Saúde

Estudo preliminar de vacina contra a malária traz esperança de imunização

Publicados

em


source
A nova candidata é conhecida como R21 e foi desenvolvida pela equipe de Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner da Universidade de Oxford
Foto: Pixnio/Creative Commons

A nova candidata é conhecida como R21 e foi desenvolvida pela equipe de Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner da Universidade de Oxford

Os resultados iniciais de um estudo preliminar da vacina contra a malária desenvolvida pela Universidade de Oxford são esperançosos: o imunizante mostrou até 77% de eficácia. A inovação representa uma nova etapa no combate à mortalidade por uma doença parasitária, transmitida pela picada do mosquito Anopheles, que só em 2019 matou 405 mil pessoas, a maioria crianças menores de cinco anos, e infectou outras 228 milhões.

— Estes são resultados preliminares, uma vez que foi um ensaio de fase 2 em um número limitado de crianças e em um único local. Precisamos do próximo ensaio de fase 3 para confirmar o que vimos — explica Halidou Tinto, de Burkina Faso, professor de parasitologia e investigador principal do ensaio clínico. — Mas o imunizante é bem tolerado e tem um perfil de segurança muito bom.

A nova candidata é conhecida como R21 e foi desenvolvida pela equipe de Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner da Universidade de Oxford. Especificamente, os mesmos responsáveis ​​pela vacina contra a Covid-19 da empresa farmacêutica AstraZeneca.

A R21 foi testada em 450 bebês com idades entre cinco e 17 meses em Burkina Faso, país localizado na África, o continente onde ocorrem 94% das mortes por malária. Se pesquisas futuras confirmarem os bons resultados, a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de ter uma vacina capaz de atingir mais de 75% de eficácia até 2030 será atingida.

Os resultados da R21 apresentados correspondem a um ensaio clínico de fase 2 realizado em Nanoro, uma cidade de Burkina Faso com cerca de 65 mil habitantes onde a malária é causada pelo parasita Plasmodium Falciparum, o mais comum na África.

Os 450 bebês selecionados foram divididos em três grupos: um terço recebeu R21 misturado a uma alta dose de um adjuvante, ou seja, uma substância que potencializa a resposta do sistema imunológico. Outro terço recebeu a mesma vacina, mas com dose baixa do adjuvante, e o último foi o grupo controle e foi imunizado contra a raiva (Rabivax-S).

A campanha durou de maio até o início de agosto de 2019 para estar praticamente concluída antes do pico sazonal de transmissão da doença, que começa em julho. Desde então e por dois anos, ou seja, até julho de 2021, está sendo testada a segurança (se não oferece riscos à saúde), imunogenicidade (se gera resposta imune no paciente) e eficácia (quanto consegue reduzir a doença) após a inoculação de três doses mais um quarto reforço aos seis meses. Após um ano, os resultados mostraram eficácia de 77% no grupo que recebeu mais adjuvante e 74% no grupo que recebeu menos.

— Aumentamos o acompanhamento para 24 meses para ver até que ponto essa eficácia de 77% pode ser mantida — explica Tinto.

A fase 3 envolverá 4.800 crianças entre cinco e 36 meses em cinco localidades em quatro países africanos: Burkina Faso, Quênia, Mali e Tanzânia.

— Vamos cobrir diferentes ambientes de transmissão: do sazonal ao permanente, do baixo ao intenso — detalha o cientista. — Depois de imunizadas, as crianças serão acompanhadas por dois anos para detecção de qualquer infecção por malária e avaliação da eficácia e segurança da vacina. Portanto, eu diria que, se for bem-sucedido, devemos ser capazes de disponibilizá-la dentro de três a quatro anos.

Outra grande esperança

A R21 não é uma ideia totalmente nova, mas é a versão modificada de outra vacina recente que alimentava todas as esperanças até agora, chamada RTS,S, idealizada pelos laboratórios GlaxoSmithKline (GSK) e cuja eficácia não é muito alta: só chega a 56% nos primeiros 12 meses e não passa de 36% nos anos seguintes.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) emitiu um parecer científico positivo sobre ela em julho de 2015, concluindo que os benefícios superam os riscos, mas, como acontece com novos imunizantes, sua segurança continuou a ser monitorada. Durante a fase 3 do ensaio clínico, houve mais meningite positiva em crianças que receberam as doses do que naquelas que não as receberam e mais mortes entre meninas do que entre meninos; mas em nenhum dos dois casos foi provado que a causa era a RTS,S e a EMA concluiu que não havia informação suficiente para considerar um “risco potencial” e recomendou continuar o monitoramento.

Desde 2019, 1,7 milhão de crianças no Quênia, Malaui e Gana foram vacinadas por meio de um programa piloto coordenado pela OMS e espera-se que em outubro de 2021 as agências globais envolvidas nesta iniciativa se reúnam para revisar os dados e decidir se o uso estendido é recomendado.

Você viu?

A RTS,S e a R21 são semelhantes no sentido de que ambas atacam o parasita da malária no momento em que ele entra no corpo humano através da picada do mosquito. Ambas incluem uma proteína que o próprio parasita expele nesta fase do seu ciclo de vida e tem como objetivo estimular uma resposta de anticorpos. Em relação às diferenças entre um e outro, a primeira é que a R21 apresenta maior concentração da proteína citada.

Por outro lado, no caso da R21, sua substância adjuvante é mais fácil de fabricar do que a utilizada na RTS, S, que também se espera que produza, se este ponto for atingido, seja mais barato.

— Com base na sua estrutura, na sua composição (utilizando o adjuvante Matrix) e na forma como é produzida, prevemos que a vacina R21 será menos complexa de fabricar e tem potencial para ser produzida em larga escala e a baixo custo. Esperamos que a R21 também seja considerada na iniciativa da Gavi [aliança global de vacinação] para torná-la gratuita para os países africanos — afirma Tinto.

Para a OMS, os resultados são promissores, mas sem esquecer que ainda não foram confirmados. “Eles são encorajadores e esperamos a conclusão bem-sucedida dos testes de fase 3. Uma segunda vacina para complementar a RTS,S poderia ser muito benéfica, especialmente porque poderia aumentar a oferta para atender à alta demanda que existe”, informou a organização.

Parasita mais complexo do que vírus

Encontrar uma vacina contra a malária é uma desejo que dura décadas. Em 1946 foi apresentado o primeiro ensaio clínico, e em 2021 já foram testadas mais de uma centena de imunizantes possíveis para os diversos parasitas causadores da doença, embora até agora nenhum tenha sido autorizado para distribuição.

A vacina contra a Covid-19 foi desenvolvida em menos de um ano, enquanto a vacina contra a malária permanece estagnada. Existem duas razões. Uma é econômica, já que o financiamento para o novo coronavírus é maior e tem sido arrecadado em menos tempo.

De fato, a OMS estima que em 2019 (último ano para o qual existem dados disponíveis) houve a contribuição de cerca de 2.500 milhões de euros, valor inferior aos 5.600 milhões exigidos pela estratégia global contra a doença e que se soma ao aumento contínuo de oito a nove bilhões de dólares que devem ser contribuídos a cada ano de agora até 2030 para cumprir a meta das Nações Unidas de reduzi-la em 90%.

Mas há outro motivo: a natureza do parasita, uma vez que é um patógeno complicado que possui muitos mecanismos de evasão. Para comparação: o vírus SARS-CoV-2 tem 12 genes, enquanto o vírus da malária tem 5.300, mais de 30 milhões de anos e, portanto, muito mais cepas. Resumindo, requer muita pesquisa.

— O parasita da malária é muito mais complexo do que os vírus e parece estar bem adaptado ao hospedeiro humano, o que torna a resposta imunológica à infecção da malária muito fraca e pode explicar porque é muito difícil desenvolver uma vacina eficaz contra a malária — explica Tinto. — Lembre-se de que antes do enorme investimento feito pela Fundação Bill & Melinda Gates no início dos anos 2000, seguido de intensa advocacia, eliminar a malária era considerado algo impossível de se imaginar.

Porém, com a alta eficácia obtida neste último ensaio, o pesquisador confessa estar “otimista” quanto à questão de saber se acredita que a malária pode ser controlada até a data fixada pela comunidade internacional.

— Embora precisemos de mais alguns anos após 2030 e mais investimentos, já que essa vacina não protege 100%, e depois terá que ser complementada com outras ferramentas de prevenção existentes —afirma.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

O que ciência já descobriu sobre maior agressividade de variante P.1 em jovens?

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Covid: O que ciência já descobriu sobre maior agressividade de variante P.1 em jovens?
André Biernath – Da BBC News Brasil em São Paulo

Covid: O que ciência já descobriu sobre maior agressividade de variante P.1 em jovens?

Manaus era uma das únicas cidades do mundo onde se acreditava que o pior já havia passado.

Após uma onda avassaladora de casos e mortes em 2020, os estudos indicavam que mais de 75% da população da cidade já havia se infectado com o coronavírus e, portanto, não haveria mais motivos para grande preocupação.

Mas o começo de 2021 provou que essa ideia estava absolutamente errada.

O número de afetados pela covid-19 explodiu de maneira dramática, o que desembocou num colapso do sistema de saúde, na falta de oxigênio e numa situação de calamidade pública que causou comoção nacional e internacional.

Enquanto esse drama começava a se desenrolar nas ruas da capital do Amazonas, os cientistas faziam uma importante descoberta na bancada dos laboratórios: Manaus parece ter sido palco do desenvolvimento de uma nova variante do coronavírus, que passaria a ser conhecida como P.1.

Pelas informações disponíveis naquele momento, tudo levava a crer que essa nova versão do agente infeccioso era mais transmissível e teria capacidade de driblar a imunidade obtida anteriormente, o que ajudaria a explicar o quadro crítico na capital do Amazonas.

Mas será que essa linhagem atualizada do vírus também é mais mortal, especialmente entre indivíduos mais jovens e sem doenças prévias?

Por ora, esse campo ainda está cheio de perguntas sem respostas. Mas algumas pesquisas publicadas nas últimas semanas ajudaram a entender um pouco melhor essa história.

O ovo ou a galinha?

Para começo de conversa, é preciso observar que o surgimento de novas variantes está diretamente relacionado ao comportamento das pessoas e à falta de políticas públicas claras e bem definidas.

Em outras palavras, não é o surgimento dessas cepas “atualizadas” que gera a piora da pandemia: o problema começa muito antes, quando as medidas de controle são relaxadas e as pessoas começam a transitar livremente pelas ruas, sem tomar os cuidados básicos, como o uso de máscaras e o respeito ao distanciamento físico.

Quanto maior for a circulação, maior a transmissão do coronavírus — e quanto mais o vírus “pula” de uma pessoa para outra, maior o risco de ele sofrer mutações vantajosas para sua replicação e potencialmente danosas e preocupantes para nós, seres humanos.

E esse fenômeno, por sua vez, agrava ainda mais o problema de saúde pública e contribui para o colapso que vivemos em várias cidades brasileiras.

“Não há como culpar só a P.1 por esse grande aumento de casos e mortes que vimos nos últimos meses. A variante só surgiu por causa do descontrole nas medidas restritivas capazes de inibir a transmissão”, concorda o virologista e pesquisador em saúde pública Tiago Gräf, do Instituto Gonçalo Moniz, da FioCruz Bahia.

Esse raciocínio se aplica perfeitamente ao que ocorreu em Manaus: com a noção de que a cidade já estava livre da pandemia, as atividades foram retomadas com força total a partir de setembro e outubro de 2020.

As aglomerações fizeram o vírus circular com grande intensidade novamente e ganhar uma nova versão: tudo indica que a P.1 se desenvolveu a partir de novembro do ano passado e, em dezembro, dominou geral.

Manaus voltou a ter dezenas de enterros por causa da covid

Reuters
Em 2021, Manaus voltou a ter dezenas de enterros por causa da covid

Suspeita confirmada

Esse temor de que a P.1 seria mais transmissível era praticamente um consenso entre os cientistas da área logo após a descoberta da nova variante.

Isso porque ela trazia algumas mutações muito parecidas ao que já havia sido encontrado com outras cepas novas, especialmente aquelas detectadas no Reino Unido e na África do Sul.

Muitas dessas mudanças genéticas mais preocupantes se concentram justamente na espícula, estrutura que fica na superfície do vírus e faz com que ele “se grude” nas células humanas para dar início a uma infecção.

Essas alterações no genoma tornaram essa tal de espícula ainda mais sofisticada, o que facilita a invasão viral no nosso organismo.

“A variante P.1 necessita de uma quantidade menor de vírus para causar uma infecção”, explica Gräf.

Ou seja: se antes a pessoa precisava ter contato com uma boa quantidade de coronavírus para desenvolver um quadro de covid-19, a nova linhagem passa a exigir uma carga bem menor, o que facilita as coisas (pelo menos do ponto de vista do vírus).

Essas observações iniciais ganharam mais exatidão no dia 14 de abril,após a publicação de um estudo na revista Science que envolveu mais de 30 instituições e dezenas de pesquisadores, muitos deles brasileiros.

Após uma vasta análise dos dados, os autores concluíram que a P.1 é de 1,7 a 2,4 vezes mais transmissível e um quadro de covid-19 prévio, causado por outra linhagem, dá uma proteção de 54 a 79% em relação a uma probabilidade de reinfecção por essa nova variante.

Diante dos achados, os autores reforçam a necessidade de uma “vigilância genômica global aprimorada sobre as novas variantes de preocupação”, como é o caso da P.1, e entendem que essa ação é “crítica para acelerar a capacidade de resposta à pandemia”.

Profissionais de saúde transferem paciente de leito

Getty Images
O surgimento de novas variantes do coronavírus ajuda a explicar o colapso, mas essas novas versões não são as principais culpadas pela crise

Essa maior “ganância” do vírus é fácil de ser observada num acompanhamento que é feito pelo time da Rede Genômica da Fiocruz, do qual Gräf faz parte: segundo as análises do grupo, a P.1 rapidamente se tornou a linhagem dominante em todas as regiões do país.

No mês de abril de 2021, ela estava presente em 92% de todas as amostras colhidas de pacientes com covid-19 confirmada.

Três meses antes, ela representava apenas 29% do total das análises.

Subida nos óbitos

Mas será que essa maior virulência e a capacidade de driblar a resposta imune prévia contribuiriam para o aumento da mortalidade por covid-19?

Por aqui, as respostas são um pouco mais nebulosas.

“Já temos dados robustos na Inglaterrademonstrando que a letalidade da variante B.1.1.7 é maior. A gente pode imaginar que a P.1 também seja mais letal, mas ainda precisamos de estudos”, analisa o virologista Fernando Spilki, professor da Universidade Feevale, no Rio Grande do Sul.

Um trabalho, ainda em pré-print (que ainda não foi revisado por outros especialistas e publicado num período científico), aponta que a P.1 está relacionada a uma maior taxa de óbitos, especialmente em indivíduos mais jovens e sem doenças prévias.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas compararam os dados das notificações de casos da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) da cidade de Porto Alegre em dois momentos: entre novembro e dezembro de 2020 e em fevereiro de 2021.

No Brasil, todos os casos de SRAG que necessitam de internação precisam obrigatoriamente ser cadastrados numa plataforma online (o Sivep-Gripe) disponibilizada pelo Ministério da Saúde.

Você viu?

Essas notificações não significam um diagnóstico definitivo de covid-19, mas indicam quantas pessoas precisaram ficar num hospital em razão de uma infecção respiratória — e, como estamos no meio de uma pandemia, espera-se que a maioria desses casos esteja diretamente relacionado com o coronavírus.

Os especialistas selecionaram justamente esses dois períodos (dezembro de 2020 e fevereiro de 2021) para entender como a evolução da crise de saúde pública pode ter impactado nos números de acometidos em diferentes faixas etárias.

“Nós pegamos os dados da primeira onda e comparamos com fevereiro de 2021, num momento em que ainda não tinha acontecido o colapso do sistema de saúde na capital gaúcha”, diz o médico André Ribas Freitas, professor de epidemiologia e bioestatística da Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas.

“Ao compararmos o total de casos com aqueles que evoluíram para óbito, é possível notar um aumento na proporção de mortalidade em faixas etárias mais jovens”, resume o especialista, que também é consultor científico do HubCovid.

No trabalho, a proporção de indivíduos com menos de 60 anos internados com covid-19 que morreram saltou de 18% em novembro e dezembro para 28% em fevereiro de 2021.

O aumento também ocorreu em indivíduos sem doenças pré-existentes: nos números do ano passado, 13% deles morreram. Neste ano, a taxa ficou em 22%.

Trabalhadores carregam um caixão num cemitério

Getty Images
Maior taxa de mortalidade por covid-19 entre indivíduos abaixo dos 60 anos e sem doenças prévias chamou a atenção de pesquisadores brasileiros

Na conclusão, os autores da pesquisa entendem que a culpa por essa mudança está diretamente relacionada à P.1.

“Até onde sabemos, essas são as primeiras evidências de que essa variante pode aumentar desproporcionalmente a gravidade e a taxa de mortalidade entre a população sem doenças prévias e os mais jovens, sugerindo um aumento no perfil de virulência”, escrevem.

“Novos estudos ainda precisam confirmar e aprofundar esses achados”, concluem.

Mais transmissível ou mais transmitido?

Essas observações de maior mortalidade relacionadas à P.1, porém, são vistas com reservas por outros especialistas.

Eles entendem que são necessários novos estudos para ratificar esses achados iniciais e determinar realmente se essa linhagem é mais mortal mesmo.

“Precisaríamos replicar essas investigações em laboratórios, com material de necrópsia e comparar como as diferentes variantes se comportam no organismo das pessoas”, aponta o virologista Paulo Eduardo Brandão, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

O especialista acredita que existem outros fatores que contribuem para o cenário que vivemos.

“Todas as pesquisas sobre a P.1 ou qualquer outra variante sempre esbarram na mesma dúvida: será que elas são mais transmissíveis ou foram mais transmitidas?”, questiona.

“Por ora, tudo nos indica que o nosso comportamento é preponderante para isso. Quanto mais pessoas vulneráveis, sem os cuidados preventivos básicos e sem vacinação, maiores as chances de as novas linhagens se espalharem pela comunidade”, conclui Brandão.

E esse maior espalhamento, por sua vez, gera uma verdadeira bola de neve: mais transmissão significa mais gente infectada, novas cadeias de contágio, maior procura por atendimento, falta de leitos em ambulatórios e UTIs, cuidados inadequados, aumento de mortes…

A médica Suzane Lobo, diretora-presidente da Associação de Medicina Intensiva Brasileira concorda e detalha os ingredientes extras desta equação: o colapso do sistema de saúde e a falta de vagas para atender a enorme demanda de novos infectados.

“Como é que eu posso dizer que a variante é mais letal se há outros fatores envolvidos? Demora no atendimento, falta de leitos…”, pensa.

“Se tivéssemos leitos para os pacientes e todos eles fossem atendidos rapidamente, seria possível dizer que existe uma grande chance de a linhagem ser mais letal do ponto de vista epidemiológico”, completa a especialista.

Não é exagero afirmar que, nos últimos meses, muita gente morreu no Brasil à espera de um atendimento adequado: com os serviços de saúde absolutamente abarrotados, não existiam as condições mínimas para prestar socorro adequado a todo mundo que chegava nos hospitais.

E esse colapso, claro, influencia nos números de hospitalização e de mortalidade por covid-19.

Será que pacientes mais jovens e com mais chance de sobreviver não foram privilegiados quando abriam novas vagas na UTI? Será que os mais velhos não foram mandados para casa, onde se recuperaram ou morreram sem entrar para as estatísticas oficiais?

Outro ponto fundamental: será que a faixa etária de 20 a 59 anos não é mais afetada atualmente por se expor mais ao risco?

“Os mais jovens estão se encontrando mais e muitas vezes sem respeitar as medidas não-farmacológicas, como o uso de máscaras. Isso aumenta o risco de ter contato com o vírus”, raciocina Brandão.

Homem sendo vacinado por profissional

Getty Images
Avanço da vacinação ajudou a proteger os mais velhos. É necesssário que a campanha avance mais rápido para evitar o espalhamento ou o surgimento de novas variantes

Por fim, é preciso considerar que a vacinação contra a covid-19 no Brasil já cobriu uma boa parcela da população idosa que, portanto, está protegida das formas mais graves da doença.

“E a mensagem de que a infecção costuma ser grave neles, que eles constituem um grupo de risco, fez com que indivíduos mais velhos se cuidassem mais quando chegou a segunda onda”, diz Gräf.

Essas e outras dúvidas permanecem sem respostas e podem “poluir” as conclusões que foram acumuladas sobre o impacto que a variante P.1 teve no Brasil durante os últimos meses.

Então, o que fazer?

Enquanto a ciência evolui e conhece mais a fundo os detalhes da P.1 e de outras linhagens que se desenvolvem em todo mundo, uma coisa continua igual: os cuidados necessários para prevenir a covid-19.

“O vírus não liga para frio, calor, umidade… Ele gosta mesmo é de proximidade entre as pessoas”, ensina Brandão.

“E, para qualquer variante, o uso de máscaras, o distanciamento físico e a limpeza das mãos seguem válidos e efetivos”, orienta.

Para evitar que as variantes se espalhem mais (ou surjam outras linhagens que tragam um perigo ainda maior), é essencial acelerar também a vacinação.

“Quanto mais gente vulnerável, maior o risco de proliferação do vírus, o surgimento de novas linhagens e todos os problemas relacionados a isso”, completa o virologista.

Colaborou Matheus Magenta, da BBC News Brasil em Londres

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana