mato grosso

Empresa vencedora de licitação apresenta proposta menor que o valor previsto

Publicados

em

A Construtora Augusto Velloso S/A é a empresa vencedora da licitação para a construção do Hospital Regional do Araguaia, no município de Confresa. A proposta apresentada é da ordem de R$ 109.123.603,41, cerca de 6% menor do que a previsão feita pela equipe técnica da SES, cujo valor estimado foi de R$ 116,700.000,00.

A assinatura da ordem de serviço para início da obra deve ocorrer nos próximos dias. “A população dos municípios da região do Araguaia contará com um hospital mais próximo, o que será um alívio. Os pacientes não precisarão se deslocar vários quilômetros à procura de especialidades de saúde em outras cidades. O Governo do Estado prioriza a saúde, para promover um atendimento ágil, moderno e de qualidade”, destaca a secretária estadual de Saúde, Kelluby de Oliveira.

Por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), o Governo de Mato Grosso já iniciou a obra do Hospital Regional de Juína, avaliada em R$ R$ 106,7 milhões. Também em 2022 deve iniciar a construção do Hospital Regional de Tangará da Serra, cuja licitação está em fase de análise dos recursos interpostos pelas empresas desclassificadas da concorrência. A construção da unidade de saúde tangaraense está estimada em R$ 117,2 milhões.

Ainda está em licitação a construção do Hospital Regional de Alta Floresta, estimada em R$ 119 milhões. A SES está analisando os recursos interpostos pelas empresas desclassificadas.

Novas estruturas

Os novos Hospitais Regionais contarão com 151 leitos cada, sendo 111 leitos de enfermaria e 40 UTIs, entre adultas, pediátricas, neonatal e unidade semi-intensiva neonatal, para atendimento de média e alta complexidade.

As unidades também terão 10 consultórios médicos, dois consultórios para atendimento a gestantes, seis salas de centro cirúrgico e espaços para banco de sangue, banco de leite materno e para realização de exames, como tomografia e colonoscopia.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

mato grosso

Supostos organizadores do ‘Dia do Fogo’ são alvos de operação em Mato Grosso

Publicados

em

Sete mandados de buscas e apreensão, expedidos pelo Poder Judiciário em Colniza, município distante 1.042 km de Cuiabá, estão sendo cumpridos neste sábado (13), na Operação Jomeri. Os alvos são pessoas físicas e jurídicas responsáveis, em tese, pela organização da ação criminosa conhecida como “Dia do Fogo”.

A Operação é um desdobramento da ação fiscalizatória realizada no dia 05 de agosto. A iniciativa é desenvolvida de forma conjunta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco Ambiental), Promotoria de Justiça de Colniza, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Regional de Juína, Delegacia Municipal de Colniza, Grupo de Operações Especiais (GOE), Batalhão de Proteção Ambiental da Polícia Militar e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

De acordo com as investigações, um grupo de indivíduos estaria se organizando para provocar, de forma coordenada, queimadas em áreas de floresta nativa em vários pontos da região de Colniza. O modo de agir seria o mesmo utilizado há três anos, no Estado do Pará, quando a fumaça gerada por queimadas criminosas percorreu milhares de quilômetros pelo território brasileiro.

Leia também

A área total das propriedades investigadas ultrapassa 300 mil hectares, dos quais já se constatou um desmatamento de 50 mil hectares. Os envolvidos na ação poderão responder pelos crimes de associação criminosa, desmatamento e queima Ilegal, crime contra a administração ambiental, dentre outros. A investigação teve início no ano de 2021.

Além das medidas de busca e apreensão, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso instaurou dezenas de procedimentos de natureza cível, buscando a reparação socioambiental pela degradação já ocorrida. O valor total das indenizações é de R$ 421.731.922,05.

Desde a notícia de que ocupantes de uma das fazendas da região promoveriam incêndio criminoso na área, a Sema, por meio da Superintendência de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, posicionaram suas equipes na área de forma ostensiva a prevenir e impedir a ação dos infratores, bem como identificar as pessoas ligadas à incitação lesiva ao meio ambiente. Já foram lavrados 18 autos de infração pela prática de desmate ilegal, que correspondem a 50% do desmate para o município de Colniza.

De 08 a 12 de agosto, o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental aplicou em quatro pontos da região multas de R$ 200 mil por quebra de embargo e de R$ 450 mil desmate ilegal, totalizando R$ 650 mil. Ao todo, foram fiscalizados oito alertas.

Em Mato Grosso, o uso do fogo está proibido desde o dia 1º de julho e a vedação segue até o dia 30 de outubro.

SIGNIFICADO – A denominação da operação faz referência ao nome do antigo psicólogo que estudou sobre o problema da piromania (caracterizada por atear fogo de forma intencional e compulsivamente) e deu origem a todos os recentes estudos e tratamentos sobre citada síndrome.

Fonte: MP MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana