lucas do rio verde

Escolas municipais serão equipadas com kits de robótica e laboratórios de ciências

Os conjuntos de instrumentos foram entregues pelo prefeito Luiz Binotti e a secretária de Educação Cleusa Marchezan De Marco na tarde de terça-feira (06.08), no auditório do Paço Municipal

Publicados

em


Secom | Lucas

kit robotica

Escolas municipais serão equipadas com kits de robótica e laboratórios de ciências

Nove escolas de ensino fundamental da rede municipal passarão a contar a partir desta semana com alguns dos mais modernos equipamentos disponíveis para laboratórios de ciências e outras sete unidades terão kits para oficinas de robótica.

 

Os conjuntos de instrumentos foram entregues pelo prefeito Luiz Binotti e a secretária de Educação Cleusa Marchezan De Marco na tarde de terça-feira (06.08), no auditório do Paço Municipal, para as equipes gestoras das unidades escolares durante a programação da II Jornada de Inovação Pedagógica. Também foram distribuídos 195 tablets para uso dos professores em cada uma das salas de aula das nove instituições.

Secom | Lucas

Prefeito de Lucas do Rio Verde Luiz Binotti

Prefeito de Lucas do Rio Verde, Luiz Binotti

O prefeito Luiz Binotti disse que a entrega dos 18 kits de robótica e dos demais equipamentos representa a preocupação do Executivo e da Secretaria de Educação de colocar nas mãos dos professores e alunos as mais modernas ferramentas para que as aulas tenham maior qualidade. “O sistema tradicional não desafia e não instiga o aluno a pensar diferente e evoluir mais. Certamente isso vai propiciar um desenvolvimento melhor e quem sabe teremos grandes cientistas e empreendedores saindo dos nossos bancos escolares”, declarou.

 

Na opinião da secretária municipal de Educação, Cleusa Marchezan De Marco, a chegada dos equipamentos vai contribuir para a implementação do novo currículo escolar, que traz o uso de tecnologias ativas e o aluno para o centro do processo de aprendizagem. “Nós precisamos oportunizar aos nossos educadores alternativas para o planejamento de aulas diferenciadas e que contemplem este novo currículo e que tragam mais motivação e mais aprendizagem para as nossas crianças. Temos professores comprometidos com a educação e acostumados com desafios e certamente os resultados virão”, frisou.

 

Responsável pela implantação do projeto piloto da oficina de robótica da Escola Fredolino Vieira Barros, no distrito de Groslândia, a professora Maria Cecília Lira fez uma demonstração de modelos criados com as peças dos kits e falou sobre como o uso dos protótipos poderá contribuir para o desenvolvimento da aprendizagem das diferentes disciplinas desde o primeiro ano escolar. “Iniciamos o projeto com robótica sustentável, construindo nossos protótipos com produtos recicláveis encontrados na própria comunidade e isso passou a dar suporte para o ensino na sala de aula. Agora com a chegada destes kits vamos poder trabalhar mais a fundo o raciocínio lógico porque utilizaremos a linguagem de programação. Antes eu estava trabalhando com software livre, o que impedia o uso nos protótipos reciclados”, disse.

 

A professora de Biologia Lindonésia Andrade destacou que poucas instituições universitárias dispõem de alguns equipamentos recebidos pelas escolas da rede municipal para equipar seus laboratórios de ciências. Os nove kits distribuídos contêm microscópios monocular, binocular e trinocular, esqueleto e dorso humanos em tamanho real, vidrarias, reagentes, maquetes de células animais e vegetais e ainda outros materiais próprios de laboratórios científicos.

 

O desafio, segundo ela, que também é responsável pela montagem dos laboratórios em todas as escolas, será a formação que os professores terão que receber para que os equipamentos possam ser bem aproveitados e sejam oferecidas aulas mais prazerosas para o conjunto de estudantes. “Isso é inédito em nosso município, pois vamos oferecer para os nossos alunos do 1º ao 9º ano a oportunidade de sair do aprendizado teórico e passar para aulas práticas. Do 6º ao 9º ano isso já era comum com os professores de área, que trabalham essa associação dos planos teórico e prático”, explicou.

 

Para a professora Sandra Maria Trombetta, poder fazer uso dessas ferramentas nas escolas significa motivar o aluno e mostrar para ele onde a teoria realmente pode ser aplicada. “No laboratório você consegue mostrar para ele onde poderá usar o que está estudando e a importância de aprender aquilo, tornando significativa a aprendizagem. Dessa forma, o professor consegue tornar prático e lúdico o processo de aquisição do conhecimento”, observou. 

anuncio Orale Vida 600x300

 

Comentários Facebook
Propaganda

lucas do rio verde

Serviço de Água e Esgoto alerta para ligações clandestinas e violação nos hidrômetros

Publicados

em

Todos os anos, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Lucas do Rio Verde contabiliza dezenas de ocorrências relacionadas ao furto de água e adulteração de hidrômetro em residências e estabelecimentos comerciais e setor industrial da cidade.

O desvio da água geralmente é feito por meio de ligação clandestina, desviada do hidrômetro diretamente para o interior do local, assim, o Saae não tem como aferir o consumo e cobrar pelo fornecimento.

Outra prática comum é a violação do hidrômetro. O método consiste em colocar uma agulha, palito e até arame dentro do aparelho, bloqueando o ponteiro de marcação do consumo da água, fazendo com que o valor da tarifa fique bem abaixo do normal.

“Essas são as fraudes mais comuns que temos detectado, mas existem outras que, somadas, causam prejuízos significantes, comprometendo de alguma maneira os investimentos em melhoramento do sistema de distribuição de água”, pontua o fiscal de rede do Saae, Valdiano da Silva Sousa.

FISCALIZAÇÃO

O consumidor que fraudar hidrômetro ou desviar água clandestinamente, além de pagar multa, pagará por um novo hidrômetro e responderá criminalmente pela fraude. A punição com multa está prevista no Decreto Municipal nº 1.083/2002, no artigo 108, e conta com revisão do valor dos custos das infrações, descritas no Decreto nº 2.544/2013.

Quando verificada irregularidade, o Saae é obrigado a registrar o Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia, dando início ao inquérito policial.

Veja na tabela anexa as infrações que podem resultar em multa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana