Recife é um dos principais pontos turísticos de Pernambuco  e sempre se destaca na lista de destinos desejados de quem quer explorar praias maravilhosas, cultura muito rica e diversificada e comida boa — a cidade é considerada o terceiro pólo gastronômico do Brasil. Com tantas opções sobre o que fazer em Recife, escolher os pontos que não podem faltar pode ser uma tarefa difícil.

A influenciadora digital Sofia Santino, seguida por 2,5 milhões de pessoas no Instagram, é de Recife e se mudou para São Paulo há três anos. Para matar a saudade de casa, ela deu dicas de lugares que podem (e devem!) ser priorizados em uma viagem para Recife.

O iG Turismo já deu algumas dicas sobre o que fazer em Recife , além de onde ficar e o que comer e fala sobre as belezas naturais e pratos típicos da cidade. Porém, Sofia dá foco aos pontos turísticos menos mencionados nos principais roteiros de viagem, mas que merecem reconhecimento pela beleza e valor histórico. Além de cinco pontos turísticos imprescindíveis, ela indica cinco restaurantes para provar o melhor da gastronomia recifense.

O que fazer em Recife?

Praça do Marco Zero

A Praça Rio Branco, muito mais conhecida no Brasil todo como Marco Zero, registra o exato local em que a cidade passou a existir. “Todas as distâncias da cidade são calculadas desse local. O Marco Zero faz muito sucesso e é um lugar lindo, é histórico”, conta Sofia.

Por ser um espaço público, a influenciadora explica que é uma região bastante movimentada no quesito cultural, principalmente durante o Carnaval. No entanto, é comum que em todos os períodos do ano que o local receba manifestações artísticas. O Marco Zero também é buscado por proporcionar vistas privilegiadas da cidade, principalmente em relação ao contraste entre a cidade antiga e a nova. Para quem gosta de compras, também é ali onde fica o Mercado de Artesanato.

Rua do Bom Jesus

Para Sofia, é um ponto turístico que não pode deixar de ser conhecido. “A rua fica próxima do Marco Zero e é apaixonante. É uma rua bem importante para a cidade e é, inclusive, considerada a terceira rua mais bonita do mundo”, explica a influenciadora. A lista da Architectural Digest que colocou a via pública neste posto afirma que a beleza da rua está na vista dos casarões coloridos, arrematados pelas altas palmeiras e pelo chão de pedras.

A rua foi inaugurada em 1870, sendo considerada a mais antiga da cidade. Essa impressão permanece até hoje, já que a Rua do Bom Jesus manteve a mesma característica ao longo do tempo, teletransportando os visitantes de volta para o século 19. Até mesmo o trilho do bonde foi mantido, aflorando ainda mais a aura antiga do lugar.

Sofia conta que, aos domingos, a rua recebe uma feira de artesanatos em que artesãos expõem trabalhos manuais e outras tendas vendem comidas típicas. “É muito interessante e bonito. É um local para fazer um passeio em família, porque além do ambiente turístico também tem muito o que se fazer por lá”, ressalta.

Castelo de Brennand

Inaugurado em 2002, o Instituto Ricardo Brennand, ou simplesmente Castelo de Brennand, é um dos principais museus do Brasil. A instituição chegou a ser eleita como o melhor museu da América do Sul.

Além de ser um monumento importante para a história recifense, Sofia explica que traz uma visão diferente da cidade. “Quando você entra naquele ambiente parece que você está na Europa. É a sensação que todo mundo fala quando chega lá devido às palmeiras imperiais gigantes e a estrutura do castelo em si”, diz.

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

O acervo do museu é considerado um dos maiores de armas brancas no mundo, expondo mais de 3 mil peças originárias da Europa e da Ásia, algumas provenientes desde o século 16. Também estão em exposição 27 armaduras, a maior coleção mundial do pintor holandês Frans Post, conhecido por registrar paisagens brasileiras, bonecos de cera e uma biblioteca com mais de 60 mil livros, sendo alguns deles bem raros.

Leia Também

A entrada para o Castelo de Brennand custa R$ 32, no caso da inteira, e R$ 16 meia. Crianças de até 7 anos não pagam.

Paço do Frevo

O frevo é uma das expressões artísticas nativas de Pernambuco e marca fortemente a cultura da cidade. Para preservar e homenagear o ritmo, foi fundado em 2014 o Paço do Frevo, que Sofia define como o local ideal para conhecer a história do ritmo. “O frevo traz a identidade e a alegria do nosso Carnaval. É um museu superinteressante por trazer essa cultura de forma diferente mesmo para pessoas que já o conhecem”, indica a influenciadora.

Além de ser um centro de referência de ações, o prédio também expõe diversas documentações históricas e promove atividades sobre o ritmo. Todos os espaços arquitetônicos do prédio são adornados com as cores fortes das sombrinhas e dos trajes da dança, como vermelho, verde, amarelo e azul. A entrada para o Paço do Frevo é R$ 8, a inteira, R$ 4, a meia, e gratuita às terças-feiras.

Mercado de São José

Ao contrário de outros grandes mercados pelo Brasil, o Mercado de São José não é público, mas vale a pena a visita tanto pela estrutura arquitetônica construída em 1875 como pela riqueza em produtos artesanais e peças culturais, o que ela considera a riqueza do local.

Sofia explica que a palha é a principal matéria prima das peças à venda, como chapéus e bolsas. Também é possível encontrar bonecos de barro. “Tem também objetos mais regionais, como sandálias e bebidas típicas, e coisas para presentear, como souvenirs”, explica.

Turistas que gostam de degustar frutos do mar e peixes vão apreciar a área das pescadas, onde existem alguns bares. No entanto, Sofia alerta para o cheiro forte, que pode não ser muito agradável para uma permanência longa.

Onde comer em Recife?

Reteteu

“O Reteteu é aquele restaurante pequenininho que fica no quintal de uma casa com árvores. É um ambiente superarborizado e gostoso”, começa Sofia. “É aquele restaurante para conversar e comer, decorado com madeira e azulejos mais antigos. Ele traz elementos da cultura de forma natural, nada de forma exagerada”, continua.

A influenciadora diz que o cardápio transparece para o visitante o sabor nordestino de forma menos típica, mas principalmente no tempero dos pratos. Além do menu saboroso e diversificado, a casa também tem uma boa carta de bebidas e sobremesas. A faixa de preços vai de R$ 25 a R$ 89.

Tio Pepe

Sofia explica que o restaurante também proporciona uma forte atmosfera caseira, o que torna a experiência ainda mais aconchegante. O cardápio apresenta tanto comidas típicas como pratos mais sofisticados, que incluem carne de sol, picanha e peixes grelhados. “O Tio Pepe tem um ambiente bem legal, com diferentes objetos regionais e uma proposta diferente”, aponta. O local é mais indicado para almoço e jantar, mas, em alguns dias da semana, são oferecidos cafés da manhã.

Rota do Mar

Com atendimento de sexta a domingo, o restaurante é perfeito para quem quer degustar caranguejos, risotos de camarão e drinks refrescantes à beira do mar da Praia do Paiva. A localização é bem próxima de Jaboatão dos Guararapes, ao sul de Recife. “O Rota do Mar traz uma vibe mais natureza, o que torna tudo mais legal. É como se fosse um píer”, explica.

Bode do Nô

Com cardápio típico formado principalmente por opções de carne, o Bode do Nô também tem opções acessíveis como massas e pizzas. Sofia explica que o local tende a receber música ao vivo. O local é muito indicado para happy hours e para saída entre amigos. A faixa de preço do local varia de R$ 45 a R$ 100.

Pina Cocktails

Para quem quer curtir a vida noturna recifense, Sofia indica uma visita ao Pina Cocktails, considerado como um dos melhores bares da cidade. “É ideal para quem quer apreciar drinks diferentes, uma ótima opção para aproveitar a noite”, diz a influenciadora. Além da carta de drinks, o estabelecimento também oferece opções de petiscos sofisticados e saborosos.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana