cultura

Gestantes atendidas pelo SUS terão assistência de artistas e psicóloga em Cuiabá

Publicados

em

Para quem traz uma criança ao mundo, a gestação pode ser encarada como um processo de “passagem”. Um momento de intensas transformações no corpo, nas emoções e nas rotinas de muitas mulheres mães. Mas nem sempre essa passagem precisa – e nem deve – ser solitária: as doulas, por exemplo, são aquelas que têm a tarefa de “dar as mãos” durante a travessia.

Doulas dão suporte físico e emocional a gestantes, possibilitando a existência de um parto mais humanizado. Mas esse também pode ser um papel genuíno da arte; não à toa, ela é uma das principais ferramentas de trabalho dessas profissionais, funcionando como um “elemento condutor”.

“Há doulas que fazem a pintura corporal, entendendo a barriga como um lugar de beleza e sacralidade; outras que se dedicam a fazer o carimbo da árvore da vida com a placenta depois que o bebê chega. No puerpério, transformar as vivências do pós-parto em elementos de narrativa. Então são sempre caminhos muito atravessados pela arte”, explica Daniela Monteira, artista, doula, mãe de três filhos e membro da Associação de Doulas do Mato Grosso, a ADOMATO.

Daniela é proponente de um projeto que une artistas, doulas e uma psicóloga para amparar 20 gestantes e recém-mães atendidas pelas Unidades de Saúde da Família (USF) dos bairros Jardim Industriário e Pedra 90, em Cuiabá. Com o ‘Ateliê Gestando Artes’, as profissionais ocuparão um espaço no Jardim Industriário, e ofertarão oficinas artísticas e terapêuticas, todas às quartas-feiras e sábados, entre os dias 24 de fevereiro e 17 de abril.

Vale ressaltar, crianças são bem-vindas e terão a assistência necessária para que suas mães possam realizar as atividades, que acontecem com todos os cuidados necessários contra o contágio da Covid-19. As vagas são limitadas e as atividades acontecerão em área externa e ventilada. A equipe distribuirá máscaras, fará medição de temperatura e o local terá álcool em gel à disposição. Informações sobre a possibilidade de vagas pelo número (65) 99297-5205.

Também integram a programação rodas de conversas conduzidas pelas doulas da ADOMATO, que é parceira do projeto e levará informações importantes sobre o processo de gestação e os direitos da gestante. Essa atividade será aos sábados, nos dias 6 e 20 de março, 03 e 17 de abril, e não tem necessidade de inscrições.

“Chegar dentro do bairro e das comunidades é trazer essa discussão para mulheres atendidas pelo SUS. Hoje temos políticas públicas caminhando, mas ainda precisamos cumprir com esse requisito principal da humanização, que é deixar o protagonismo acontecer onde ele tem que acontecer, centrado em quem está parindo e não em quem está dando assistência”, destaca Daniela.

‘Ateliê Gestando Artes’ é financiado pela Lei Aldir Blanc, por meio do Edital MT Nascentes, realizado pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel).

Oficinas artísticas e terapêuticas

Daniela Monteiro dará início à programação com as oficinas de pintura, nos dias 24 de fevereiro e 03 de março. Na vida da artista plástica, que também é mestre em biologia, arte e a doulagem caminham juntas, da mesma forma que a gestação e o parto aparecem em suas pinturas.

“Foi no caminho da gestação que acabei retornando para um lugar abandonado, o espaço do fazer artístico. E essa retomada veio junto também com a minha formação de doula. Hoje também levo as tintas para passear pelas barrigas e carimbos de placenta”, conta.

A programação segue com a artista e pedagoga Alice Pereira, que realiza duas oficinas de manualidades (10 e 17/03) com as gestantes. Nas duas semanas seguintes, a artista Thaís Magalhães soma com as oficinas de modelagem em argila (24 e 31/03). Já a fotógrafa Ju Queiroz ensina técnicas de auto-retrato (07 e 14/03).

“A ideia é de que a gente torne esse momento de passagem da gestação mais significativo e vivido em sua plenitude. Para isso, também precisamos aparar arestas das desinformações que acumulamos nos processos sociais e culturais, lapidar questões estruturantes do patriarcado e mergulhar nas emoções que atravessam esse momento”, explica Daniela.

É por isso que, aos sábados, as rodas de conversa com a ADOMATO serão intercaladas com uma atividade de escuta terapêutica, também chamada de “oficina da palavra”, realizada pela psicóloga e atriz Thaísa Soares. Nessa atividade, ela explica que a arte será um meio das participantes chegarem à palavra como modo de expressão.

“A gente vai utilizar alguns processos artísticos simples e acessíveis para que elas [as gestantes] encontrem maneiras de expressar coisas que às vezes ficam mais difíceis. Medos, angústias, desejos, dúvidas. É um modo, um momento, um espaço muito livre para que elas possam falar e ser escutadas”, explica Thaísa.

Para a psicóloga, a escuta terapêutica é também um “lugar” de protagonismo. “Nos interessa muito que todas possam falar para compartilhar experiências e pensar em maneiras de lidar com diversas situações. É o momento de reconhecimento, em que a gente olha para as singularidades, em como cada uma passa por um momento que é comum. Isso faz toda a diferença na promoção da saúde mental”, complementa.

No último dia, 17 de abril, o encerramento do ‘Ateliê Gestando Artes’ terá exposição das obras e fotografias realizadas pelas gestantes durante o processo de criação das oficinas, das 13h às 19h. Nesse dia, a entrada também será controlada, com limitações e medidas de segurança devido a pandemia.

A programação completa pode ser acompanhada pelas redes sociais, no Facebook (facebook.com/ateliegestandoarte) e Instagram (@ateliegestandoarte).

Serviço

Projeto Ateliê Gestando Artes

Data:  24 de fevereiro a 17 de abril

Horário de funcionamento: oficinas, escuta terapêutica e roda de conversa das 8h às 10h ou das 15h às 17h, e exposição das 13h às 19h

Endereço: Av. 30, qd. 23, casa 15, Bairro Jardim Industriário I

Mais informações: (65) 99297-5205 (WhatsApp) ou [email protected]

Facebook: www.facebook.com/ateliegestandoarte

Instagram: www.instagram.com/ateliegestandoarte

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

cultura

Campanha de financiamento coletivo “Museu de Arte Sacra 3D” entra na reta final

Publicados

em

Segue aberta até segunda-feira (01.03) a campanha de financiamento coletivo Museu de Arte Sacra 3D. A ação, que visa fabricar peças do acervo em tecnologia 3D para garantir experiência sensorial a deficientes visuais e a crianças, arrecadou até agora 87% do valor necessário para sua efetivação.

O projeto do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso foi aprovado pelo edital de patrimônio cultural do Banco Nacional do Desenvolvimento  (BNDES).  A cada R$ 1,00 arrecadado, o Banco investe mais R$ 2,00 – triplicando o valor. Mas para assegurar a execução total, é necessário atingir a meta de R$ 126 mil arrecadados.

“É tudo ou nada. A intenção é  assegurar acessibilidade para que os deficientes visuais e crianças tenham uma experiência sensorial tocando as réplicas. Para isso, contamos com o apoio da população nessa reta final, pois precisamos alcançar a meta estipulada pelo BNDES”, explica Viviene Lozi, diretora do Museu.

Com essência do ganha-ganha, quem colabora recebe uma recompensa de acordo com o valor depositado. As colaborações vão de R$ 20 a R$ 5 mil, com kits de retribuição contendo box de cartões postais, canecas, camisetas, gravuras, lumintárias dentre outros itens.

Os recursos serão usados para compra dos materiais de fabricação, pagamento de equipe, prestadores de serviços, recompensas e custos administrativos.  Para apoiar, basta acessar o site www.benfeitoria.com/museudeartesacra3d.

A produção das obras em 3D será feita pelo Laboratório de Arquitetura e Urbanismo da UFMT (LAB.AU/FABLAB) que irá trabalhar com diversas ferramentas contemporâneas, incluindo as impressoras. As artes das recompensas têm o apoio do artista plástico e arquiteto Carlos Pina e do professor Mauricio Oliveira, do LAB.AU/UFMT.

Para as pessoas jurídicas que apoiam o projeto, a campanha oferece ainda o selo de ‘Empresa amiga do Museu’.

“Nós temos um painel na entrada do museu com as marcas das empresas que nos apoiarem. Ampliaremos a divulgação delas em nossos canais de comunicação e em futuras exposições. É uma visibilidade positiva essa associação da marca com a cultura e a inclusão”, destaca Viviene.

O Museu de Arte Sacra de Mato Grosso 

O Museu é um dos equipamentos culturais da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) e está localizado na Praça do Seminário,  bairro Dom Aquino, na capital.  Seu acervo reúne peças remanescentes de algumas igrejas de Cuiabá, como da antiga Catedral do Senhor Bom Jesus de Cuiabá demolida em 1968. O espaço também abriga objetos, documentos e publicações de Dom Aquino Corrêa e registros do Santo Papa João Paulo II em sua passagem por Cuiabá, além de exposições transitórias.

Serviço

Campanha de arrecadação Museu de Arte Sacra 3D

Prazo: até 1º de março

Site para colaborar: benfeitoria.com/museudeartesacra3d

Contatos: (65) 3056-1373 | (65) 99965-0319 | [email protected]

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana