economia

Filha de prefeito recebe R$1200 do auxílio emergencial

Publicado


source
auxílio emergencial
Reprodução/Instagram

Hellen Porto Lira é filha do prefeito de Maiquinique e recebeu o auxílio emergencial


A filha do prefeito de Maiquinique (BA) recebeu ao menos duas parcelas do auxílio emergencial de R$600. A jovem estuda medicina em uma faculdade particular de São Paulo e teve o benefício aprovado pelo governo federal, de acordo com o site Uol.


Hellen Lira Porto é filha do prefeito Jesuíno Porto (DEM), e teve uma captura de tela com seu nome no Cadastro Único divulgada. O caso ganhou repercussão e o prefeito divulgou um áudio em defesa da filha. 

“Isso aí não é montagem, realmente é verdade. Hellen fez o cadastro emergencial, recebeu duas parcelas aí. Só que o que ninguém sabe é que, cada vez que ela recebe a parcela, ela me dá o dinheiro e eu doou para uma família carente”, declarou Jesuíno. 

Depois, o prefeito mudou a versão e disse que o dinheiro foi devolvido ao governo federal. Ele alega que Hellen não utilizou a quantia em benefício próprio. “Fez apenas para saber se teria ou não direito a receber, e não para usufruir de qualquer valor daquele benefício”, disse.

Jesuíno também reconheceu que a doação do dinheiro foi equivocada. “O prefeito de Maiquinique, reconhecendo que sua filha cometeu um ato irregular, tratou de regularizar a situação e por isso pede desculpas a toda a sociedade, bem como a Administração Pública”, declarou, em comunicado. “Ao saber que os valores foram liberados e sacados, reconhece que de forma equivocada doou as duas parcelas para pessoas carentes da cidade, e que após consultar o departamento jurídico foi informado que o correto seria fazer a devolução das parcelas recebidas”.

Comentários Facebook
publicidade

economia

Guedes vê em Lira o candidato para propor nova CPMF

Publicado


source

Brasil Econômico

Guedes
Luciano Rocha

Guedes já sugeriu medida, mas foi refutada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia

O ministro da Economia, Paulo Guedes , voltou a cogitar a ideia de apresentar novamente o projeto que estabelece o imposto para transações financeiras . No entanto, a discussão da medida só será feita caso Arthur Lira (PP-AL) vença a disputa para o comando da Câmara dos Deputados .

Lira já afirmou que colocaria a proposta em discussão com a condição de a alíquota não ser alta. Em conversas com interlocutores, Jair Bolsonaro se rendeu e aceitou a cobrança de 0,10% de imposto, o que deve agradar o parlamentar.

Os últimos dois anos foram de idas e vindas entre o Congresso Nacional e o Ministério da Economia para a votação da emenda. A pasta chegou a enviar a iniciativa para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) , que refutou a ideia. Na época, o Governo Federal argumentou que a “nova CPMF” poderia reduzir o imposto sobre os salários e movimentar o mercado de trabalho nos próximos anos.

A equipe econômica acredita que a vitória de Arthur Lira, aliado a retomada dos empregos pós-pandemia, abra caminho para que a proposta volte a ser cogitada no Congresso Nacional. O Planalto também espera a eleição de Rodrigo Pacheco no Senado para propor a medida.

Você viu?

Sem brecha

O candidato de oposição ao governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados, Baleia Rossi (MDB-SP) , afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo ser contra a medida.

“Não tem espaço para aumento da carga tributária. Não vejo a CPMF tendo algum impacto positivo na economia, senão aumentar a carga tributária. Não é bom”, disse.

O parlamentar é o responsável por propor a Reforma Tributária na Câmara dos Deputados e prometeu dar prioridade ao tema. Ele ressaltou que as emendas da reforma são suficientes para a geração de empregos.

“A nossa reforma tributária, que é a PEC 45, com ajustes da PEC 110 e o projeto do governo, vai ajudar a geração de empregos e a retomada da economia”, completou. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana