economia

FGTS extraordinário: veja quem pode sacar R$ 1 mil nesta quarta-feira

Publicados

em

source
Saque do FGTS: 3,4 milhões de trabalhadores nascidos em agosto recebem até R$ 1 mil nesta quarta-feira
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Saque do FGTS: 3,4 milhões de trabalhadores nascidos em agosto recebem até R$ 1 mil nesta quarta-feira

A Caixa Econômica Federal vai depositar, nesta quarta-feira (25), o saque extraordinário do FGTS para trabalhadores nascidos em agosto. Neste sexto lote, 3,4 milhões de trabalhadores com contas ativas e inativas terão direito à retirada emergencial de até R$ 1 mil, num total de R$ 2,4 bilhões. Já os valores de 3,4 milhões de pessoas que nasceram em setembro serão liberados no próximo sábado (dia 28).

Ao todo, 42 milhões de trabalhadores têm direito de receber o saque extraordinário do FGTS. O saldo disponível pode ser consultado a qualquer momento pelo trabalhador, mas a retirada e a movimentação do valor seguem um cronograma estabelecido pela Caixa.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O calendário de retiradas começou no dia 20 de abril para os nascidos em janeiro. Os saques extraordinários vão ocorrer até 15 de junho. Quem perder a data terá até 15 de dezembro de 2022 para acessar os valores (veja o calendário no final da reportagem).

Como funciona?

O valor a ser liberado vai depender do saldo que cada pessoa tem no FGTS, considerando a soma dos valores disponíveis de todas as suas contas vinculadas. Os trabalhadores terão o recurso creditado automaticamente em uma conta criada no aplicativo Caixa Tem. Depois, poderão movimentar o dinheiro no app ou transferir os recursos para outro banco. Para transferir o saldo, há um limite diário no aplicativo de R$ 600.

A Caixa informou que, embora o aplicativo do FGTS ofereça a opção de cadastrar uma conta bancária de outra instituição financeira, essas informações não serão consideradas para o crédito do saque extraordinário. O depósito será feito exclusivamente na conta do Caixa Tem.

Como solicitar?

Quem decidiu não aceitar os saques emergenciais do FGTS em 2020, já durante a pandemia da Covid-19, não terá o saque extraordinário do FGTS deste ano creditado automaticamente. Dessa vez, para receber os valores, de até R$ 1 mil, os trabalhadores deverão solicitar o benefício.

De acordo com a Caixa, a solicitação é feita de forma simples. Não há necessidade de ir a uma agência. O trabalhador deve acessar o App FGTS, no menu “Saque Extraordinário”, e confirmar ou complementar os dados cadastrais. A partir daí, basta clicar em “Solicitar Saque” para que o valor seja liberado.

O banco também informou que entre o dia da solicitação de saque e o dia do efetivo crédito na conta do Caixa Tem, é necessário um prazo mínimo para o processamento do pedido, motivo pelo qual o crédito pode ser realizado em data posterior ao dia estabelecido no calendário.

Quem antecipou saque-aniversário está apto?

Inicialmente, a Caixa havia informado que trabalhadores que contrataram empréstimos para antecipação do saque-aniversário estariam com a conta vinculada do FGTS bloqueada e, por isso, não poderiam efetuar o saque extraordinário de até R$ 1 mil. O bloqueio, no entanto, vale apenas para o valor e os juros correspondentes ao saque-aniversário.

Como conferir o saldo

A consulta ao saldo pode ser feita ainda pessoalmente, no balcão de atendimento de agências da Caixa, no site do banco ou pelo aplicativo do FGTS, que pode ser baixado gratuitamente no celular pela Apple Store ou pela Play Store.

Na página da Caixa Econômica Federal na internet, é preciso informar o NIS (PIS/Pasep), que pode ser consultado na carteira de trabalho ou em algum extrato antigo que o trabalhador tenha, e usar uma senha cadastrada pelo próprio trabalhador. É possível usar ainda a Senha Cidadão. A página oferece a opção de recuperar a senha, mas é preciso informar o NIS.

Quem tem o SMS cadastrado vai receber o valor do saque por mensagem no celular. A adesão é simples: basta acessar a página da Caixa na internet (https://www.caixa.gov.br/), selecionar as opções “FGTS”, “Entrar” e “Mensagem via Celular”, informar o número do NIS ou PIS/Pasep e clicar no botão “Cadastrar Senha”. Pronto! Seu acesso já estará liberado. Bastará agora selecionar “Serviços no Celular”.

O acompanhamento on-line das informações do FGTS permite ao trabalhador a gestão da regularidade dos depósitos em sua conta vinculada.

Outra forma de receber o extrato do FGTS é em casa a cada dois meses. O trabalhador deve informar seu endereço completo na página da Caixa, em uma agência bancária ou pelo telefone 0800-726-0101.

Calendário de saque do FGTS


Comentários Facebook
Propaganda

economia

Pedro Guimarães pede demissão e deixa presidência da Caixa

Publicados

em

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual
Isac Nóbrega/Presidência

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, deixou o cargo nesta quarta-feira (29) após sofrer  denúncias de assédio sexual de funcionárias do banco. Em encontro nesta tarde com o presidente Jair Bolsonaro, ele oficializou seu pedido de demissão, de acordo com a coluna de Bela Megale no jornal O Globo.

Os casos de assédio estão sendo investigados, sob sigilo, pelo Ministério Público Federal (MPF), segundo o site “Metrópoles”, que revelou o acontecimento. Na carta, divulgada pela coluna de Bela Megale, Guimarães diz que não teve tempo para se defender e que é alvo de uma “situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade”. Leia a íntegra da carta no fim da matéria.

Na noite desta terça-feira (28), a Caixa cancelou uma cerimônia sobre crédito rural com a presença de Guimarães que estava prevista para esta quarta (29). Ontem, segundo o jornal O Globo, o presidente Jair Bolsonaro  disse a Guimarães que as suspeitas são inadmissíveis  e sua permanência no cargo era vista como insustentável. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Guimarães era braço direito do presidente e chegou a ser cotado para vice na chapa de Bolsonaro. As denúncias, portanto, caíram como uma bomba no núcleo de campanha à reeleição, que busca melhorar o desempenho de Bolsonaro entre o eleitorado feminino. 

Nesta terça (18), Guimarães esteve ao lado de Bolsonaro em cerimônia de entrega de 1.220 moradias em Maceió (AL). Ele também participou de diversas lives da Presidência e capitaneou a expansão do maior banco público do país para o interior, bem como a bancarização dos beneficiários do auxílio emergencial. 

O ex-presidente do banco também acumulava polêmicas. O Ministério Público do Trabalho (MPT) notificou Guimarães , após o  episódio das flexões em evento de fim de ano no interior de São Paulo ter causado “constrangimento no trabalho” aos funcionários. 

Ele também foi acusado de uso político da Caixa , com empréstimos para aliados sob aval da primeira-dama, Michelle Bolsonaro e aprovou patrocínio para a WA Eventos e Promoções Esportivas, cujo proprietário  William Urizzi de Lima e o sócio Alberto Klar, eram amigos do pai presidente do banco, Pedro Guimarães. 

As denúncias

De acordo com o “Metrópoles”, há diversas acusações contra Guimarães, com relatos de situações em que ele age de forma inapropriada diante de funcionárias do banco estatal, com toques íntimos não autorizados, convites incompatíveis com a situação de trabalho e outras formas de assédio. 

Em um dos depoimentos ao site, uma das funcionárias do banco disse que, em uma das viagens que fizeram na comitiva do presidente da Caixa, foram convidadas para ir à piscina do hotel onde estavam hospedados. No local, Guimarães teriam assistido ao presidente na piscina e, na ocasião, ouviram de um dos auxiliares de Guimarães: “E se o presidente quiser transar com você?”

Em outra ocasião, também em uma viagem feita pela Caixa, Pedro Guimarães teria sugerido que em uma das viagens seguintes, para Porto Seguro, deveria ser feito um “carnaval fora de época”. A declaração aconteceu durante um jantar após os eventos na cidade sobre o programa Caixa Mais Brasil.

“Ninguém vai ser de ninguém. E vai ser com todo mundo nu”, teria dito o presidente da Caixa, segundo o relato de uma testemunha divulgado pelo Metrópoles.

Uma funcionária contou ao site que o Guimarães teria se virado para ela e feito uma afirmação agressiva: “Ele me falou: ‘Vou te rasgar. Vai sangrar'”.

Em nota enviada ao Metrópoles, a Caixa disse que “não tem conhecimento das denúncias apresentadas pelo veículo”. 

“A Caixa esclarece que adota medidas de eliminação de condutas relacionadas a qualquer tipo de assédio. O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de ‘qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça’. A Caixa possui, ainda, canal de denúncias, por meio do qual são apuradas quaisquer supostas irregularidades atribuídas à conduta de qualquer empregado, independente da função hierárquica, que garante o anonimato, o sigilo e o correto processamento das denúncias. Ademais, todo empregado do banco participa da ação educacional sobre Ética e Conduta na Caixa, da reunião anual sobre Código de Ética na sua Unidade, bem como deve assinar o Termo de Ciência de Ética, por meio dos canais internos. A Caixa possui, ainda, a cartilha ‘Promovendo um Ambiente de Trabalho Saudável’, que visa contribuir para a prevenção do assédio de forma ampla, com conteúdo informativo sobre esse tipo de prática, auxiliando na conscientização, reflexão, prevenção e promoção de um ambiente de trabalho saudável”, afirma o banco.

Leia a carta de demissão de Pedro Guimarães

“À população brasileira e, em especial, aos colaboradores e clientes da CAIXA:

A partir de uma avalanche de notícias e informações equivocadas, minha esposa, meus dois filhos, meu casamento de 18 anos e eu fomos atingidos por diversas acusações feitas antes que se possa contrapor um mínimo de argumentos de defesa. É uma situação cruel, injusta, desigual e que será corrigida na hora certa com a força da verdade.

Foi indicada a existência de um inquérito sigiloso instaurado no Ministério Público Federal, objetivando apurar denúncias de casos de assédio sexual, no qual eu seria supostamente investigado. Diante do conteúdo das acusações pessoais, graves e que atingem diretamente a minha imagem, além da de minha família, venho a público me manifestar.

Ao longo dos últimos anos, desde a assunção da Presidência da CAIXA, tenho me dedicado ao desenvolvimento de um trabalho de gestão que prima pela garantia da igualdade de gêneros, tendo como um de seus principais pilares o reconhecimento da relevância da liderança feminina em todos os níveis da empresa, buscando o desenvolvimento de relações respeitosas no ambiente de trabalho e por meio de meritocracia.

Como resultados diretos, além das muitas premiações recebidas, a CAIXA foi certificada na 6ª edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), além também de ter recebido o selo de Melhor Empresa para Trabalhar em 2021 – Great Place To Work®️, por exigir de seus agentes e colaboradores, em todos os níveis, a observância dos pilares Credibilidade, Respeito, Imparcialidade e Orgulho.

Essas são apenas algumas das importantes conquistas realizadas nesse trabalho, sempre pautado pela visão do respeito, da igualdade, da regularidade e da meritocracia, buscando oferecer o melhor resultado para a sociedade brasileira em todas as nossas atividades.

Na atuação como Presidente da CAIXA, sempre me empenhei no combate a toda forma de assédio, repelindo toda e qualquer forma de violência, em quaisquer de suas possíveis configurações. A ascensão profissional sempre decorre, em minha forma de ver, da capacidade e do merecimento, e nunca como qualquer possibilidade de troca de favores ou de pagamento por qualquer vantagem que possa ser oferecida.

As acusações noticiadas não são verdadeiras! Repito: as acusações não são verdadeiras e não refletem a minha postura profissional e nem pessoal. Tenho a plena certeza de que estas acusações não se sustentarão ao passar por uma avaliação técnica e isenta.

Todavia, não posso prejudicar a instituição ou o governo sendo um alvo para o rancor político em um ano eleitoral. Se foi o propósito de colaborar que me fez aceitar o honroso desafio de presidir com integridade absoluta a CAIXA, é com o mesmo propósito de colaboração que tenho de me afastar neste momento para não esmorecer o acervo de realizações que não pertence a mim pessoalmente, pertence a toda a equipe que valorosamente pertence à CAIXA e também ao apoio de todos as horas que sempre recebi do Senhor Presidente da República, Jair Bolsonaro.

Junto-me à minha família para me defender das perversidades lançadas contra mim, com o coração tranquilo daqueles que não temem o que não fizeram.

Por fim, registro a minha confiança de que a verdade prevalecerá.

Pedro Guimarães”.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana