CIDADES

Estrutura municipalista e conquistas ganham destaque na abertura dos Novos Gestores 2021-2024

Publicados

em


Mais de R$ 898 bilhões. Essa é a marca histórica de conquistas por meio do trabalho da Confederação Nacional de Municípios (CNM), em parceria com entidades estaduais, microrregionais e gestores de todo o país. Ao abrir o primeiro Seminário Novos Gestores 2021-2024 com a região Nordeste, o presidente Glademir Aroldi destacou a estrutura do movimento municipalistas brasileiro e como ele atua para promover desenvolvimento na ponta.

“Com os Municípios fortalecidos, nós conseguiremos melhorar a vida das pessoas”, lembrou o presidente da CNM. Ele fez questão de mencionar as oito entidades parceiras da região nordestina e agradecer aos seus presidentes pela união que se traduz em avanços, conquistas, melhorias e desenvolvimento local. Também citou o Movimento Mulheres Municipalistas (MMM) e comentou sobre a estrutura organizacional, a pauta prioritária e os desafios para os próximos quatro anos, que serão imensos.

Nos primeiros momentos, Aroldi contou um pouco da história de luta e sucesso, começada há 40 anos. “A CNM é uma entidade de quatro décadas, que sempre defende os interesses dos Municípios, de todos os Municípios do Brasil. Nós, juntamente com as entidades estaduais, defendemos o fortalecimento da gestão local”, disse.

“A CNM é uma entidade apartidária, independente e não atrelada a nenhum governo. A missão do movimento municipalista brasileiro é o fortalecimento da gestão local, é a defesa incondicional de cada Município do Brasil. Nós nos articulamos com todos os atores, no Executivo, no Legislativo e no Judiciário”, explicou.

Defender sempre o interesse do Ente local é a permissão base da CNM e do movimento municipalista, disse o líder municipalista diversas vezes. Assim, “o movimento está alicerçado nos 5.568 Municípios, que estão ligados às 196 entidades microrregionais, que formam cada entidade estadual em toda a federação brasileira. Temos ainda um braço importante que é o Fórum de vereadores, que acontece durante a Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios“, esclareceu.

Conforme explicou o presidente da Confederação, outro braço muito importante são os consórcios públicos municipais. “Lá nos anos 90, quando quase ninguém no Brasil acredita nos consórcios públicos de Municípios, nós entendíamos que os consórcios poderiam ser uma ferramenta importante para a solução de problemas regiões”, disse ainda ao relatar experiência pessoal.

Estrutura
“Temos essa estrutura: Municípios, entidades microrregionais, entidades estaduais e a Confederação, que foi criada há 40 anos, quando um grupo de pessoal sentiu a necessidade de uma entidade nacional que pudesse representar e defender os Municípios, especialmente, no Congresso Nacional e junto ao governo federal”, contou.

Aroldi também falou da importância do conselho político e do MMM, que definem a pauta e as ações estratégicas do movimento, e da Federação Latino Americana de Cidade (Flacma) e da Cidades e Governos Locais Unidos (CGLU) – entidades internacionais municipalistas.

Prova
“Toda essa estrutura prova, para as autoridades do Brasil e do mundo, que o caminho para melhorar a vida das pessoas é o fortalecimento de cada comunidade e de cada Município do Brasil e do mundo”, disse. “Precisamos estar atentos, unidos e preparados para, havendo necessidade, fazermos as mobilizações. É um trabalho árduo, difícil, mas que dá resultado”, reforçou.

Aroldi também lembrou que “a partir de agora, a missão de dar continuidade a essa história é de cada prefeito e cada gestor eleito ou releito”. “Precisamos dar o melhor de nós para escrever essa história tão bonita e tão fantástica que tem ajudado tantas pessoas que precisam do poder público”.

Chuva ou sol
“Faça chuva ou faça sol nós estaremos mobilizados”, bradou ao relatar algumas das grandes mobilizações na capital federal. A última foi para mostrar ao governo a importância dos Municípios e para fazer frente contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 188/2019 no novo pacto federativo, que previa a extinção de 1.252 Municípios.

Durante a abertura dos trabalhos, Aroldi também destacou algumas conquistas, como os adicionais de 1% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de julho e de dezembro. Ele aproveitou para chamar os novos gestores a se envolverem na luta para que haja mais um repasse extra de 1% em setembro.

Mudanças
As alterações promovidas no Imposto sobre Serviços (ISS), que gerou aumento da arrecadação de R$ 404 bilhões, de 2003 pra cá, também fizeram parte da apresentação do presidente da CNM, assim como as novas mudanças aprovadas pelo Congresso, bloqueadas por liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Outros temas ganharam destaque na abertura do Novos Gestores, dentre eles: o encontro de contas das dívidas previdenciárias dos Municípios com a União; e as matérias recentes aprovadas por deputados e senadores, que deram resultados importantes e viabilizaram a gestão local durante a pandemia da Covid-19.

Exemplo
Outro exemplo é o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), tão importante para a região Nordeste. “É importante para todos os Municípios, mas especialmente para região Nordeste. Melhoramos muito. Houve avanços significativos e temos muito a comemorar”, ponderou ao dizer que ainda não foi o ideal.

Nova lei de licitações, Lei Aldir Blanc, compensação das perdas com a Lei Kandir e frentes parlamentares em defesa dos Municípios com apoio técnico da CNM também foram explicadas pelo presidente da CNM. Ele avisou que o contato com os parlamentares é fundamental para o andamento da pauta prioritária, e mostrou como essa atuação se traduziu em R$ 404,7 bilhões só para o enfrentamento da pandemia.

Dia a dia
“Tenho convicção, sem essas conquistas, muitos Municípios teriam fechado as portas. O gestor não teria a mínima condição de prestar os serviços básicos a sua população”, alertou ao reafirmar, mais uma vez, o impacto do trabalho do dia a dia da gestão municipal. De acordo com Aroldi, os novos gestores ainda terão muitos desafios. Ele citou o elevado número de desempregados e a redução do Produto Interno Bruto (PIB).

O líder municipalista ainda chamou atenção para a sazonalidade do FPM; e para a necessidade de campanha informativa sobre a vacinação da Covid-19. “Nós precisamos aumentar a nossa participação no bolo tributário, não vamos aceitar que nenhum Município tenha prejuízo de arrecadação com a Reforma Tributária”, disse também.

Atuação
Os Municípios participam com apenas 19% do bolo, e como a reforma não pode aumentar a carga tributária, para Aroldi, o que precisa ser feito é uma melhor redistribuição. Emocionado, ele falou da vacinação, desabafou sobre a politização de um assunto tão importante e alertou: “a política nessa área só será eficaz com a atuação do gestor local”.

Ao final da abertura do seminário, o presidente voltou a afirmar: “nosso movimento trabalha com muita força, mas ele precisa do apoio de cada um de vocês. A articulação política depende de mobilização, de pressão. Brasília conhece muito bem a linguagem da pressão, por isso estar unidos para no momento adequado fazer a mobilização necessária para melhorar a nossa participação no bolo tributário”

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Propaganda

CIDADES

Presidente da AMM lamenta falecimento de ex-governador Frederico Campos

Publicados

em


Em nome dos prefeitos de Mato Grosso, o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, lamenta o falecimento do ex-governador e ex-prefeito de Cuiabá, Frederico Campos, aos 93 anos, vítima da Covid-19. Campos estava internado em um hospital particular de Cuiabá, mas não resistiu às complicações da doença.

 “Lamentamos a perda do ex-governador e ex-prefeito, que muito contribuiu para o desenvolvimento da capital e do estado de Mato Grosso. Reconhecemos a importância da sua atuação no cenário político estadual e o seu exemplar legado como homem público. Prestamos a nossa mais sincera homenagem ao senhor Frederico Campos e nos solidarizamos com os familiares e amigos neste momento de tristeza e profundo pesar”, assinalou Fraga.

Frederico Campos  foi nomeado prefeito de Cuiabá pelo governador Pedro Pedrossian tendo cumprido o mandato entre 1967 e 1969. Também atuou como secretário de Obras no governo Garcia Neto (1975-1978)  e foi o primeiro indicado ao governador de Mato Grosso em 1978 pelo presidente Ernesto Geisel, sendo o segundo a ocupar o cargo após a divisão do estado determinada por lei. Em 1988, venceu sua primeira eleição direta ao ser eleito prefeito de Cuiabá.

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana