Saúde

França suspende milhares de profissionais de saúde não vacinados

Publicados

em


source
O presidente francês Emmanuel Macron
Reprodução: iG Minas Gerais

O presidente francês Emmanuel Macron

vacinação contra a covid-19 passou ser obrigatória na França nessa quarta-feira (15) e foram suspensos de suas funções todos os profissionais de saúde que não estejam vacinados e se recusem a tomar um imunizante. A medida, que abrange 2,7 milhões de pessoas, mas conta com forte oposição de uma minoria, surge depois de, em alguns países da Europa e nos Estados Unidos (EUA), serem fortes e ruidosos os movimentos antivacinas.

Até ontem, para continuar a trabalhar, todos os profissionais de saúde – de hospitais, de lares de idosos, cuidadores informais, bombeiros, condutores de ambulâncias – tinham de ser inoculado com, pelo menos, uma dose da vacina contra o novo coronavírus. Dois meses após o ultimato do presidente francês, Emmanuel Macron, uma minoria significativa não se vacinou contra o SARS-CoV-2.

“Cerca de 3 mil notificações por suspensão foram enviadas ontem aos funcionários dos centros de saúde e clínicas que ainda não foram vacinados”, disse Olivier Veran à rádio RTL.

De acordo com o ministro francês da Saúde, “dezenas de profissionais” demitiram-se, em vez de aceitar o imunizante.

Alguns médicos, enfermeiros e até cuidadores têm recusado a vacina devido a questões éticas pessoais ou por razões tradicionais, como a crença de que possam existir efeitos secundários graves, embora esses nunca tenham sido confirmados cientificamente. Há também aqueles que discordam da necessidade de medidas de saúde pública para conter a pandemia ou ainda quem tenha dúvidas específicas sobre as vacinas.

Mas agora, quem se recusar a tomar é suspenso, fica sem salário e pode mesmo vir a ser despedido. Segundo o ministro, “grande parte dessas suspensões são apenas temporárias” e estão associadas “principalmente ao pessoal dos serviços de apoio”, não tanto médicos ou enfermeiros.

“Muitos deles decidiram vacinar-se, visto que passou a ser obrigatório”, mas houve dezenas de demissões nesta fase.

“Estamos muito longe dos números de 200 mil a 300 mil trabalhadores da saúde que poderiam ser afastados, segundo algumas fontes, da assistência médica ou de lares e infraestruturas de apoio a idosos por serem contrários à vacinação.

Quem não justificar a recusa da vacina, uma contraindicação ou contaminação recente, “não pode mais exercer a atividade”, de acordo com a lei publicada em 5 de agosto.

Em julho, Macron estabeleceu o prazo até 15 de setembro para que todos os profissionais de saúde recebessem pelo menos a primeira dose de uma vacina, sob pena de suspensão sem remuneração. Apesar do ultimato, milhares de profissionais de saúde continuam sem a vacinação completa, o que tem levantado questões acerca da sobrevivência do sistema de saúde.

O crescimento de movimentos antivacinas na França e em outros países, como os Estados Unidos e o Reino Unido, levou o governo francês a adotar a medida.

De acordo com o último relatório das autoridades, divulgado em 7 de setembro, pouco mais de 88% dos prestadores de cuidados em hospitais e lares receberam pelo menos uma dose e quase 94% entre os profissionais independentes. Ou seja, cerca de 12% dos funcionários hospitalares públicos e 6% dos profissionais de consultórios privados ainda não tinham sido vacinados.

Veran afirmou, contudo, que “a continuidade do atendimento está assegurada”.

Leia Também

O ministro da Saúde fez, por outro lado, um apelo para que todas as pessoas que recebem a vacina contra a gripe todos os anos (entre 17 milhões e 18 milhões de pessoas) venham a receber uma terceira dose contra a covid-19.

“Essa terceira dose é necessária” porque essas pessoas têm um sistema imunológico mais frágil, explicou.

Sindicatos

Na terça-feira (14), profissionais de saúde da França manifestaram-se contra a medida, ameaçando uma greve geral nas próximas semanas.

“Há muitas pessoas contra, portanto acho que estamos prontos a passar para uma greve geral”, disse Coralie, enfermeira que se manifestou em frente ao Ministério da Saúde e da Solidariedade em Paris.

Coralie trabalha em um hospital nos arredores da capital francesa e teme como o seu serviço vai funcionar, já que os colegas não vacinados não vão poder trabalhar, o que considera uma situação insustentável.

“Caso essas pessoas sejam retiradas de funções, vai sobrar para nós, as pessoas que se vacinaram devido à pressão das hierarquias, e os pacientes vão demorar ainda mais a ser atendidos”, afirmou.

A vacinação não é só obrigatória para todos os que trabalham nos hospitais, incluindo pessoal administrativo, mas também em todos os lares, unidades de cuidados continuados, centros de saúde, assim como estudantes na área da saúde que vão a essas unidades, além de bombeiros e militares com missões civis.

“Conheço colegas a quem isso vai acontecer, não vão ter salário a partir de amanhã. Mas, por outro lado, vão fazer falta nos hospitais. Temos cada vez menos gente trabalhando”, disse Thierry, que trabalha na cozinha de um hospital em Villejuif, nos arredores de Paris.

Para a CGT, uma das maiores centrais sindicais da França, a medida serve para “esconder” a falta de investimento na saúde, mesmo em tempos de pandemia, e gerar a desconfiança da população nos profissionais do setor.

“O problema não é a vacinação, o problema é que querem nos estigmatizar e apontar o dedo, dizendo que nós contaminamos as pessoas. Assim, não falamos dos verdadeiros problemas: a falta de pessoal e o orçamento reduzido da saúde”, afirmou  Asdine Aissiou, secretário-geral da CGT no hospital Pitié-Salpêtrière.

Aissiou afirmou ainda que as negociações com o governo estão completamente “fechadas”, não havendo margem de manobra para rever a medida. Para ele, resta agora “levar a cabo uma ação que ainda não colocamos em prática”, dando a entender que a greve pode ocorrer em breve.

Na França, têm ocorrido várias manifestações em vários pontos do país, sendo muitas delas à porta de hospitais e outras infraestruturas ligadas à saúde.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Pfizer vai pedir à Anvisa uso de vacina em crianças de 5 a 11 anos

Publicados

em

 

A Pfizer informou que deve submeter pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aprovação do uso da sua vacina contra a covid-19, a ComiRNAty, em crianças entre 5 a 11 anos no mês de novembro deste ano.

Conforme divulgou a Reuters, a vacina da Pfizer/BioNTech apresentou 90,7% de eficácia contra o novo coronavírus em um ensaio clínico com crianças de 5 a 11 anos, informou a farmacêutica norte-americana na sexta-feira (22).

Atualmente, a vacina da farmacêutica tem autorização da Anvisa para ser aplicada em adolescentes com 12 anos ou mais. Sua aplicação para jovens de 12 a 15 anos foi autorizada no mês de junho deste ano pela agência sanitária.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana