cultura

Espetáculo audiovisual denuncia intolerância contra religião de matriz africana

Publicados

em

O corpo é o principal instrumento de trabalho do ator, que incorpora personagens e compõe cenas não só para entreter, mas provocar reflexões. Em seu processo de amadurecimento artístico, o várzea-grandense Andreel Ferreira, que antes de se formar ator e pesquisador de teatro já era umbandista praticante desde os 12 anos, passou a notar a influência da religiosidade em sua performance teatral. E com a responsabilidade de um Ogan, faz da arte cênica um meio para denunciar a intolerância religiosa e desmistificar estereótipos.

“A umbanda é o meu corpo e meus atos ritualísticos fazem parte de mim. Muitas vezes a gente se inibe pelo receio de não ser bem interpretado ou bem quisto. Por muito tempo eu deixei esse lado meu não reverberar, quando eu deveria ter escutado”, reflete Andreel sobre o processo de pesquisa, afirmação de identidade e libertação, que culminou na criação de seu primeiro monólogo: ‘Encruza’.

Com recursos da Lei Aldir Blanc, através do edital MT Nascentes, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o projeto “Encruza – do terreiro pra tela” foi adaptado para o audiovisual pelo Teatro Imagem e Solta Cia de Teatro. O resultado será apresentado ao público virtualmente a partir das 19h, do dia 07 de maio, no Youtube, onde fica disponível durante 30 dias.

Em ‘Encruza’, Andreel traduz e protagoniza histórias como a sua, a partir das vivências de um corpo inserido na umbanda. Dentre os elementos ritualísticos que compõem o espetáculo, estão os pontos cantados e o ponto riscado (cânticos sagrados e desenho de representação das entidades espirituais), o toque do atabaque, a defumação, a dança, as velas coloridas. E representando uma personagem, Maria Boipeva, em certa altura Andreel se coloca em cena como a entidade Exu Mulher.

Com o trabalho, o objetivo é proporcionar uma experiência sensorial para quem assiste, ao mesmo tempo que desconstrói uma interpretação “demonizada” das religiões de matriz africana. “Um preconceito sobre nós, de que cultivamos o demônio, de que o povo preto acredita em diabo e que coisas negativas estão do nosso lado”, denuncia o ator.

“Mas faço minhas as palavras de mãe Flávia Pinto: eles [os intolerantes] não entendem de onde vem a nossa força, acreditam que estamos do lado do mal porque nós somos resistência. Resistimos a mais de 400 anos de escravidão e continuamos resistindo ao racismo religioso”, complementa.

A intolerância religiosa é, portanto, o principal disparador do espetáculo, baseado em casos reais vividos pelo Centro Espírita Nossa Senhora da Guia-Seara Pai Joaquim de Angola, terreiro de Andreel. Mas para o ator, ‘Encruza’ é, também, uma mensagem de reação.

“Não estamos mais disponíveis a sofrer com intolerância, a ficar quietos quando vamos a uma encruzilhada, um carro nos segue e nos dá quatro tiros nas costas. Nem mais nos calar quando entram no terreiro e depredam tudo, colocam fogo, e matam nossos adolescentes. Por isso a importância de fazer ‘Encruza’ circular, de utilizarmos a internet a nosso favor”.

Do terreiro para as telas

A gravação de ‘Encruza’ é a continuidade de um processo criativo que começou em 2019. Andreel Ferreira é um dos diretores do grupo Teatro Imagem e egresso da MT Escola de Teatro. O espetáculo nasceu em um Território Livre, módulo em que alunos podem criar a partir do tema e linguagem que preferirem. No mesmo ano, foi apresentado ao público na Leviana Bar, espaço cultural da família de Andreel na Praça da Mandioca e, em novembro, integrou a programação do renomado festival Satyrianas, em São Paulo.

Nesse percurso, o espetáculo contou com o trabalho de Benone Lopes, da Solta Cia de Teatro, que exerceu a função de encenador, diferentemente de uma direção de teatro e audiovisual tradicional. “Foi muito mais um processo de montar uma equipe, de organizar as criatividades e propor procedimentos para instigar o Andreel a potencializar o lado performativo. A grande sacada de ‘Encruza’ é a história dele enquanto artista e umbandista, e foi para potencializar isso que começamos a trabalhar juntos”, explica Benone.

No formato audiovisual, ‘Encruza’ cresceu com uma estrutura de cenário, figurino, iluminação, captação de imagem e som, de profissionais sensíveis e capacitados para registrar o espetáculo em um espaço diferente de um palco de teatro. O espetáculo foi gravado diretamente do terreiro de Andreel, sem que a performance perdesse a potência do “encontro” com o público.

“A performance tem uma coisa muito forte que é o acolhimento, que faz com que as pessoas se sintam participantes daquele ritual, justamente o que faz com que os não umbandistas possam refletir como é essa prática religiosa. Foi preciso pensar uma experiência audiovisual para o online que fosse próxima da imersão”, reforça Benone.

Para Andreel, o resultado foi muito positivo. “Eu estava ali dentro da minha casa, onde nasceram todas as referências de Encruza. Minha plateia eram as entidades, o calor daquelas paredes, a vibração, as minhas lembranças”. Ele acredita que o vídeo será importante para levar a mensagem ao público que, principalmente nesse momento, não pode estar em um teatro.

Com o projeto também foi possível realizar um mini documentário que retrata o espaço do Centro Espírita Nossa Senhora da Guia-Seara Pai Joaquim de Angola a vida de Andreel junto a sua mãe de santo e outros frequentadores do terreiro. O material será disponibilizado em breve.

Serviço

Espetáculo “Encruza”

Data: 07 de maio de 2021 (sexta-feira)

Horário: 19 horas (MT)

Local: Canal do Solta Cia de Teatro, no Youtube

Acesso: Gratuito

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

cultura

Lives comemorativas celebram 30 anos de popular programa de rádio em Poxoréu

Publicados

em

Em Poxoréu (MT), um programa de rádio, que começou nos estúdios de emissora AM em 1990, percorre bairros e distritos para apresentar tradições sertanejas, da viola, da sanfona e da música caipira brasileira. Consolidado como vitrine cultural, o programa Domingo Sertanejo celebra os 30 anos de existência com lives festivas e a próxima pode ser conferida no domingo (16.05), a partir das 18h30.

Com o tema ‘Forrozeando’, a terceira live comemorativa exalta os gêneros musicais da manifestação cultural que é bastante popular na cidade. A programação especial terá a participação dos forrozeiros da região Zenilde e Mauro dos Teclados, Afonsinho e Mineirinho do Forró e Tita Sanfoneiro e Deraldo.

A transmissão online acontece na página de facebook do projeto ‘Domingo Sertanejo: 30 anos e outros mais’, que foi selecionado no edital MT Nascentes promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), com recursos da lei federal Aldir Blanc. O projeto abrange quatro transmissões ao vivo comemorativas que são gravadas seguindo todos os protocolos de proteção contra a covid-19.

A primeira live teve como tema ‘A Influência da Cultura Nordestina em Poxoréu’, com a apresentação de sanfoneiros em fevereiro deste ano. No início de maio, a segunda transmissão foi dedicada a contar a história da viola no município, trazendo reconhecidos violeiros da região. O tema da quarta e última live, com previsão para transmissão em 30 de maio, será ‘Um programa de amigos’ e terá apresentações de diversos talentos da música sertaneja.

Domingo Sertanejo

O programa produzido e apresentado pelo radialista Osvaldinho Júnior começou em 1990 na Rádio Cultura AM de Poxoréu. Com a extinção da rádio, o programa chegou a ir para outra emissora, mas foi nas ruas, nos palcos improvisados em bares e salões de festas que o Domingo Sertanejo e se consolidou na vida cultural do município.

Atuando de forma itinerante, o apresentador leva as culturas sertaneja, nordestina e caipira aos bairros e distritos do Poxoréu, mantendo a relação afetiva da comunidade com o programa.

“Paramos um pouco na pandemia. Mas, são mais de 1440 domingos ao lado dos amigos, visitando bairros, distritos, famílias e levando música sertaneja para aqueles que mais se alegram com ela”, destaca Osvaldinho.

Serviço

Live ‘Forrozeando – Domingo Sertanejo: 30 anos e outros mais’

Data: domingo (16.05)

Horário: a partir das 18h30

Transmissão: facebook.com/DomingoSertanejoOsValoresDeNossaTerra

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana