BRASIL E MUNDO

Família acusa policiais do Bope pela morte de jardineiro no Rio

Publicados

em


source
Gilcemir da Silva,  jardineiro morto atingido por tiros
Reprodução

Gilcemir da Silva, jardineiro morto atingido por tiros

A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) abriu um inquérito para apurar a morte do jardineiro Gilcemir da Silva, de 47 anos, na madrugada do último sábado no Morro do Dezoito, em Água Santa, na Zona Norte do Rio. A Polícia Militar diz que patrulhava a região quando foi atacada por criminosos. No entanto, parentes de Gilcemir afirmar que militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) atiraram em moradores que se refrescavam do calor e bebiam em um bar próximo à entrada da comunidade. Ele será enterrado na tarde desta segunda-feira, no Cemitério de Inhaúma, na Zona Norte.

De acordo com testemunhas, não havia confronto no local. Gilcemir estava com amigos em um bar próximo da casa da irmã, na Rua Silva Braga, quando foi baleado no pescoço. O jardineiro chegou a correr e pediu ajuda para a mulher, que dormia, mas teria morrido no colo da esposa. Segundo a família, policiais insistiram e o levaram para o Hospital municipal Salgado Filho, no Méier.

Sobrinha da vítima, a vendedora Camila Souza, 33 anos, conta que muitos moradores estavam na rua quando ouviram disparos e buscaram se proteger. Quando cessaram os tiros, eles viram a vítima ferida em casa.

“Por volta de 1h30, vários moradores estavam na rua porque estava muito calor. Estávamos no comércio da minha tia. Dias antes, havia operação, e as pessoas estavam lá, muitas crianças brincando porque estava tudo tranquilo. Meu tio estava na entrada da comunidade quando o caveirão passou mandando tiro. Acho que eles viram a aglomeração e mandaram tiro achando que era ponto de drogas. Meu tio estava subindo e tomou um tiro no pescoço”, conta Camila.

De acordo com a vendedora, no momento do confronto, seu afilhado quase foi baleado.

“Após ser atingido, ele ainda correu até a casa dele, entrou e conseguiu pedir ajuda para a esposa. Ela ainda pensou que ele estava brincando, porque gostava de debochar de tudo. Quando ela acendeu a luz, viu meu tio todo ensanguentado e já morrendo. Ele deu o suspiro no colo dela e morreu. Em seguida, os PMs entraram, pegaram o meu tio e o levaram para o (Hospital municipal) Salgado Filho”, destalha Camila.

Leia Também

Ela diz que que mais de 40 PMs e dois caveirões estavam na região.

“Ninguém tem a dimensão da quantidade de PMs que havia. Não tinha necessidade daquilo. Dias antes, já havia tido operação”, disse a vendedora.

A família reconheceu o corpo de Gilcemir no Instituto Médico-Legal (IML), no Centro, no ultimo domingo. Ele era casado, deixa um filho e um neto de 2 anos

À TV GLOBO, a PM disse que uma equipe do Bope estava em patrulhamento no Morro do Dezoito quando foi atacada por criminosos. Cessados os disparos, os policiais localizaram uma pistola e farta quantidade de material entorpecente. Em seguida, uma pessoa ferida foi encontrada e levada para o hospital. Ainda de acordo com a corporação, em toda a ação, foram apreendidos uma pistola, um carregador, três celulares, um radiocomunicador e drogas.

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Dia da Luta da População em Situação de Rua: Praça da Sé receberá ação

Publicados

em

Praça da Sé receberá evento sobre Dia da Luta da População de Rua
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Praça da Sé receberá evento sobre Dia da Luta da População de Rua

Nesta sexta-feira, 19 de agosto das 9h às 18h, a Praça da Sé, em São Paulo , recebe evento que marca o Dia da Luta da População em Situação de Rua. Na mesma região, em 2004, sete moradores em situação de rua foram mortos enquanto dormiam e oito foram feridos. Desde então, movimentos sociais adotaram o dia para dar visibilidade a essa população.

O evento é organizado pelos Movimento Nacional de Luta pela População em Situação de Rua, Movimento Estadual da População em Situação de Rua de São Paulo; Movimento Nacional da População em Situação de Rua; e pelo Fórum Cidades em Defesa da População em Situação de Rua, com apoio da Prefeitura de São Paulo, via Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) e Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Haverá uma unidade móvel para auxiliar na inscrição no CadÚnico, equipes de abordagem social; aplicação de vacinas da gripe e da Covid-19 e distribuição de 800 marmitas do Programa Cozinha Cidadã.

Também serão oferecidos os serviços do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos da População em Situação de Rua, da SMDHC. Na unidade itinerante que funciona em um ônibus adaptado, as pessoas receberão atendimento individual especializado; orientações, articulações e encaminhamentos para acesso a serviços públicos e equipamentos socioassistenciais, de saúde, educação, cultura e acesso ao trabalho além de ações de proteção e apoio para defesa em situações de violação de direitos à população em situação de rua.

A unidade móvel do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo também estará no local. Haverá ainda atrações culturais que foram articuladas pelos movimentos envolvidos na organização.

Prêmio 19 de Agosto

Desde 2019, a SMDHC concede o Prêmio 19 de Agosto para iniciativas de organizações e pessoas físicas que desenvolvem trabalhos para a população em situação de rua na cidade de São Paulo.

Na 3ª edição do Prêmio, realizada em 2021, o Coletivo Projeto Vida, organizado por Clair Aparecida da Silva Santos, ganhou o primeiro lugar na categoria Pessoa Física. “Foi fundamental receber o prêmio, não só pela premiação em dinheiro, mas pelo reconhecimento governamental do projeto”, disse Clair Santos, que criou a iniciativa durante a pandemia de Covid-19 com o objetivo de promover a articulação e a formação de uma rede de apoio entre a sociedade civil, setores públicos e privados, para desenvolver ações para auxiliar a população em situação de rua com os cuidados para evitar a contaminação pelo coronavírus.

O dinheiro do prêmio foi utilizado para fortalecer o trabalho de três instituições: a Casa do Povo, no Bom Retiro; o Coletivo Imagens, no Grajaú, e o Consultório na Rua em Cidade Tiradentes; e também para realização do ‘Novembro Bem Garota’, para pessoas transexuais e travestis, e pagamento do frete de uma doação de 700 livros que o Projeto Vida recebeu e distribuiu.

Já na categoria Pessoa Jurídica, o prêmio foi para o Centro de Integração Social pela Arte, Trabalho e Educação (Cisarte), que atende pessoas em situação de rua na Bela Vista, região central de São Paulo. “O Prêmio 19 de Agosto é uma conquista do Movimento Nacional da População em Situação de Rua, da sociedade e do governo.

Ele é um símbolo na luta do direito da pessoa em situação de rua ser reconhecida como cidadã. Ficamos muito felizes em receber a premiação, que ajudou com as despesas mensais do espaço, na compra de insumos para as oficinas e na oferta de café da manhã”, disse Darcy Costa, presidente da Cisarte, que funciona diariamente, das 9 às 17 horas, no Viaduto Pedroso.

As inscrições para a edição deste ano foram fechadas em 15 de agosto e o evento de premiação das iniciativas vencedoras da quarta edição do Prêmio 19 de Agosto será realizado em setembro de 2022.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana