mato grosso

Governo do Estado dá ordem de serviço para projeto de gasoduto no Distrito Industrial

Publicados

em


O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Companhia Mato-grossense de Gás (MT Gás) e MT Par, deu ordem de serviço nesta quarta-feira (03.03) à empresa Lima e Torres Engenharia para o início do projeto executivo do gasoduto no Distrito Industrial de Cuiabá. O projeto deve estar finalizado em três meses e, então, será realizada a licitação para a obra do duto, que deverá ser concluída no final do próximo ano.

Estão sendo investidos R$ 713 mil no projeto da obra do gasoduto e o MT Par é responsável pela licitação e pelo acompanhamento e fiscalização da execução do mesmo. A previsão é que sejam investidos cerca de R$ 13 milhões na obra.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, este é um grande sonho dos empresários do Distrito Industrial. “Essa matriz energética vai possibilitar uma grande economia e, consequentemente, muitas atividades econômicas poderão ser melhoradas e impulsionadas. Pela primeira vez, Mato Grosso tem um contrato firme de gás com a Bolívia e, desta forma, conseguimos dar segurança de fornecimento aos empresários e atraímos mais investidores”, afirma.

O início do projeto do gasoduto chega em um excelente momento, segundo Margareth Buzetti, presidente da Associação dos Empresários do Distrito Industrial de Cuiabá (Aedic).

“É uma fonte de energia mais barata e dá opção para as empresas do Distrito. Hoje, a redução de custos é vital para as indústrias e, tendo alternativa, consegue também atrair mais empresas, o que é importante para a região”. Atualmente, 260 empresas estão sediadas no Distrito Industrial de Cuiabá e, entre elas, estão cerca de 70 indústrias que podem ser beneficiadas com o gás natural.

De acordo com informações a Companhia Mato-grossense de Gás (MT Gás), a empresa vencedora da licitação deve entregar em 45 dias o projeto básico para o termo de referência para início de licitação da obra, com análise de solo, traçado do duto, pressão e intercorrências.

“A partir daí, vem o projeto executivo e, posteriormente, a obra propriamente dita. O gasoduto tem um ramal inicial de 27,5 quilômetros para atender a demanda de 3 milhões de metros cúbicos ao mês em três a cinco anos, podendo chegar a 6 milhões de metros cúbicos mensais de consumo mensal”, afirma Rafael Reis, presidente da MT Gás.

O presidente do MT PAR, Wener Santos, lembrou que a sua equipe está à disposição para fazer parcerias. “Por se tratar de uma empresa do Governo, é mais fácil, é mais rápido, e menos burocrático. Estamos prontos para trabalhar em todo e qualquer projeto para o bem do Estado de Mato Grosso, gerando emprego e desenvolvimento, pois esse é o nosso principal papel”, disse.

O deputado estadual Carlos Avallone reforçou que este é um sonho antigo dos empresários da região. “Agradeço a determinação e competência do governador Mauro Mendes por fazer esta obra que aguardamos há anos, é um sonho de muitos governos e agora está sendo realizada”. Para o deputado estadual Wilson Santos este é um dia histórico: “Vai dar competitividade às indústrias de Cuiabá e já sugiro fazermos extensões em outras cidades para descentralizar a industrialização”. Já o deputado estadual Dilmar Dal Bosco disse que é “hora de fazer esta obra e dar tecnologia para nossos empreendedores”.

Participaram da reunião equipes técnicas da MT Gás, da MT Gás, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que fez o levantamento da demanda por gás natural no Distrito Industrial, diretoria da Aedic e empresários da região.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

mato grosso

STJ atende recurso do Governo de MT e mantém competência da Vara Especializada da Saúde Pública

Publicados

em


O ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), acolheu questão de ordem proposta pelo Governo de Mato Grosso para manter a Vara Especializada da Saúde Pública do Estado como unidade para julgar e processar casos afetos à saúde pública. 

A decisão é do dia 14 de abril e determina que os processos ajuizados pelas partes originariamente na 1ª Vara Especializada da Fazenda Pública da Comarca de Várzea Grande continuem tramitando normalmente. 

No recurso, o Governo de Mato Grosso solicitou esclarecimento sobre a extensão de uma medida liminar.

Conforme o ministro, somente as ações que não eram originárias na Vara da Saúde devem ser redistribuídas. “Não há qualquer determinação na medida liminar no que tange aos processos ajuizados pelas partes originariamente na 1ª Vara Especializada da Fazenda Pública da Comarca de Várzea Grande/MT, os quais, portanto, poderão prosseguir normalmente no referido juízo, até determinação ulterior”, escreveu Og Fernandes, em trecho da decisão. 

O ministro estabeleceu, ainda, a imediata suspensão dos processos sobre o tema que estejam em tramitação ou propostos nas várias comarcas e juizados especiais do Estado, até que o  Incidente de Assunção de Competência seja julgado em definitivo, caso o fundamento, expresso ou implícito, seja ato administrativo do TJMT, independentemente da matéria ou dos sujeitos envolvidos.

O STJ determinou, por fim, que os feitos redistribuídos com fundamento nessa norma retornem temporariamente aos juízos de origem, inclusive no que diz respeito ao julgamento de mérito.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana