AGRO & NEGÓCIO

Embrapa vai participar ativamente do VII Congresso Brasileiro sobre Gestão do Ciclo de Vida

Publicados

em


A Embrapa vai participar do VII Congresso Brasileiro de Gestão de Ciclo de Vida – GCV 2020/21, que ocorre de 28 de setembro a 1 de outubro, evento on-line que terá como tema central “Contribuições para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”.

Promovido pela Associação Brasileira de Ciclo de Vida (ACBV) desde 2008, o evento vem ganhando importância a cada edição na agenda técnico-científica sobre a temática no Brasil. Busca aproximar cientistas, profissionais, empresas, formuladores de políticas públicas e de fomento à pesquisa, estudantes e indústrias, visando ao avanço do conhecimento e à adoção da metodologia de ACV.

Os debates se darão sobre a avaliação e gestão do ciclo de vida e suas aplicações à rotulagem ambiental, inovação, economia circular, políticas públicas, métodos e modelos. Os temas abordados irão abranger e conectar também diferentes setores produtivos, como energia e transporte, indústria, cidades, alimentação, entre outros.

Conforme explicou a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Marília Folegatti Matsuura, estarão envolvidas no evento quatro Unidades da Embrapa – Meio Ambiente, Gado de Leite, Pantanal e Agroindústria Tropical, que apresentarão algumas dezenas de trabalhos com aderência ao tema.

Segundo Marília, o evento é uma oportunidade para a Empresa apresentar os trabalhos desenvolvidos pela pesquisa e ainda ter a possibilidade de debater, com os diversos atores, a gestão e a governança destas informações, que são, na prática, a base para a construção de sistemas pautados em sustentabilidade.

Já o pesquisador da Embrapa Pantanal, Fernando Dias, ressalta que a preocupação com a sustentabilidade de sistemas de produção agropecuária não é algo novo, e ela tem crescido. De acordo com ele, a abordagem por Avaliação de Ciclo de Vida começou com indústrias de processo e manufatura e cada vez mais é adotada na agropecuária. “Um País como o Brasil, já há muito percebido como o celeiro do mundo, precisa cada vez mais de ACV na sua produção. Eventos como GCV 2021 são mais do que oportunos: são necessários,” disse.

Trabalhos

A Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) apresentará dezenas de trabalhos no Congresso, com destaque para dois estudos: Pegada de carbono do café arábica produzido em diferentes sistemas de produção, que descreve os principais sistemas de produção de café arábica em grãos praticados no sul de Minas Gerais e avalia a cultura quanto à pegada de carbono, identificando os pontos críticos para a melhoria do desempenho ambiental. O outro destaque fica por conta do trabalho Desempenho ambiental do amendoim produzido em sistema de rotação com pastagem – estudo que buscou avaliar o desempenho ambiental de um sistema de produção de amendoim com pastagem, típico da região da Alta Paulista, usando a ACV do berço ao portão da fazenda. Além da apresentação de trabalhos, pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente ministrarão dois minicursos dentro do tema do Congresso já no primeiro dia do evento (ver abaixo).

A Embrapa Gado de Leite (Juiz de Fora, MG), participará com a apresentação de quatro trabalhos, com destaque para Desafios para construção de inventário de ciclo de vida da produção de leite no Brasil – trabalho que vai na direção da necessidade de construção de Inventários de Ciclo de Vida (ICV) da produção de leite representativos, regionalizados, os quais vão possibilitar a elaboração de estratégias adaptadas para o incremento de soluções em direção a um desenvolvimento sustentável da pecuária leiteira.

Pela Embrapa Pantanal (Corumbá, MS), entre os trabalhos que serão apresentados, destaque para Avaliação dos impactos ambientais da produção de forragens para caprinos e ovinos no Semiárido brasileiro.

A Unidade da Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza, CE) também apresentará trabalhos no evento.

Minicursos
 
O VII GCV 2020/21 está oferecendo aos participantes alguns minicursos dentro do tema. A equipe de ACV da Embrapa Meio Ambiente é organizadora e docente em dois minicursos a serem realizados em 28 de setembro de 2021, a saber:

Introdução à ICVCalc Embrapa: conceitos básicos + Mudança de uso da terra em ACV de produtos agropecuários

Horário: 8h às 11h

Ministrantes: Marília Ieda Da Silveira Folegatti Matsuura, Anna Leticia Montenegro Turtelli Pighinelli, Ricardo Antonio Almeida Pazianotto, Renan Milagres Lage Novaes, Vinícius Gonçalves Maciel, Danilo Trovo Garofalo e Fernando Henrique Cardoso, todos da Embrapa Meio Ambiente.

Descrição: Curso com foco na elaboração de inventários de ciclo de vida (ICV) de produtos agropecuários, tendo como base as ferramentas da Embrapa ICVCalc e BRLUC, esta última voltada para estimativas de mudança de uso da terra. O curso é voltado para profissionais e estudantes interessados em realizar estudos e análises dessa natureza. Serão apresentados conceitos e especificidades dos temas alinhados com os principais protocolos internacionais, assim como as funcionalidades das ferramentas de uso gratuito. Espera-se que o conteúdo do curso forneça subsídios para estudos de ACV e ICV mais ágeis e acurados.

Modelo PEST-LCI para condições brasileiras + SICV Brasil: como utilizar o banco Brasileiro para melhorar seus inventários

Parte 1 – horário: 14h às 16h

Ministrantes: Marcelo Augusto Boechat Morandi, Marília Ieda da Silveira Folegatti Matsuura, Robson Rolland Monticelli Barizon da Embrapa Meio Ambiente, Michelle Tereza Scachetti e Vitória Ferreira de Lanes da Fundação Espaço Eco.

Descrição: O modelo PEST-LCI calcula a partição de pesticidas para os diferentes compartimentos ambientais a partir de características químicas das moléculas e condições edafoclimáticas dos locais de aplicação, suprindo a atual lacuna observada na elaboração de ICVs de produtos agrícolas (adoção de 100% de emissões para o compartimento solo ou outras premissas mais simplificadas). Visando explorar o diferencial do modelo, permitindo a estimação das emissões de maneira mais assertiva, o curso é voltado para profissionais e estudantes que estejam desenvolvendo ou tenham interesse em gerar ICVs para produtos da cadeia agrícola. Serão apresentados em detalhes o modelo e sua parametrização para o contexto brasileiro e realizadas simulações de como aplicar o modelo, além de discussões sobre os resultados encontrados.

Parte 2 – horário: 16h30 às 18h30

Ministrantes: Tiago Braga (Ibict); Thiago Rodrigues (Ibict); Juliana Gerhardt (Ibict); Diogo Aparecido Lopes Silva (UFSCar); Marília Ieda da Silveira Folegatti Matsuura (Embrapa Meio Ambiente); Màri Luisa Shiosawa (Embrapa Meio Ambiente); Gustavo Costa do Nascimento (Embrapa Meio Ambiente); João Victor Encide Salla (Embrapa Meio Ambiente); Rafael Pereira Albuquerque (Embrapa Meio Ambiente).

Descrição: o curso tem como objetivo demonstrar a importância do SICV Brasil para o desenvolvimento sustentável do País, com foco no funcionamento do banco nacional: como fornecer e como usar datasets; ferramentas básicas; conversor e qualidade dos inventários submetidos. Também serão abordadas limitações e possibilidades para o SICV Brasil. Espera-se que o curso possa subsidiar ferramentas para a correta utilização do Banco Nacional de Inventários do Ciclo de Vida, bem como disseminar o seu uso entre profissionais, pesquisadores e estudantes.

Serviço:
Consulte todos os minicursos neste link:

https://www.ufrgs.br/gcv2020/minicursos/

Plataforma de inscrições para os minicursos: http://schenautomacao.com.br/gcv/

Dúvidas:  [email protected]

Postagens do evento nas redes sociais (curta e compartilhe):

https://www.instagram.com/gcv2020/
https://www.facebook.com/gcv2021
https://www.linkedin.com/in/gcv2020/

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Software de gestão ambiental de granjas de suínos da Embrapa já tem mais de mil usuários cadastrados

Publicados

em


O Software de Gestão Ambiental da Suinocultura (SGAS) da Embrapa Suínos e Aves chegou nesta semana à marca de mil usuários cadastrados. Lançado em setembro de 2020, o SGAS é o primeiro software do país que auxilia na gestão e no licenciamento ambiental de granjas de suínos.

O pacote de aplicativos, que funciona através de um navegador da internet, abrange diversas funcionalidades que automatizam e padronizam projetos e análises de processos de licenciamento ambiental, antes elaborados de forma manual ou por meio de planilhas. O programa traz confiabilidade e rastreabilidade às propriedades e também aos estados onde é adotado.

Segundo o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves Rodrigo Nicoloso, a falta de padronização na metodologia e nos processos de licenciamento “gerava divergência de interpretações e insegurança dos analistas dos órgãos ambientais, levando muitas vezes a atrasos na avaliação dos processos e retrabalho na formulação dos projetos”.

O SGAS está disponível gratuitamente no site da Embrapa Suínos e Aves, ou diretamente no endereço www.cnpsa.embrapa.br/sgas. O programa é indicado para produtores rurais, profissionais de assistência técnica, extensão rural e licenciamento ambiental, gestores de agroindústrias e cooperativas e analistas de órgãos ambientais, além de gestores públicos que atuam nas áreas de tratamento de resíduos, meio ambiente, agronomia, engenharia agrícola, engenharia sanitária e ambiental.

O Software de Gestão Ambiental da Suinocultura é um dos resultados do modelo inovador de gestão ambiental desenvolvido pela Embrapa em parceria com a então Fundação do Meio Ambiente (Fatma), hoje Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), para regulamentar o licenciamento ambiental da suinocultura em Santa Catarina. O modelo resultou na Instrução Normativa 11/2014, hoje também adotada pela resolução 143/2019 do Conselho Estadual do Meio Ambiente de Santa Catarina (Consema).

Entre os benefícios decorrentes da IN11/2014, estão a definição de critérios e limites para a reciclagem dos dejetos líquidos de suínos na agricultura e a instituição de um programa de monitoramento da qualidade do solo em áreas adubadas com esses resíduos. Segundo Nicoloso, esse programa permite identificar áreas agrícolas saturadas pela aplicação excessiva de fertilizantes, restringindo o uso e impondo a adoção de medidas mitigatórias do risco de poluição ambiental.

O modelo também estabelece padrões de consumo de água, produção de dejetos e oferta de nutrientes para diversos sistemas de produção de suínos, como as granjas de ciclo completo, creches e unidades de produção de leitões. Além disso, incorpora padrões mínimos para o armazenamento ou tratamentos dos dejetos, introduzindo novas tecnologias para seu manejo na granja.

Treinamento – A Embrapa Suínos e Aves, em parceria com o IMA, preparou um treinamento on-line em gestão ambiental na suinocultura. O curso traz como conteúdos a Instrução Normativa 11; tecnologias para destinação de animais mortos, biodigestão de dejetos suínos e carcaças de animais mortos não abatidos; gestão da água e produção de dejetos suínos; manejo dos dejetos como fertilizantes e o uso do SGAS.

O treinamento é gratuito e pode ser acessado em embrapa.br/suinos-e-aves/cursos.

Prêmio – Em setembro de 2021, o SGAS foi um dos vencedores do 22º Prêmio Fritz Müller, que visa reconhecer as empresas e organizações que desenvolvem projetos na área do meio ambiente em Santa Catarina. O software foi vencedor na categoria “Projeto de pesquisa”. A solenidade de entrega da premiação está prevista para o dia 3 de dezembro na sede da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis.

O Prêmio Fritz Müller é o principal reconhecimento ambiental do estado de Santa Catarina. O nome do Prêmio é uma homenagem ao naturalista alemão Johann Friedrich Theodor Müller, que viveu em Santa Catarina por 45 anos.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana