AGRO & NEGÓCIO

Espécies florestais amazônicas têm germinação estudada

Publicados

em


Saiu mais uma publicação da série sobre germinação de sementes de espécies amazônicas editada pela Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA), desta vez sobre o guajará-bolacha, importante para restauração florestal em áreas degradadas da região.

O comunicado técnico “Germinação de sementes de espécies amazônicas: guajará-bolacha [Pouteria oppositifolia (Ducke) Baehni]” é o primeiro trabalho do gênero sobre a espécie. “Contém informações importantes para o plantio ou até mesmo posteriores estudos sobre o armazenamento das sementes”, afirma o pesquisador Eniel David Cruz, da Embrapa Amazônia Oriental, e autor da obra.

Os que planejam fazer recuperação de áreas degradadas vão encontrar na publicação dados que compõem a base do conhecimento sobre a espécie. “Para quem tem interesse em plantar e produzir mudas a partir de sementes de qualidade, é fundamental conhecer aspectos da dispersão, coleta, biometria, beneficiamento, transporte, armazenamento e, especialmente, germinação das sementes”, enfatiza o pesquisador.

O trabalho está disponível no Portal Embrapa para consultas e downloads, acessível por dois links: direto à publicação e por intermédio do repositório de publicações técnico-científicas da instituição.

Série sobre espécies amazônicas

As obras sobre germinação de sementes de espécies arbóreas da Amazônia começaram a ser publicadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em 2014, como comunicados técnicos dentro da linha editorial Transferência de Tecnologia. A publicação sobre o guajará-bolacha é a 39ª da série.

As 38 espécies enfocadas antes, por ordem de publicação, são: paricá, jatobá, sucupira-da-terra-firme, fava-arara-tucupi, angelim-vermelho, pracaxi, maçarandubarana, ingá-costela, ucuúba, maçaranduba, gombeira-escamosa, ajaraí, marupá, ingá-pau, mogno, cajuí, tauari-branco, acapu, cutite, pau-preto, abiu-cabeça-de-macaco, louro-roxo, abiu-quadrado, faveira-folha-fina, mututi-da-terra-firme, acariquara, araracanga, acapurana, ingá-peludo, assacu, abiu-rosadinho, faveira-preta, breu-vermelho, tuturubá, visgueiro, muirapiranga, palheteira e matamatá-ripeiro.

Nomes e usos

Muitos são os nomes populares dessa espécie: abiu, abiu-branco, abiu-rosadinho, abiu-ucuubarana, abiurana, goiabão, guajará-amarelo, guajará-vermelho e moabe, mas guajará-bolacha é o mais comum.

São árvores que ocorrem naturalmente nos estados do Amapá, Maranhão, Pará, Acre e Roraima, podendo alcançar 45 metros de altura e 150 centímetros de diâmetro à altura do peito.

A madeira do guajará-bolacha é utilizada de inúmeras formas. Serve para fazer escultura, instrumento musical, móveis, cabos de ferramentas e utensílios, carroceria, caixotaria, embarcação, esquadria, estrutura de cobertura, guarda-sol, palete (ou pálete), objetos pequenos, piso e revestimento.

De acordo com a pesquisa, as sementes do guajará-bolacha germinam de forma lenta e desuniforme, iniciando por volta do 38º dia após a semeadura e encerrando no 68º dia, com 91,6% das sementes germinadas. O estudo foi feito com material proveniente do campo experimental da Embrapa Amazônia Oriental localizado no município de Moju (PA).

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Embrapa Cocais, secretarias de estado e Conecta Brasil assinam acordo de cooperação técnica para inovação social

Publicados

em


Nesta segunda, 1 de março, às 10h, será realizada cerimônia de assinatura de termo de cooperação técnica entre Embrapa Cocais, Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação – SECTI, Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular e a startup Conecta Brasil 360. O acordo tem o objetivo de desenvolver metodologia de implantação, monitoramento e avaliação de estratégia de inovação social no estado do Maranhão. O evento será transmito online pelo you tube da Embrapa e da Secti Maranhão. 
 
A iniciativa se espelhou no negócio Delícias do Babassu, gerido por quebradeiras de coco babaçu quilombolas da Comunidade de Pedrinhas Clube de Mães de Anajatuba – MA. A Embrapa Cocais buscou a Conecta Brasil 360 para construir curso virtual para as quebradeiras de coco da comunidade e proporcionar visibilidade, conexão e estruturação de negócios para os produtos oriundos do coco babaçu. O curso está vinculado ao Projeto Bem Diverso, na atividade “Novos Processos Alimentícios com Babaçu. 
 
Segundo a pesquisadora Guilhermina Cayres, o curso está sendo realizado desde junho, totalmente online por conta da pandemia, para manter os contatos neste momento de distanciamento social e promover processo de capacitação em gestão de empreendimento coletivo, identificando e agregando valor aos seus produtos e desenvolvimento pessoal e profissional para autonomia e empoderamento às quebradeiras de coco. “O curso tem propiciado também criar espaços significativos de aprendizagem e troca de experiências e apoiar no planejamento das atividades do grupo, contribuindo para o protagonismo das quebradeiras de coco nesse processo de maturidade do grupo, o que vai repercutir no produto final do trabalho delas e na cadeia de valor do coco babaçu”, completa Guilhermina.
Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana