BRASIL E MUNDO

Fotógrafo que acompanhava casal relata afogamento no Buraco Azul

Publicados

em


source
Buraco Azul, atração turística do município de Cruz, mesma região de Jericoacoara
Reprodução – 22.03.2022

Buraco Azul, atração turística do município de Cruz, mesma região de Jericoacoara

O fotógrafo que acompanhava o casal Uilgner Rodrigues e Bianca Carvalho em passeio a Jericoacoara publicou nas suas redes sociais um relato do afogamento do homem . Identificado como Gleison Fotos Jeri, ele contou que, desde o início do passeio, os dois se mostraram muito empolgados com a viagem, além de serem muito simpáticos.

“A gente começou fazendo fotos naqueles balanços, bem famosos, em formato de coração. Fiz primeiro da Bianca, depois fiz dos dois. Ele estava até querendo curtir mais, ficar de boa, depois a gente terminou. Ele falou que queria nadar até a plataforma. A gente perguntou a ele se ele sabia nadar, porque era fundo. Depois de um tempo, a Bianca viu que ele pediu socorro” contou o fotógrafo. “Eu peguei a jangada do pessoal que tava fazendo foto pra tentar chegar lá. O bombeiro chegou bem antes, jogou a boia (…). O salva-vidas chegou a tocar nele, pra segurar ele, mas deixou escapar.”

Segundo o relato de Gleison, várias pessoas começaram a ajudar, mas a chuva que começava a cair atrapalhou as buscas. Após o afogamento, ele chegou a ficar 30 minutos debaixo d’água, de acordo com testemunhas, que também criticaram a estrutura do local para realizar resgates. O responsável por um helicóptero de passeios turísticos ainda foi hostilizado por visitantes porque, num primeiro momento, teria se negado a levar o rapaz ao hospital mais próximo.

Nas redes sociais, Bianca, companheira de Uilgner, expôs a dor que está sentindo com a morte. Publicações dos dois juntos, horas antes da tragédia, ainda estão vivas em sua página; como uma foto onde os dois posam romanticamente em frente ao Buraco Azul.

“Estou sem chão, amor”, escreveu. “Por que, meu Deus? como eu volto sem você?”. O perfil do rapaz também recebeu várias homenagens de amigos e parentes.

Em nota divulgada, a Buraco Azul Caiçara, que administra o empreendimento, afirmou que a equipe de segurança aquática do restaurante realizou de forma imediata todo socorro e atendimento à vítima de afogamento, mas que infelizmente Uilgner Rodrigues veio a óbito. A empresa também destacou que a companhia que vende passeios de helicóptero dentro do Buraco Azul não pertence e não tem nenhum vínculo com a atual administração do restaurante, e que a mesma usa somente o terreno como heliponto e venda de passeios.

Leia Também

ator Bruno Miranda, conhecido por ter interpretado o personagem Borat no programa Amor e Sexo, da TV Globo, estava no local e é uma das pessoas que narra que o rapaz ficou muito tempo debaixo d’água. De acordo com Bruno, apesar de a água no Buraco Azul ser da cor azul-turquesa , ela não é cristalina e, portanto, a visibilidade é muito baixa. Ele, que junto com outros visitantes ajudou na procura , criticou o fato de que não havia um carro preparado para prestar possíveis socorros e afirmou ainda que os dois salva-vidas que participaram do resgate não contavam com equipamentos como um cilindro de oxigênio.

Miranda chegou a afirmar que foi ameaçado por uma empresa de turismo:

“Me mandaram uma mensagem por Direct. Já mandei para o meu advogado para tomar as medidas possíveis. Não vou mudar minha viagem, não vou voltar e não vou embora por causa disso. Me falaram para eu ir embora hoje que era melhor para mim e que sabiam a pousada em que eu estava” disse.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará afirmou que a Polícia Civil investiga o caso e colhe depoimento de testemunhas da morte do rapaz. A vítima, esclarece a pasta, foi socorrida por terceiros e encaminhada para uma unidade de saúde, mas não resistiu. Equipes da Polícia Militar do Ceará (PMCE) e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) também acompanharam a situação. O caso é apurado  pela Delegacia Municipal de Cruz.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Delegado da Polícia Federal pede apreensão do celular de Aras e Guedes

Publicados

em

Procurador-geral da República, Augusto Aras
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Procurador-geral da República, Augusto Aras

Responsável por inquéritos sensíveis ao governo de Jair Bolsonaro, o delegado de  Polícia Federal Bruno Calandrini solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) duas medidas que geraram mal-estar em integrantes da corporação. 

A primeira foi um pedido de busca e apreensão do telefone celular do procurador-geral da República Augusto Aras e do ministro da Economia Paulo Guedes, já negado pelo ministro Luís Roberto Barroso, que não viu elementos para justicar tais ações. 

A segunda foram diligências contra a própria cúpula da PF, que está sob análise da ministra Carmen Lúcia.

O pedido de diligências contra a cúpula da PF foi revelado no sábado pelo portal “Metrópoles” e seria motivado por suspeitas de interferência de diretores da PF na investigação sobre o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Os alvos dessas diligências e o teor estão mantidos sob sigilo.

O caso deflagrou uma crise interna na atual gestão do diretor-geral Marcio Nunes de Oliveira. A avaliação entre integrantes do órgão é que foi uma tentativa do delegado Bruno Calandrini para se blindar da sindicância aberta após ele acusar que houve interferência na investigação do ex-ministro Milton Ribeiro.

Calandrini foi notificado para prestar depoimento sobre o caso, mas até agora não compareceu. Segundo interlocutores, há um receio do delegado que a sindicância seja usada para puni-lo pela atuação no caso.

O delegado Calandrini chegou a escrever, em mensagem a seus colegas, que houve interferência para impedir a transferência do ex-ministro para Brasília após sua prisão. Mas a direção da PF argumentou que não houve tempo nem disponibilidade de aeronave para realizar o deslocamento.

No pedido de busca e apreensão contra Aras e Guedes, Calandrini também havia pedido medidas contra o advogado do ministro, Ticiano Figueiredo.

O requerimento tinha como base a divulgação de um diálogo entre Aras e Ticiano no qual o advogado pedia que o procurador-geral intercedesse para suspender um depoimento de Guedes à PF em uma investigação sobre desvios no fundo de pensão dos Correios, o Postalis. Guedes havia sido citado em um depoimento. Barroso, entretanto, considerou que não havia elementos para autorizar a medida e arquivou o pedido.

Os pedidos provocaram descontentamento na PF. Os delegados que integram a atual gestão avaliam que havia poucos elementos para justificar as medidas. Calandrini não consultou seus superiores ao apresentar os pedidos e os protocolou diretamente no STF.

Procurada, a PF não comentou. A assessoria de Aras afirmou que não iria se manifestar porque o caso já havia sido arquivado.

O advogado Ticiano Figueiredo, que defende o ministro Paulo Guedes, afirmou em nota: “Se isso for verdade mesmo, esse é um ato que se revela autoritário, odioso e destoa do trabalho relevante dos delegados da Polícia Federal. Causa perplexidade, já que exercer, de forma plena, o direito de defesa dos clientes, é um dos pilares do Estado Democrático de Direito e não pode, jamais, ser criminalizado por quem quer que seja”.

Também procurado, Calandrini não respondeu aos contatos da reportagem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana