AGRO & NEGÓCIO

Embrapa realiza reunião com produtores do Alto Camaquã para incrementar a ovinocultura na região

Publicados

em


A Embrapa Pecuária Sul realizou uma reunião técnica com produtores vinculados à Associação para o Desenvolvimento Sustentável do Alto Camaquã (ADAC) no último dia 12 para discutir parceria entre as instituições visando o incremento na produção de cordeiros. O encontro foi realizado durante a 14º Agrovino, em Bagé (RS), e contou com a participação de produtores de oito municípios do Alto Camaquã e pesquisadores da Embrapa. O objetivo principal foi retomar um acordo de cooperação técnica que visa principalmente melhorar a oferta de cordeiros para a comercialização pelos produtores da região, reduzindo a estacionalidade na disponibilização de animais para o mercado.

         Segundo o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul José Carlos Ferrugem, o acordo estava pausado em decorrência da pandemia, mas foi retomado em outubro do ano passado. A parceria iniciou a partir de uma demanda dos próprios produtores que têm interesse em melhorar a produção ovina e ampliar o período de entrega de cordeiros para o mercado. Segundo Ferrugem, a primeira ação é a própria interação e organização dos produtores, que assim podem ter uma entrega de animais em uma janela de tempo maior.

         Inicialmente estão participando das ações 19 produtores, mas a ideia é que esse número aumente gradativamente. De acordo como pesquisador, atualmente os produtores vendem os cordeiros entre os meses de novembro e janeiro, que é justamente o período que a maior parte dos ovinocultores do estado entregam os animais para os frigoríficos. “Como na região são criadas diferentes raças, é possível ampliar esse período de entrega entre outubro e fevereiro, diminuindo a competição entre eles. E com uma organização entre os produtores também pode-se oferecer uma entrega de 80 cordeiros a cada semana, com ganhos para todos”, ressaltou. Entre as raças ovinas que são criadas na região estão Merino, Santa Inês, Ideal, Corriedale e Texel.

Palestra – O pesquisador José Carlos Ferrugem proferiu palestra técnica sobre a produção de cordeiros também no dia 12, dentro da programação da 14ª Agrovino. Segundo o pesquisador, a mudança no perfil da ovinocultura do estado, que passou da produção de lã para a de cordeiros, leva também a uma mudança na postura do produtor. Segundo ele, os cuidados e o uso de técnicas de manejo, tanto no período de acasalamento, como de gestação e no desenvolvimento de cordeiros, pode melhorar significativamente a produção. “Com o uso de técnicas conhecidas e relativamente simples para os produtores é possível reduzir as falhas na fertilização, diminuir a mortalidade de cordeiros e aumentar a taxas de ovulação das ovelhas”, destacou.  

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Custos de produção de frangos de corte e de suínos encerram 2021 em alta

Publicados

em


Os custos de produção de frangos de corte e de suínos encerraram o ano de 2021 com mais uma alta mensal segundo os estudos publicados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa. O ICPSuíno subiu 5,25% no mês de dezembro em relação a novembro, fazendo o índice chegar aos 400,51 pontos. Já o ICPFrango subiu 1,5% no mesmo período, chegando aos 403,53 pontos.

A alta no ICPSuíno foi influenciada pela variação de 5,1% nas despesas operacionais com a alimentação dos animais, que representa 81% do custo de produção de suínos. Em 2021, o ICPSuíno acumulou 6,76% de aumento. Com isso, o custo total de produção por quilograma de suíno vivo produzido em sistema tipo ciclo completo em Santa Catarina voltou ao patamar dos R$ 7, o que não acontecia desde agosto (R$ 7,12).

No ICPFrango, a alta também foi causada principalmente pela influência dos gastos com nutrição (1,58%) e nas despesas com energia elétrica e cama (0,11%). Em 2021, o índice acumulou variação de 19,79%. O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná, produzido em aviário tipo climatizado em pressão positiva, subiu R$ 0,07 em dezembro com relação a novembro, chegando aos R$ 5,21.

Os estados de Santa Catarina e Paraná são usados como referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Aplicativo Custo Fácil – O aplicativo da Embrapa agora permite gerar relatórios dinâmicos das granjas, do usuário e das estatísticas da base de dados. Os relatórios permitem separar as despesas dos custos com mão de obra familiar. O Custo Fácil está disponível de graça para aparelhos Android, na Play Store do Google.

Planilha de custos do produtor – Produtores de suínos e de frango de corte integrados podem usar na gestão da granja a planilha eletrônica feita pela Embrapa. A planilha pode ser baixada de graça no site da CIAS.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana